Connect with us

DESPORTO

PRESIDENTE MARCELO SENTE-SE “VEXADO”

O Presidente da República manifestou-se esta manhã sobre os acontecimentos desta terça-feira no centro de treinos do Sporting, em Alcochete. O Presidente disse ter-se sentido “vexado” com as agressões a jogadores e equipa técnica dos leões.

Data:

em

O Presidente da República manifestou-se esta manhã sobre os acontecimentos desta terça-feira no centro de treinos do Sporting, em Alcochete. O Presidente disse ter-se sentido “vexado” com as agressões a jogadores e equipa técnica dos leões.

Questionado pelos jornalistas sobre as agressões a jogadores e equipa técnica do Sporting em Alcochete ontem, Marcelo Rebelo de Sousa disse que se sentiu “vexado” pelo que aconteceu e pela imagem que Portugal proteja desta forma enquanto potência mundial no futebol.

Marcelo Rebelo de Sousa considerou os acontecimentos de ontem “graves” e salientou que não se pode “normalizar ou banalizar, sob pena de permitirmos escaladas que são más para o desporto e para a sociedade portuguesa”.

“Estes acontecimentos potencialmente criminosos são coletivos, não é uma realidade isolada, têm um contexto, que é o aumento da violência no desporto português, sobretudo no futebol profissional”, acrescentou.

Marcelo disse ainda que não podem existir dois “Portugais, um democrático e outro que vive à margem do estado de direito democrático”.

“Há um clima de serenidade que é preciso criar” e leis a respeitar, diz Marcelo. “Temos de ter a noção que é fundamental para o próprio futebol, para o desporto, e para a sociedade portuguesa, que o clima criado, debatido no parlamento e objeto de chamadas de atenção do governo, não pode continuar”.

O Presidente alertou para a possibilidade de uma “escalada” que vai “destruir o desporto português”, desprestigiando-o dentro e fora do país.

“Para mim uma coisa é óbvia: não podemos fazer de conta de que o que é grave não é grave, fazer de conta que é um caso isolado”, acrescentou, dizendo que é preciso “parar para refletir” e “travar a escalda”.

Questionado sobre as condições de segurança para o final da Taça de Portugal, o Presidente remeteu para as autoridades competentes, mostrando-se confiante de que estas vão agir no âmbito das suas funções.

Esta terça-feira, 15 de maio, cerca de 50 indivíduos de cara tapada, alegadamente adeptos ‘leoninos’, invadiram a Academia e, depois de terem percorrido os relvados, chegaram ao balneário da equipa principal, agredindo vários jogadores, entre os quais Bas Dost, Acuña, Rui Patrício, William Carvalho, Battaglia e Misic, assim como o treinador Jorge Jesus e outros membros da equipa técnica.

O Governo também já repudiou os incidentes na Academia do Sporting, em Alcochete, que considerou atos de vandalismo e criminosos.

Numa declaração conjunta da secretária de Estado Adjunta e da Administração Interna, Isabel Oneto, e o secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Rebelo, o Governo confirmou a detenção de 21 presumivelmente envolvidos.

Estes são momentos de grande tensão em Alvalade. Além das agressões em Alcochete, o clube é alvo de suspeitas de corrupção no andebol, estando esta quarta-feira a ser alvo de buscas.

LUSA

AS MAIS LIDAS