Ligue-se a nós

CIÊNCIA & TECNOLOGIA

PORTUGUESES USAM POUCO FERRAMENTAS DE INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

Três em cada cinco portugueses (60%) afirmam conhecer pelo menos uma ferramenta de inteligência artificial generativa, sendo o mais comum o ChatGPT (54%), mas só 28% a utiliza com regularidade, segundo estudo da consultora Deloitte hoje divulgado.

Online há

em

Três em cada cinco portugueses (60%) afirmam conhecer pelo menos uma ferramenta de inteligência artificial generativa, sendo o mais comum o ChatGPT (54%), mas só 28% a utiliza com regularidade, segundo estudo da consultora Deloitte hoje divulgado.

De acordo com as conclusões do “Digital Consumer Trends 2023” – realizado em 17 países para analisar os hábitos de utilização de produtos e serviços digitais pelos consumidores – apenas 28% dos portugueses utiliza com regularidade, ou seja, pelo menos uma vez por semana, ferramentas de inteligência artificial generativa (GenAI).

A maioria dos inquiridos (68%) que conhecem a GenAI já utilizou pelo menos uma destas ferramentas, 74% por motivos pessoais, enquanto cerca de 40% afirmou ter usado estas ferramentas por motivos profissionais e 31% no âmbito da educação.

O estudo conclui ainda que mais de metade (56%) dos portugueses acreditam que a inteligência artificial generativa irá reduzir o número de empregos disponíveis no futuro, com 47% a admitirem estar preocupados com o facto de algumas das suas funções no local de trabalho virem a ser absorvidas por esta ferramenta.

Entre os profissionais que afirmam já ter utilizado esta tecnologia, 28% acredita que o seu empregador concordaria com a utilização destas ferramentas, sendo que dois em cada cinco (40%) utilizadores dizem que estariam dispostos a pagar por uma ferramenta de GenAI para poderem fornecer respostas mais rápidas e estar mais disponíveis para tarefas que exijam mão humana.

Outra das conclusões do estudo aponta para a crescente popularidade, desde o ano passado, de aparelhos tecnológicos como os ‘wearables’ ou tecnologias vestíveis, ou seja, dispositivos semelhantes a roupa ou acessórios, como relógios, pulseiras ou mesmo óculos de realidade virtual: 38% dos portugueses têm um relógio inteligente e 25% têm uma pulseira ‘fitness’ e 77% destes monitorizam a sua saúde nos seus dispositivos.

O acesso a ‘smartphones’ também aumentou, em um ponto percentual, desde o ano passado: 95% dos portugueses entre os 18 e os 65 anos tem um ‘smartphone’, sendo o segundo aparelho digital mais comum o computador portátil, com 87% dos portugueses a afirmar ter um.

Os portugueses mostram, também, algum entusiasmo pelas soluções de identidade digital, com, por exemplo, 45% a afirmar que gostaria de poder utilizar o seu smartphone para aceder aos dados do seu bilhete de identidade ou 42% a dados da sua carta de condução.

Por outro lado, quase metade (48%) usa o ‘smartphone’ ou ‘smartwatch’ para fazer pagamentos, percentagem que cresce entre os utilizadores da Apple (60%).

No entanto, quando inquiridos sobre a possibilidade de partilhar os seus dados pessoais com as autoridades, apenas 28% estariam dispostos a fornecer acesso ao seu histórico de navegação, 30% estariam dispostos a dar acesso a um registo digital do seu rosto e 34% à localização do seu telemóvel, mesmo que isto significasse uma proteção mais eficaz contra fraudes.

Do estudo resulta ainda que mais de metade dos portugueses (57%) têm acesso a um serviço de ‘streaming’ de vídeo pago e 32% têm acesso a um serviço de ‘streaming’ de música pago, mas quase um em cada quatro inquiridos (23%) cancelou uma subscrição paga de um serviço de subscrição de vídeo nos últimos 12 meses, destacando-se o facto de a assinatura ser demasiado cara como a principal razão para o cancelamento (23%).

Quase metade dos utilizadores de ‘smartphones’ (48%) têm rede 5G no seu telemóvel, sendo que três em cada cinco (60%) afirmam que a sua experiência de internet móvel em 5G é melhor do que em 4G.

Por outro lado, três em cada quatro inquiridos (75%) têm uma ligação à internet de banda larga fixa em casa e a maioria tem-na associada a um pacote de televisão (77%) ou a um telefone fixo (66%), afirmando-se a maioria (74%) satisfeita com a sua ligação doméstica à Internet.

Ainda assim, 54% alterou o seu serviço de Internet doméstica nos últimos 12 meses e 14% mudou de fornecedor no último ano.

O estudo da Deloitte contou com entrevistas a 27.150 consumidores a nível global, provenientes de 17 países em três continentes, entre os quais 1.000 consumidores portugueses.

CIÊNCIA & TECNOLOGIA

ESTUDO AVALIOU O CÉREBRO DE BOMBEIROS EM SITUAÇÃO CRÍTICA DE INCÊNDIOS

Uma investigação da Universidade de Coimbra (UC), hoje divulgada, analisou a resposta cerebral de bombeiros perante ações de resgate em incêndios e os cientistas acreditam que o estudo pode ser importante para melhorar as decisões em situações de risco.

Online há

em

Uma investigação da Universidade de Coimbra (UC), hoje divulgada, analisou a resposta cerebral de bombeiros perante ações de resgate em incêndios e os cientistas acreditam que o estudo pode ser importante para melhorar as decisões em situações de risco.

