RÁDIO REGIONAL
NACIONAL

PORTUGUESES SENTIRAM EFEITO NEGATIVO DA PANDEMIA NA SAÚDE MENTAL

nbsp| RÁDIO REGIONAL

Mais de um quarto da população maior de 16 anos disse ter sentido, em 2021, o efeito negativo da pandemia na saúde mental, uma situação que afetou mais as mulheres e pessoas desempregadas, revelam esta sexta-feira dados do Instituto Nacional de Estatística (INE).

“Em 2021, 26,6% da população com 16 ou mais anos referiu o efeito negativo da pandemia Covid-19 sobre a saúde mental”, adianta o Instituto Nacional de Estatística (INE) na publicação “Rendimento e condições de vida 2021 — Estado de saúde”.

De acordo com os dados, esta situação foi apontada por mais mulheres (30,2%) do que homens (22,4%) e em proporções bastante semelhantes na população menor de 65 anos (26,8%) e na população idosa (25,9%).

“Por nível de escolaridade, embora sem diferenças muito significativas, a população com ensino superior completo registou uma proporção de 27,8%, superior à média nacional, e a população sem qualquer nível de escolaridade completo uma proporção de 25,4%“, refere o INE.

Por condição perante o trabalho, verifica-se que é na população em situação de desemprego que este indicador atingiu o valor mais elevado (33,7%), 7,1 pontos percentuais (p.p) acima da média.

Os resultados do inquérito apontam também que a proporção de pessoas com 16 ou mais anos em risco de pobreza que disseram ter sido afetadas pelo efeito negativo da crise pandémica na saúde mental foi superior em 3 p.p. à proporção obtida para a população em geral da mesma idade.

O Inquérito às Condições de Vida e Rendimento das Famílias é realizado em Portugal desde 2004. Até 2020 realizou-se no quadro de legislação comunitária específica que estabelecia um sistema comunitário harmonizado de produção de estatísticas sobre a pobreza, privação e exclusão social.

A partir de 2021, o inquérito é realizado de acordo com regulamentação europeia específica do Parlamento Europeu e do Conselho.

Em Portugal, a informação do inquérito foi regularmente recolhida com periodicidade anual através de entrevistas presenciais assistidas por computador no 2.º semestre de cada ano.

Na sequência das medidas de saúde pública subsequentes à pandemia Covid-19, nomeadamente o confinamento e o distanciamento social, o inquérito foi exclusivamente realizado através de entrevistas telefónicas em 2020 e 2021.

VEJA AINDA:

ESTUDO: BEBER CERVEJA FAZ BEM AOS INTESTINOS E NÃO ENGORDA

Lusa

ESTUDO: VÍRUS MONKEYPOX TERÁ ORIGEM ÚNICA E JÁ TEM MAIS DE 50 MUTAÇÕES

Lusa

VALE DE CAMBRA: 40 ALDEIAS SEM MÉDICO DE FAMÍLIA HÁ UM MÊS

Lusa

LAMEGO: ASSEMBLEIA MUNICIPAL EXIGE REABERTURA DO HELIPORTO

Lusa

MAJORAÇÃO DE 60% NO VENCIMENTO A MÉDICOS QUE SE FIXEM EM ZONAS MAIS CARENCIADAS

Lusa

ENXAQUECA: CIRURGIA PODE MELHORAR A QUALIDADE DE VIDA DOS PACIENTES

Lusa