Connect with us

REGIÕES

MIRANDELA: MEDICAMENTOS GRÁTIS PARA OS CARENCIADOS

Os doentes do concelho transmontano de Mirandela em situação de carência económica têm, desde 1 de janeiro, acesso garantido a medicamentos garantido por uma parceria entre o município e uma rede solidária nacional, divulgou hoje a autarquia.

Data:

em

Os doentes do concelho transmontano de Mirandela em situação de carência económica têm, desde 1 de janeiro, acesso garantido a medicamentos garantido por uma parceria entre o município e uma rede solidária nacional, divulgou hoje a autarquia.

O apoio resulta do protocolo celebrado entre a Câmara de Mirandela, no distrito de Bragança, e a Associação Dignitude para a implementação do “Cartão abem – Rede Solidária de Medicamento”.

Segundo informação divulgada hoje pela autarquia liderada por Júlia Rodrigues, o programa está em vigor desde 01 de janeiro “com a adesão de todas as farmácias do concelho de Mirandela” e os potenciais beneficiários podem fazer as inscrições junto dos serviços de ação social municipais.

O apoio surge no âmbito de um programa nacional, ao qual aderiu agora o município de Mirandela, que “tem por objetivo garantir o acesso ao medicamento em ambulatório por parte de qualquer cidadão que, em Portugal, se encontre numa situação de carência económica que o impossibilite de adquirir os medicamentos comparticipados que lhe sejam prescritos por receita médica”.

“Esta rede solidária do medicamento tem por destinatários, em geral, os indivíduos beneficiários de prestações sociais de solidariedade, mas igualmente todos os que se deparem com uma situação inesperada de carência económica”, esclarece a autarquia.

A Câmara de Mirandela “pretende assim contribuir para o desenvolvimento do programa”, aproveitando o papel que desempenha na agregação de parceiros locais e envolvimento e dinamização da sociedade civil e tecido empresarial no voluntariado social.

Além de recentemente ter lançado um projeto de voluntariado articulado com as empresas para dar resposta a necessidades locais, a autarquia aposta também na experiência dos serviços sociais municipais na referenciação de pessoas vulneráveis para encaminhar os casos de comprovada necessidade para o programa de acesso ao medicamento.

LUSA

AS MAIS LIDAS