Ligue-se a nós

REGIÕES

MÉDICOS FIXAM-SE EM VILA REAL E GANHAM TEMPO PARA A FAMÍLIA

O médico Tiago Mendes escolheu fixar-se em Vila Real por causa da família, após anos a trabalhar na Maia, uma decisão que lhe permite ter mais tempo para os filhos, estar próximo dos utentes e concretizar desafios profissionais.

Online há

em

O médico Tiago Mendes escolheu fixar-se em Vila Real por causa da família, após anos a trabalhar na Maia, uma decisão que lhe permite ter mais tempo para os filhos, estar próximo dos utentes e concretizar desafios profissionais.

É coordenador da Unidade de Saúde Familiar (USF) Corgo, localizada na cidade de Vila Real e inserida no Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Marão — Douro Norte, médico de família e faz visitas domiciliárias aos seus utentes.

Maria do Céu, 92 anos, recebe a visita regular de Tiago Mendes. As escadas do prédio, sem elevador, impedem a idosa de sair de casa e é com um sorriso na cara, de bata branca vestida e uma pequena mala na mão que o médico entra na sala onde a doente o espera.

“Enquanto médicos de família temos que estar o mais próximo possível dos nossos utentes. Cada um tem as suas necessidades e alguns têm necessidades mais especiais”, afirmou Tiago Mendes à agência Lusa, após a visita domiciliária à sua utente que sofre de várias patologias.

Maria do Céu gosta da visita que quebra a rotina imposta por uma queda e um consequentemente problema na perna que a obrigada a ficar em casa. “Está sempre disponível (…) Tive muita sorte com o meu médico”, contou a nonagenária à Lusa.

Tiago Mendes tem 1.750 utentes, 30 deles em visitação domiciliária neste momento.

“Temos que gerir muito bem o nosso tempo, temos que gerir muito bem a nossa lista, cada utente tem um grau de exigência diferente, obviamente, cada um tem as suas necessidades. Agora, um utente não é um número, é uma pessoa, com as suas necessidades, com as suas expectativas, mas acho que isso é o que torna a nossa profissão tão rica: a proximidade com as pessoas”, afirmou o clínico.

É de Cinfães, trabalhou durante anos na Maia e, depois de a sua esposa, também médica, ter vindo trabalhar para o Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro, optou por fazer viagens diárias entre a cidade transmontana e a do Grande Porto.

Ao fim de cinco anos “na estrada” decidiu fixar-se em Vila Real.

“E estou muito satisfeito com o trabalho, porque a unidade onde trabalho é exemplar, e estou satisfeito com a parte pessoal, porque me permite estar com a família, estou mais próximo, mais disponível”, salientou, acrescentando que agora até tem uma horta e já não tem que “andar uma hora no trânsito todos os dias”.

A USF do Corgo é a única em Trás-os-Montes com modelo B, tendo, por isso, um sistema remuneratório mais atrativo e um trabalho por objetivos.

“Atingindo os objetivos a que são propostas, as pessoas auferem um ordenado superior e isso também lhes traz outro tipo de motivação (…) Se temos profissionais motivados, obviamente o serviço que vão prestar é melhor e a população é quem vai beneficiar desse serviço”, frisou.

A USF Corgo tem oito médicos, apenas um com mais de 60 anos.

Segundo Tiago Mendes, a gestão da equipa – médicos, enfermeiros ou secretários clínicos – “não é difícil”, mas “é exigente” e obriga a pensar “no futuro”, a programar as reformas ou a fazer convites a outros clínicos.

Depois de 20 anos na zona do Porto, a estudar e a trabalhar, a médica Márcia Sá decidiu regressar a Vila Real, a sua terra natal. Ter um filho foi o mote para esta decisão.

“Achámos que iríamos ter mais qualidade de vida, mais apoio familiar, e achámos que estava na hora de fazer as malas e vir embora. Já tínhamos o sonho de voltar um dia (…) e o nosso ‘clique’ foi o bebé”, afirmou.

A médica de família destacou a “qualidade de vida”, o ter “tudo perto” e o viver a cinco minutos do local de trabalho, na USF Corgo, e salientou que lidar com os utentes “é mais fácil” e o ambiente é “mais tranquilo”.

