PORTO: ARTESÃOS ‘REVOLTADOS’ PELO FIM DA FEIRA DO NATAL

A Associação de Artesãos da Região Norte (AARN) acusou hoje a Câmara do Porto de, “unilateralmente” ter decido que não vai manter a feira de artesanato que todos os anos acontece na altura de Natal.

A Associação de Artesãos da Região Norte (AARN) acusou hoje a Câmara do Porto de, “unilateralmente” ter decido que não vai manter a feira de artesanato que todos os anos acontece na altura de Natal.

“Não podemos deixar de manifestar o nosso total e profundo desagrado, assim como perplexidade e desconfiança, por apenas alguns serem afetados por esta decisão. (…) De facto, é de estranhar a forma como são tratados os eventos nesta cidade, criando uma artificialidade para encobrir a verdade, numa tentativa de fechar a porta a uns e abrir uma janela para outros”, afirmou, na reunião do executivo municipal desta manhã, Hélder Coutinho, representante da associação.

Segundo aquele responsável, a notificação de que este ano não haveria feirs foi feita a semana passada, na sequência de um pedido de informação feito pela associação que promove uma feira durante a época natalícia desde 1985.

Hélder Coutinho lembrou que a feira Artesanatus, que todos os anos junta dezenas de comerciantes, foi sendo “deslocalizada” para um espaço alternativo à Praça D. João I, o Largo Amor de Perdição, facto que foi sempre contestado pelos artesãos.

Apesar disso, referiu, a associação “arregaçou os braços” e aceitou o desafio, apesar dos resultados não terem sido dos esperados.

“Recentemente fomos confrontados com a notícia de que a câmara municipal do porto pretende rever a estratégia para mercados de Natal na cidade e, por esse motivo, não tenciona autorizar a realização da Artesanatus 2019. Será esta a forma que a câmara pretende desenvolver a estratégia: por um lado acabar com um evento cultural e histórico que orgulha e engrandece a cidade e, por outro lado, apoiar eventos de índole duvidosa e compactuar com ilegalidades”, afirmou.

Na resposta, o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira defendeu que se a associação entendia existirem ilegalidades, devia formalizar uma queixa no Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) e acusou a AARN de “querer impor” à câmara do Porto a realização daquele evento na Praça D. João I.

Sucede que, explicou Moreira, a estratégia da autarquia para a época de Natal é uma estratégia de promoção de comércio de rua, que “não quer ter uma concorrência dos artesãos, nas semanas que mais vendem”.

“Aquilo que os comerciantes do Porto, que têm a porta aberta todos os dias, nos pediram foi: gostávamos que a Câmara do Porto tivesse ali um tipo de animação que trouxesse clientes e não nos roubasse clientes, e foi por isso que nós decidimos fazer lá as pistas de gelo”, explicou.

O autarca salientou ainda que os argumentos apresentados justificam ainda mais esta tomada de posição da autarquia, uma vez que o descontentamento pelas soluções apresentadas pela câmara em relação à localização da feira foram sempre contestados.

Moreira comprometeu-se, contudo, a promover uma reunião com o pelouro responsável, ainda que, salientou, nem sempre é possível chegar a um entendimento, tal como foi pedido pela vereadora da CDU, Ilda Figueiredo, que, ainda que concordando com a autarquia nesta matéria, disse acreditar ser possível chegar a um entendimento entre as partes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.