Ligue-se a nós

INTERNACIONAL

CRIANÇAS DESLOCADAS EM TODO O MUNDO ATINGE RECORDE DE 43,3 MILHÕES – UNICEF

O número de crianças deslocadas a nível mundial chegou a 43,3 milhões em 2022, novo recorde estimado pela UNICEF, que calcula que a guerra na Ucrânia tenha levado à fuga de mais de dois milhões de menores.

Online há

em

O número de crianças deslocadas a nível mundial chegou a 43,3 milhões em 2022, novo recorde estimado pela UNICEF, que calcula que a guerra na Ucrânia tenha levado à fuga de mais de dois milhões de menores.

De acordo com um relatório do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), o número de crianças deslocadas dos seus lares duplicou na última década, superando a capacidade de inclusão e proteção das crianças refugiadas e deslocadas.

A propósito do Dia Mundial do Refugiado, hoje assinalado, a UNICEF refere que, de 43,3 milhões de crianças que estavam em situação de deslocamento forçado no final do ano passada, quase 60% (25,8 milhões) foram deslocadas internamente devido a conflitos e violência.

Também eventos climáticos extremos, como as cheias no Paquistão e a seca no Corno de África, resultaram em mais 12 milhões de deslocamentos de crianças ao longo de 2022.

“O número de crianças forçadas a fugir das suas casas tem aumentado a um ritmo alarmante há mais de uma década e a nossa capacidade global de resposta está sob forte pressão”, afirma a diretora executiva da UNICEF, Catherine Russell, citada em comunicado.

“Este aumento reflete o impacto dos conflitos, crises e desastres climáticos em todo o mundo, mas também mostra a resposta insuficiente de muitos Governos para garantir que todas as crianças refugiadas e deslocadas internamente possam continuar a aprender, manter-se saudáveis e a desenvolver todo o seu potencial”, acrescentou.

Além dos mais de dois milhões de crianças ucranianas que tiveram de deixar o país, a invasão russa obrigou ainda mais de um milhão de menores a deslocar-se internamente.

A UNICEF apela aos Governos que não deixem nenhuma criança para trás, exortando ao reconhecimento das crianças refugiadas, migrantes e deslocadas como “crianças em primeiro lugar”, e que lhes forneçam vias seguras e legais para se movimentarem, procurarem asilo e reunirem-se com as suas famílias.

Entre os apelos, o Fundo das Nações Unidas pede ainda aos executivos o reforço dos sistemas nacionais de educação, saúde, proteção infantil e proteção social para que sejam incluídas sem discriminação; e que se invista em sistemas nacionais de proteção infantil para melhor proteger as crianças em movimento em risco de exploração e violência, especialmente as crianças não acompanhadas.

INTERNACIONAL

SAÚDE: TABACO VAI “MATAR” MAIS DE OITO MILHÕES DE PESSOAS POR ANO ATÉ 2030

O tabaco matará mais de oito milhões de pessoas no mundo todos os anos até 2030 se as atuais tendências se mantiverem, estimou hoje a Organização Mundial de Saúde, segundo a qual 80% das mortes ocorrerão em países pobres.

Online há

em

O tabaco matará mais de oito milhões de pessoas no mundo todos os anos até 2030 se as atuais tendências se mantiverem, estimou hoje a Organização Mundial de Saúde, segundo a qual 80% das mortes ocorrerão em países pobres.

Num relatório lançado hoje, a Organização Mundial de Saúde (OMS) define o consumo de tabaco como “uma epidemia global que assola países e regiões inteiros”, causando a maior parte dos danos nos países mais vulneráveis.

“O consumo de tabaco continua a ser a principal causa global de morte evitável. Mata quase seis milhões de pessoas todos os anos devido ao cancro, doenças cardíacas, doenças respiratórias, doenças infantis e outras”, lê-se no documento, em que se assinalam também prejuízos de biliões de dólares em todo o mundo, todos os anos, relacionados com as causas do consumo.

No relatório, lançado em antecipação do Dia Mundial Sem Tabaco, 31 de maio, a OMS e a STOP, entidade fiscalizadora global da indústria do tabaco, destacam a forma como a indústria do tabaco e da nicotina concebe produtos, lança campanhas de ‘marketing’ e trabalha para moldar ambientes políticos propícios ao consumo.

