NACIONAL

MARTA TEMIDO DESTACA OS GRANDES DESAFIOS DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) precisa de melhorar a qualidade de acesso, motivar os profissionais de saúde e aumentar a sua produtividade e reforçar o investimento, disse hoje a ministra da Saúde, Marta Temido.

Estes foram os três desafios que a governante diagnosticou durante a sua intervenção numa cerimónia de encerramento das comemorações dos 40 anos do SNS, que decorreram hoje no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra.

“Apesar da relevância do caminho percorrido e das suas conquistas, a forma mais importante de comemorar o 40.º aniversário do SNS será prepará-lo para o futuro. Ao longo dos últimos 40 anos a sociedade portuguesa modificou-se profundamente e essas modificações colocam novos desafios à sua organização”, salientou.

O primeiro desafio prende-se “com o envelhecimento demográfico, com as alterações epidemiológicas e as multimorbilidades”, radiografou Marta Temido, referindo que esta conjugação de fatores tem gerado uma “procura crescente” na procura de cuidados de saúde.

Entre 2015 e 2018, frisou, o número de inscritos para consulta hospitalar através dos cuidados de saúde primários cresceu cerca de 5% e o de inscritos para cirurgia cerca de 7%.

“A resposta a este desafio implica melhorar a qualidade de acesso, continuando o investimento nos cuidados de saúde primários, conferindo-lhes meios mais diferenciados para responder em proximidade às necessidades, em articulação com as autarquias, e apostando na redução das listas de espera e introdução de cuidados de literacia para a adoção de estilos de vida saudáveis”, argumentou.

Perante uma plateia repleta, em que se encontravam vários antigos ministros da saúde, Marta Temido disse que a “capacidade de superar os desafios que o SNS enfrenta envolve compromissos de todos os atores”.

“Da mesma forma que para aprovar uma nova Lei de Bases da Saúde foi essencial a capacidade de trabalhar em conjunto e gerar entendimentos, melhorar a qualidade do acesso, estimular e motivar o orgulho pelo trabalho no SNS e planear e investir com rigor exigirá diálogo e transparência sobre o que nos move”, sublinhou.

Segundo a ministra da Saúde, o SNS não é “só um prestador de serviços, ele é sobretudo um instrumento de combate às desigualdades e de reforço da coesão social”, cuja melhoria “cabe a todos”.

Durante a sessão, foi apresentado o livro “40 anos do SNS”, da autoria da antiga jornalista Maria Elisa Domingues, pelo antigo ministro do Trabalho e Segurança Social Bagão Félix e Isabel Soares.

A cerimónia incluiu ainda o lançamento do selo comemorativo dos 40 anos do SNS.

VEJA AINDA:

INEM ENCAMINHOU 696 CASOS DE ENFARTE PARA HOSPITAIS EM 2020, 80% HOMENS

Lusa

COVID-19: TESTES VÃO SER ALARGADOS AOS CONTACTOS DE BAIXO RISCO

Lusa

ORDEM DOS MÉDICOS DIZ QUE ‘NÃO SE PODE DESCONFINAR JÁ’

Lusa

PORTUGAL VAI CONTINUAR ‘CONFINADO’ ATÉ MEADOS DE MARÇO DIZ MINISTRA DA SAÚDE

Lusa

COVID-19: PRIMEIRA FASE DE VACINAÇÃO PROLONGADA ATÉ ABRIL

Lusa

COVID-19: ÁUSTRIA CONFIRMA QUE VAI RECEBER 10 DOENTES PORTUGUESES

Lusa