RÁDIO REGIONAL | PORTUGAL
ECONOMIA & FINANÇAS

NÚMERO DE HÓSPEDES RECUA 59% E DORMIDAS CAEM 66,5% EM MARÇO – INE

Os hóspedes em alojamento turístico terão recuado 59,0% e as dormidas terão diminuído 66,5% em março, uma variação homóloga “muito negativa, mas menos acentuada”, que compara com um mês de 2020 já afetado pela pandemia, divulgou hoje o INE.

Segundo as estatísticas rápidas do Instituto Nacional de Estatística (INE) para a atividade turística em março, nesse mês o setor do alojamento turístico (hotelaria, alojamento local com 10 ou mais camas e turismo no espaço rural/de habitação) registou 283,7 mil hóspedes e 636,1 mil dormidas, correspondendo a variações de -59,0% e -66,5%, respetivamente (-87,1% e -87,8% em fevereiro, pela mesma ordem).

No mês em análise assistiu-se a uma recuperação das dormidas de residentes, com o mercado interno (peso de 71,1%) a contribuir com 452,1 mil dormidas, o que representou um decréscimo de 20,2% (-74,9% em fevereiro).

Já as dormidas dos mercados externos diminuíram 86,2% (-94,5% no mês anterior) e atingiram 184,0 mil.

Os hóspedes residentes terão sido 233,8 mil, um decréscimo de 21,7% (-77,6% em fevereiro), e os hóspedes não residentes terão atingido um total de 49,9 mil, recuando 87,3% (-96,1% em fevereiro).

O INE ressalva que “estas variações homólogas, em março, incidem sobre o primeiro mês de 2020 em que o impacto da pandemia covid-19 já foi sentido significativamente”.

Em março, no contexto do estado de emergência, 58,5% dos estabelecimentos de alojamento turístico estiveram encerrados ou não registaram movimento de hóspedes (63,9% em fevereiro).

VEJA AINDA:

DESPEDIMENTOS COLETIVOS MAIS DO QUE DUPLICARAM EM 2020 – RELATÓRIO

Lusa

CRISE: RETORNO DO TURISMO AOS NÍVEIS PRÉ-PANDEMIA SÓ EM 2023

Lusa

CRITÉRIOS PARA CONCESSÃO DE CRÉDITO ÀS EMPRESAS APERTARAM NO 2.º TRIMESTRE – BDP

Lusa

CASTELO BRANCO: AGRICULTORES EXIGEM MEDIDAS DE APOIO À CRISE PROVOCADA PELO COVID-19

Lusa

ANA DIZ QUE GROUNDFORCE DEVE 769,6 MIL EUROS E AVANÇA COM REVOGAÇÃO DE LICENÇA

Lusa

COVID-19: MULHERES VÃO TER MAIS DIFICULDADE EM RECUPERAR EMPREGO – OIT

Lusa