NACIONAL

PROFESSORES: ENSINO À DISTÂNCIA AGRAVOU DESIGUALDADES ENTRE ALUNOS

Um estudo da Universidade do Minho concluiu que os professores consideram que o ensino à distância agravou as desigualdades entre alunos face às suas aprendizagens, tendo sido mais penalizante para aqueles que beneficiavam de medidas de inclusão educativas.

Segundo o estudo, hoje divulgado publicamente, 80% dos 280 professores que participaram no inquérito aludiram a uma redução efetiva ao nível das aprendizagens, enquanto 70,3% se manifestaram convictos de que o ensino à distância foi mais penalizante para os alunos que beneficiavam de medidas de inclusão educativas.

O mesmo estudo revela que 91,4% dos professores inquiridos se queixam que aumentou o seu trabalho burocrático dos professores, ficando pelos 48,5% os que consideram que os alunos tiveram acesso aos recursos necessários.

Em causa está o estudo nacional “Perceções dos professores sobre o ensino à distância”, coordenado pela Universidade do Minho, que contou com a participação de 280 docentes e que hoje é apresentado publicamente.

Os dados foram recolhidos em janeiro de 2021, através de inquérito por questionário.

Os professores concordam que a escola tenha adquirido mais protagonismo social (50,6%), revelando satisfação pessoal (44,2%) e profissional (37,9%).

Porém, discordam da adequação das medidas tomadas pelo Ministério da Educação (43,9%) e da ideia de que a pandemia tenha contribuído para a valorização da profissão docente (41,1%).

No que diz respeito à contribuição ou não da pandemia para a necessidade de serem alteradas práticas curriculares, os professores concordam com a valorização da educação para a cidadania (79,2%), sobretudo com a educação para a cidadania centrada em problemas que afetam os alunos, ao nível global (72,9%) e ao nível local (70%).

Concordam também com a necessidade de adaptar o currículo ao contexto dos alunos (70%).

São favoráveis à necessidade de serem alteradas as práticas curriculares que tendem a valorizar os resultados escolares (66,4%) e à necessidade de a escola ser dotada de autonomia curricular (54,3%).

Reconheceram ainda que a pandemia é um “momento único” para a consciencialização dos alunos relativamente ao tema das mudanças climáticas (53,5%).

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.203.937 mortos no mundo, resultantes de mais de 152,7 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 16.977 pessoas dos 837.277 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

VEJA AINDA:

ODEMIRA: GOVERNO VAI MANTER A CERCA SANITÁRIA – COVID-19

Lusa

COVID-19: RALI DE PORTUGAL VAI PODER TER PÚBLICO

Lusa

COVID-19: MESMO SEM RESTRIÇÕES, ALGUMAS VACINAS COMPRADAS PODIAM JÁ NÃO SER USADAS

Lusa

FENPROF PEDE ALARGAMENTO DA VACINAÇÃO URGENTE DE PROFESSORES

Lusa

DGS APOSTA NA MENSAGEM DA HIGIENE DAS MÃOS COMO OS ’20 SEGUNDOS QUE SALVAM VIDAS’

Lusa

TELETRABALHO OBRIGATÓRIO APENAS NOS CONCELHOS DE RISCO A PARTIR DE DIA 17 DE MAIO

Lusa