O trabalho, liderado pela investigadora Isabel Duarte e por Miguel Castelo-Branco, coordenador científico do Centro de Imagem Biomédica e Investigação Translacional do Instituto de Ciências Nucleares Aplicadas à Saúde (CIBIT/ICNAS), implicou a realização de jogos virtuais de salvamento, por parte de 47 bombeiros de várias corporações do distrito de Coimbra.

A equipa de investigação concluiu que a visualização de imagens implicando decisões de resgate de pessoas em incêndios pode “ter grande importância para melhorar e treinar a tomada de decisão em situações de risco”, referiu a UC, em comunicado enviado à agência Lusa.

“Ao analisar de que forma o cérebro resolve dilemas que envolvem decisões que podem salvar vidas, foi possível estudar o papel da experiência e o uso de estratégias de `coping` [conjunto de estratégias cognitivas e comportamentais usadas pelas pessoas para enfrentar situações de stress, perante condições de elevada sobrecarga emocional para o indivíduo], por parte de bombeiros”, explicou, citado na nota, o neurocientista Miguel Castelo-Branco.

O também docente da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (FMUC) adiantou que a investigação permitiu perceber que os dilemas de decisão levaram à ativação de redes neuronais envolvidas na gestão da recompensa emocional e outras redes relacionadas com dilemas éticos e deontológicos.

A equipa científica, onde se incluiu, igualmente, o Centro de Prevenção e Tratamento do Trauma Psicológico do Centro de Responsabilidade Integrada de Psiquiatria da Unidade Local de Saúde de Coimbra, conseguiu verificar que “a atividade neural relacionada com a decisão de resgatar pessoas diminuía em certas regiões cerebrais quanto maior a capacidade de usar estratégias de `coping`, o que sugere uma aprendizagem compensatória adquirida com a prática”, vincou o neurocientista.

Os bombeiros participantes no estudo “visualizaram cenários realísticos envolvendo vidas em risco para eles próprios e potenciais vítimas, tendo que tomar uma decisão de resgate”, adiantou Miguel Castelo Branco.

O exercício simulava o combate a incêndios com situações de risco de vida, como casas a arder com pessoas em risco no interior, situação em que a formação prévia e a especialização dos bombeiros desempenham um papel importante, tendo o cérebro dos participantes sido estudado através de imagem por ressonância magnética funcional.

“Descobrimos ainda que a atividade cerebral em regiões relacionadas com a memória e a decisão — como o hipocampo e a ínsula — aumentava proporcionalmente à medida que o risco aumentava”, ilustrou Miguel Castelo-Branco.

“Foi possível identificar áreas cerebrais cuja atividade se relacionava diretamente com o cálculo da probabilidade de eventos adversos, como a queda de uma casa em chamas ou a perda de vidas”, notou o investigador.

Paralelamente, pessoas que não possuem a função de bombeiro, quando sujeitas às mesmas tarefas de decisão, apresentaram resultados cerebrais diferentes, levando os cientistas a concluir que a forma como o cérebro controla a decisão depende da experiência e do treino.

LER MAIS

CIÊNCIA & TECNOLOGIA

FOGUETÃO EUROPEU ARIANE 6 LEVARÁ UM NANOSSATÉLITE PORTUGUÊS PARA O ESPAÇO

O voo inaugural do novo foguetão europeu Ariane 6, anunciado esta quarta-feira para 9 de julho, levará a bordo um nanossatélite português, construído por estudantes e professores do Instituto Superior Técnico (IST), indicou a instituição.

Online há

em

O voo inaugural do novo foguetão europeu Ariane 6, anunciado esta quarta-feira para 9 de julho, levará a bordo um nanossatélite português, construído por estudantes e professores do Instituto Superior Técnico (IST), indicou a instituição.

Trata-se do primeiro nanossatélite concebido por uma instituição universitária portuguesa.

O ISTsat-1, cuja missão terá a duração de um ano, visa testar a viabilidade do uso de nanossatélites na receção de sinais sobre o estado de aeronaves, como velocidade e altitude, para efeitos de segurança aérea.

Junto com o ISTsat-1 seguirão outros satélites e equipamentos científicos de instituições, empresas e agências espaciais estrangeiras.

A Agência Espacial Europeia (ESA) anunciou esta quarta-feira o lançamento inaugural do foguetão Ariane 6 em 9 de julho, após um atraso de quatro anos, da base europeia de Kourou, na Guiana Francesa.

O Ariane 6 irá suceder ao Ariane 5, que fez o seu último voo em julho de 2023. A ESA prevê um segundo lançamento da nova gama de foguetões europeus até ao final do ano.

LER MAIS
Subscrever Canal WhatsApp
RÁDIO ONLINE
ASSOCIAÇÃO SALVADOR, HÁ 20 ANOS A TIRAR SONHOS DO PAPEL

LINHA CANCRO
DESPORTO DIRETO

RÁDIO REGIONAL NACIONAL: SD | HD



RÁDIO REGIONAL VILA REAL


RÁDIO REGIONAL CHAVES


RÁDIO REGIONAL BRAGANÇA


RÁDIO REGIONAL MIRANDELA


MUSICBOX

WEBRADIO 100% PORTUGAL


WEBRADIO 100% POPULAR


WEBRADIO 100% LOVE SONGS


WEBRADIO 100% BRASIL


WEBRADIO 100% OLDIES


WEBRADIO 100% ROCK


WEBRADIO 100% DANCE


WEBRADIO 100% INSPIRATION

KEYWORDS

FABIO NEURAL @ ENCODING


NARCÓTICOS ANÓNIMOS
PAGAMENTO PONTUAL


MAIS LIDAS