“Fisgar a próxima geração: como a indústria do tabaco capta jovens clientes” é o nome do trabalho hoje apresentado em conferência de imprensa por especialistas da OMS.

Entre outros pontos, no trabalho desenvolvido foi abordado o consumo de tabaco entre milhões de adolescentes com idades entre os 13 e os 15 anos, bem como a taxa de consumo de cigarros eletrónicos, em comparação com os adultos, em vários países.

As táticas para captar jovens consumidores passam por lançar produtos com uma enorme variedade de sabores e anúncios que os peritos consideram não serem dirigidos a adultos.

A OMS exige medidas aos governos para travar o consumo, como o aumento do preço do tabaco, já que a indústria continua a lançar produtos e a preferir pagar multas.

Os Estados-membros da OMS criaram o Dia Mundial Sem Tabaco em 1987 para alertar para “a epidemia do tabaco” e para as mortes e doenças que provoca.

“Ao longo do século XXI, o consumo de tabaco poderá matar até mil milhões de pessoas, a menos que sejam tomadas medidas urgentes”, alertam os peritos no relatório.

A dependência do tabaco é projetada através de fórmulas cuidadosamente calculadas “de mais de mil produtos químicos e outros ingredientes”, sublinham os peritos, ao alertarem que o tabaco mata até metade dos consumidores regulares.

LER MAIS

INTERNACIONAL

MARINHA ACOMPANHOU PASSAGEM DE NAVIO RUSSO POR ÁGUAS PORTUGUESAS

A Marinha portuguesa concluiu nesta quarta-feira, após aproximadamente 100 horas, a monitorização e acompanhamento da passagem de um navio científico da Federação Russa por águas portuguesas, adiantou este ramo das Forças Armadas.

Online há

em

A Marinha portuguesa concluiu nesta quarta-feira, após aproximadamente 100 horas, a monitorização e acompanhamento da passagem de um navio científico da Federação Russa por águas portuguesas, adiantou este ramo das Forças Armadas.

O navio científico russo entrou no limite sudoeste das águas sobre jurisdição nacional na manhã de 19 de maio, tendo efetuado todo o seu trânsito até ao limite norte, nesta quarta-feira, ao largo de Caminha, referiu a Marinha, em comunicado.

“Este tipo de navios é utilizado para recolha e aquisição de dados sobre recursos existentes nas águas e no leito marinho e servem também, em alguns casos, para identificar e mapear zonas de passagem de cabos submarinos”, realçou ainda.

A monitorização e acompanhamento, que decorreu aproximadamente durante 100 horas, foi feito através do NRP Zaire e do NRP Viana do Castelo e do Centro de Operações Marítimas.

“A Marinha, através destas ações de monitorização e vigilância, garante a defesa e segurança dos espaços marítimos sob soberania ou jurisdição nacional, na proteção dos interesses de Portugal e, simultaneamente, contribui para assegurar o cumprimento dos compromissos internacionais assumidos no quadro da Aliança”, frisou ainda este ramo das Forças Armadas.

LER MAIS
Subscrever Canal WhatsApp
RÁDIO ONLINE
ASSOCIAÇÃO SALVADOR, HÁ 20 ANOS A TIRAR SONHOS DO PAPEL

LINHA CANCRO
DESPORTO DIRETO

RÁDIO REGIONAL NACIONAL: SD | HD



RÁDIO REGIONAL VILA REAL


RÁDIO REGIONAL CHAVES


RÁDIO REGIONAL BRAGANÇA


RÁDIO REGIONAL MIRANDELA


MUSICBOX

WEBRADIO 100% PORTUGAL


WEBRADIO 100% POPULAR


WEBRADIO 100% LOVE SONGS


WEBRADIO 100% BRASIL


WEBRADIO 100% OLDIES


WEBRADIO 100% ROCK


WEBRADIO 100% DANCE


WEBRADIO 100% INSPIRATION

KEYWORDS

FABIO NEURAL @ ENCODING


NARCÓTICOS ANÓNIMOS
PAGAMENTO PONTUAL


MAIS LIDAS