Ligue-se a nós

REGIÕES

PORTO: RUI MOREIRA ‘SUGERE’ QUE A TAP SEJA INCORPORADA NA CARRIS

O presidente da Câmara do Porto sugeriu esta sexta-feira ao ministro das Infraestruturas que acabe com as quatro rotas da TAP a partir do Aeroporto Francisco Sá Carneiro que dão prejuízo e “incorpore” a companhia aérea na Carris ou Soflusa.

Online há

em

O presidente da Câmara do Porto sugeriu esta sexta-feira ao ministro das Infraestruturas que acabe com as quatro rotas da TAP a partir do Aeroporto Francisco Sá Carneiro que dão prejuízo e “incorpore” a companhia aérea na Carris ou Soflusa.

Na quinta-feira, numa audição na Comissão de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação, no parlamento, o ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, disse que as quatro rotas criadas no aeroporto do Porto, para Amesterdão, Milão, Zurique e Ponta Delgada, estão com “46% da lotação em média” e são “neste momento um prejuízo para a TAP”.

“Pelos vistos, são as quatro rotas do Porto que dão prejuízo à TAP. As rotas de Lisboa darão lucro. A nova rota Lisboa/Bilbau deve ser um ‘must’ em termos de rentabilidade e importantíssima para uma estratégia nacional. Promover visitas ao Gugenheim basco é ‘top’. Mas, senhor ministro, são boas notícias“, ironizou o presidente da Câmara do Porto, o independente Rui Moreira, numa publicação na sua página na rede social Facebook.

Reagindo às declarações de Pedro Nuno Santos, Moreira sugere parar com as quatro rotas do Porto que dão prejuízo e a incorporar a TAP na Carris ou na Soflusa.

“Se são as quatro rotas do Porto que dão prejuízo, pare com elas. Mas, por favor, incorpore a TAP na Carris ou na muito rentável Soflusa. Nós não nos importamos, havemos de encontrar uma solução. Para Lisboa é ótimo: fica com a TAP que, sem o prejuízo do Porto, deixa de ser um perdócio”, lê-se na mesma publicação intitulada “As boas notícias da TAP”.

E acrescentou: “Para o resto do país — para a província em que alegremente nos incluímos — é uma maravilha, porque a TAP deixa de nos custar dinheiro”.

No parlamento, o ministro revelou ainda que está a ser estudado o reforço da frota da TAP Express/Portugalia para operar a partir de Porto e Faro para outros aeroportos da Europa, em “ligações ponto a ponto”, para tentar que a TAP seja “mais competitiva”, nomeadamente face às companhias aéreas ‘low-cost’.

No futuro, “queremos uma TAP sustentável que possa manter a sua estratégia como hub e reforçar no ponto a ponto”, adiantou o governante, salientando que está a ser avaliado se é possível combinar as duas estratégias.

Pedro Nuno Santos anunciou também, no parlamento, que irão sair 1.600 trabalhadores do grupo TAP até ao final do ano, tendo já saído 1.200 colaboradores.

“Não podemos manter artificialmente uma dimensão que não tem adesão ao mercado em que estamos hoje [esta sexta-feira] a operar”, explicou, salientando que isso “implica que no processo de reestruturação seja feito o redimensionamento” da companhia.

“Não podemos manter emprego que depois não tem trabalho”, rematou.

Quanto ao plano de reestruturação para a empresa, que está a ser elaborado pela Boston Consulting Group (BCG), o ministro realçou que a decisão final cabe aos acionistas e que este trabalho é de assessoria.

REGIÕES

CARRAZEDA DE ANSIÃES: HOMEM CONSTITUÍDO ARGUIDO POR PROVOCAR INCÊNDIO

A Guarda Nacional Republicana (GNR) constituiu arguido um homem de 41 anos em Marzagão, Carrazeda de Ansiães, por ter ateado um incêndio de forma negligente enquanto manuseava uma motorroçadora, informou hoje a autoridade.

Online há

em

A Guarda Nacional Republicana (GNR) constituiu arguido um homem de 41 anos em Marzagão, Carrazeda de Ansiães, por ter ateado um incêndio de forma negligente enquanto manuseava uma motorroçadora, informou hoje a autoridade.

O caso remonta a 16 deste mês, no distrito de Bragança. A investigação conduzida pela GNR permitiu perceber que a ignição aconteceu durante a realização de atividades agrícolas com uma motorroçadora, de forma negligente, num terreno junto a uma mancha florestal.

A GNR conseguiu identificar o responsável pelos trabalhos que estavam em curso, onde não foram mantidos os cuidados necessários de vigilância. Os factos foram remetidos para o tribunal de Vila Flor.

A Guarda relembrou que a Linha SOS Ambiente e Território – 808 200 520 – funciona em permanência, para a denúncia de infrações ou esclarecimento de dúvidas.

LER MAIS

REGIÕES

COIMBRA: RECLUSOS VÃO TRABALHAR PARA AJUDAR OS SERVIÇOS AUTÁRQUICOS

A Câmara de Coimbra e a prisão local vão celebrar um protocolo de colaboração para que reclusos em regime aberto possam trabalhar em várias áreas do município, como espaços verdes ou resíduos urbanos.

Online há

em

A Câmara de Coimbra e a prisão local vão celebrar um protocolo de colaboração para que reclusos em regime aberto possam trabalhar em várias áreas do município, como espaços verdes ou resíduos urbanos.

O protocolo de colaboração foi hoje aprovado por unanimidade na reunião do executivo camarário, perspetivando a integração laboral de reclusos do Estabelecimento Prisional de Coimbra em várias unidades orgânicas da autarquia.

“A Câmara de Coimbra pretende contribuir, assim, para a ressocialização e para a promoção da reinserção social, familiar e profissional desses reclusos, com vista à sua autonomização progressiva”, salientou o município.

O protocolo prevê que os presos possam trabalhar em tarefas como limpeza de matas e caminhos florestais, jardinagem e manutenção de espaços verdes, limpeza urbana, recolha de resíduos urbanos e obras de reparação e manutenção de edifícios, entre outras.

“Poderão, ainda, ser acrescentadas outras áreas de intervenção, consideradas necessárias e oportunas pela autarquia e passíveis de resposta pelos reclusos do Estabelecimento Prisional de Coimbra”, acrescentou a autarquia.

Os trabalhos irão ocorrer em locais definidos pelos serviços municipais e dentro de um horário estabelecido.

Segundo o município, os presos terão direito a receber da autarquia “uma bolsa de ocupação mensal de montante igual ao valor do Indexante dos Apoios Sociais [cerca de 500 euros] e um subsídio de alimentação referente a cada dia de atividade, de valor correspondente ao atribuído à generalidade dos trabalhadores que exerçam funções públicas”.

O protocolo prevê ainda que os participantes possam integrar ações de formação.

Os reclusos que poderão trabalhar na autarquia serão selecionados pela Direção Geral de Reinserção e Serviços Prisionais.

LER MAIS

MAIS LIDAS