Tem quase 1.800 utentes a seu cargo.

“O que está definido por médico de família é, pelo menos, 1.550 utentes, mas acabamos por ter sempre mais (…) É mais um filho que nasceu, um marido porque agora casaram, e acabamos por ir acrescentando aos agregados familiares, e as listas vão crescendo”, referiu.

Alexandrina Martins é interna de medicina geral e familiar e, após os quatro anos de internato, ambiciona ficar nesta região do Interior do país, mas ressalva que o concurso é de âmbito nacional.

É natural de Pedras Salgadas, estudou no Porto e quer “fugir da confusão”.

À tranquilidade do Interior junta também os desafios profissionais que há na região, salientando que, na USF Corgo, é possível fazer investigação e participar em projetos, nomeadamente um “pioneiro” que tem como objetivo diagnosticar e tratar pessoas com alto risco de desenvolverem apneia do sono, o que rompe com a imagem um pouco “monótona” que é comummente associada a esta especialidade.

REGIÕES

POLÍCIA MARÍTIMA E ACT FISCALIZARAM BARCOS ENTRE MATOSINHOS E PÓVOA DE VARZIM

Treze embarcações de pesca costeira foram fiscalizadas hoje numa ação de fiscalização conjunta da Polícia Marítima e Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), entre a Póvoa de Varzim e Matosinhos, anunciou a Autoridade Marítima Nacional (AMN).

Online há

em

Treze embarcações de pesca costeira foram fiscalizadas hoje numa ação de fiscalização conjunta da Polícia Marítima e Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), entre a Póvoa de Varzim e Matosinhos, anunciou a Autoridade Marítima Nacional (AMN).

Na ação, que teve ainda a colaboração da Unidade de Controlo Costeiro e de Fronteiras (UCCF) da GNR, cujo objetivo principal era “fiscalizar as condições exigidas aos marítimos para o exercício da atividade a bordo das embarcações, (…) foram elaborados onze autos de notícia pela Polícia Marítima”, assinala o comunicado.

Segundo a AMN, os processos foram levantados “devido ao embarque de marítimos sem constar no rol de tripulação, assim como a infrações com a lotação mínima de segurança e falta de habilitação legal, especialmente por não marítimos, para o exercício da atividade da pesca”.

“Foi ainda relevante a verificação das condições de trabalho a bordo, tendo sido efetuadas inúmeras notificações por parte dos elementos da ACT, relacionadas com procedimentos documentais por regularizar. Foi também efetuada a verificação do cumprimento jurídico de entrada e permanência de estrangeiros no território nacional, por parte da UCCF, não tendo sido identificadas quaisquer irregularidades”, prossegue a nota de imprensa.

LER MAIS

REGIÕES

DOURO: RESTRIÇÕES A NOVAS PLANTAÇÕES E APOIOS À MODERNIZAÇÃO

Associações do Douro, região com fortes restrições a novas plantações de vinha, defendem que os apoios financeiros devem ser aplicados na modernização da viticultura, como a mecanização, a rega ou na resiliência das castas às alterações climáticas.

Online há

em

Associações do Douro, região com fortes restrições a novas plantações de vinha, defendem que os apoios financeiros devem ser aplicados na modernização da viticultura, como a mecanização, a rega ou na resiliência das castas às alterações climáticas.

O ministro da Agricultura, José Manuel Fernandes, defendeu hoje, em entrevista ao jornal Público, que “terá de haver um travão” nos apoios para novas plantações de vinha, através dos programas VITIS (Regime de Apoio a Reconversão e Reestruturação da Vinha) ou do FEADER (Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural), questionando se algum português percebe que se esteja a dar recursos financeiros para plantar vinha e depois para arrancar vinha ou para o vinho ser destilado.

O ministro adiantou que até agora já se gastou em destilação 60 milhões de euros, um número que considerou “brutal”, e disse que “já se deveria ter parado há muito os apoios para vinha nova”.

