PRIMEIRA MENSTRUAÇÃO DAS PORTUGUESAS TEM VINDO A SURGIR MAIS CEDO – ESTUDO

Um estudo desenvolvido por investigadores do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP) concluiu que a primeira menstruação das mulheres portuguesas tem vindo a “surgir mais cedo”, tendo a média passado dos 13 para os 12 anos.

“Não havia dados em Portugal recentes, por isso, aquilo que este estudo pretendeu foi verificar a tendência da evolução da idade da menarca [primeira menstruação]”, disse hoje, em declarações à Lusa, a primeira autora da investigação, Catarina Queiroga.

Desenvolvido no âmbito do projeto “DOCnet”, o estudo, publicado na revista científica “American Journal of Human Biology”, usou dados de 11.274 mulheres, nascidas entre 1920 e 1992, para avaliar a evolução da idade da primeira menstruação.

“O que se verifica, pelo menos com base nestes dados, é que a idade mediana da menarca tem vindo a diminuir cerca de 30 dias a cada cinco anos, passando dos 13 para os 12 anos”, esclareceu a investigadora.

Segundo Catarina Queiroga, apesar do propósito desta investigação ser apenas delinear a tendência, e perceber se a “idade da menarca estaria a decrescer ou num platô”, à semelhança do descrito em alguns países desenvolvidos, o objetivo passa agora por “fazer estudos mais pormenorizados”.

“Este estudo vai servir de base para ver em que ponto estamos e, sabendo que há outros estudos que mostram que esta diminuição pode, eventualmente, ter implicações na saúde da mulher, então temos agora de pegar nestes dados e estudá-los ao pormenor”, avançou.

À Lusa, a investigadora adiantou que o objetivo passa por perceber que implicações poderá vir a ter esta diminuição, especialmente em relação à diabetes, obesidade e doenças cardiovasculares.

“Sairão este ano outros estudos mais concretos, nomeadamente, sobre os fatores inflamatórios que podem contribuir para esta diminuição da menarca e implicações de saúde que isto possa vir a ter mais tarde”, concluiu.

O estudo desenvolvido insere-se no projeto “DOCnet”, do qual o ISPUP é parceiro e que visa desenvolver uma rede tecnológica para esclarecer o papel da obesidade e da diabetes mellitus no desenvolvimento de doenças cardiovasculares e oncológicas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.