António Filipe, da Associação das Empresas de Vinho do Porto (AEVP), afirmou à agência Lusa que não faz sentido fazer novas plantações para produzir vinho que, depois, não é vendido.

Este responsável lembrou que algumas regiões vitícolas do país, como por exemplo o Douro, “fecharam-se relativamente a estes aumentos, não estão sequer a utilizar 1%”.

O regime de autorizações de plantação prevê que, anualmente e de forma graciosa, sejam disponibilizadas autorizações para novas plantações, correspondentes a 1% da superfície total efetivamente plantada com vinhas à data de 31 de julho do ano anterior.

“Outra coisa é o apoio financeiro à reestruturação de vinhas existentes e aí a nossa posição é clara. Nós precisamos de continuar a ter este apoio para reestruturar vinhas. Não com o objetivo de produzir mais, é sobretudo com o objetivo de atualizar métodos de produção, implementar processos de mecanização, de rega, de melhoria da resiliência das castas às alterações climáticas, tudo isto dentro da mesma área existente, não estamos a falar em aumentar a vinha, mas sim em reestruturar o existente”, sublinhou.

E defendeu que esta reestruturação é “absolutamente crucial para o futuro do setor vitivinícola português”.

“O Douro foi a única região que, de alguma forma, acautelou esse aumento de área de vinha, coisa que o restante país vitícola não acomodou e tem estado a aumentar essa área”, afirmou Rui Paredes, da Federação Renovação do Douro.

Para este dirigente de uma associação representativa da produção, a posição do ministro “faz todo o sentido”, considerando que é “um contrassenso” estar-se a financiar o aumento da área de vinha, para depois se vir “pedir dinheiro para fazer uma destilação, porque há excessos ou porque não se vende”.

“E eu penso que o país deveria de, uma vez, equacionar se faz sentido continuar a aumentar a área de vinha. O Douro já tomou a iniciativa de ser um aumento só marginal ou seja, estamos a falar em 4,4 hectares, não tem grande significado comparativamente com o resto do país”, apontou.

Na sua opinião, não tem sentido estar a financiar o aumento da capacidade produtiva e concorda que o caminho passa pela modernização.

“Os recursos humanos e da mão-de-obra são um problema que temos diariamente e, se não for feito nada, se não modernizarmos, se não otimizarmos alguns trabalhos vai ser muito complicado no futuro. Cada vez mais temos que nos preparar para uma crise na questão dos recursos humanos”, frisou.

Ainda relativamente à entrevista do ministro, Rui Paredes disse concordar com a simplificação dos processos, nomeadamente a questão do pedido único para viticultores e agricultores que tenham dimensões mais pequenas, considerando que “faz todo o sentido essa simplificação”.

LER MAIS
Subscrever Canal WhatsApp
RÁDIO ONLINE
ASSOCIAÇÃO SALVADOR, HÁ 20 ANOS A TIRAR SONHOS DO PAPEL

LINHA CANCRO
DESPORTO DIRETO
A RÁDIO QUE MARCA GOLOS
FAMALICÃO X SPORTING




A RÁDIO QUE MARCA GOLOS
PORTO X VIZELA




A RÁDIO QUE MARCA GOLOS
AROUCA X SPORTING




A RÁDIO QUE MARCA GOLOS
PORTO X BENFICA




RÁDIO REGIONAL NACIONAL: SD | HD



RÁDIO REGIONAL VILA REAL


RÁDIO REGIONAL CHAVES


RÁDIO REGIONAL BRAGANÇA


RÁDIO REGIONAL MIRANDELA


MUSICBOX

WEBRADIO 100% PORTUGAL


WEBRADIO 100% POPULAR


WEBRADIO 100% BRASIL


WEBRADIO 100% ROCK


WEBRADIO 100% OLDIES


WEBRADIO 100% LOVE SONGS


WEBRADIO 100% INSPIRATION


WEBRADIO 100% DANCE

KEYWORDS

FABIO NEURAL @ ENCODING


ASSOCIAÇÃO SALVADOR, HÁ 20 ANOS A TIRAR SONHOS DO PAPEL
NARCÓTICOS ANÓNIMOS
PAGAMENTO PONTUAL


MAIS LIDAS