QUATRO FUNCIONÁRIOS DO ‘PINGO DOCE’ DETIDOS POR CORRUPÇÃO

Quatro pessoas foram detidas esta quarta-feira na zona da Grande Lisboa por corrupção passiva e activa, ocorrida no sector privado, e também por branqueamento de capitais, divulgou a Polícia Judiciária (PJ).

Fonte policial adiantou à agência Lusa que os casos de corrupção foram denunciados pela própria empresa Pingo Doce, que colaborou na investigação executada pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC). A mesma fonte acrescentou que alguns dos detidos são funcionários “já com alguma responsabilidade na empresa” e que atuavam “ao nível da rede” que integra o grupo económico.

Ainda segundo a Polícia Judiciária, a conduta dos agora detidos terá resultado num prejuízo de 2 milhões de euros para o Grupo Jerónimo Martins (Pingo Doce).

A Operação Rappel foi desencadeada na zona da Grande Lisboa, incidindo sobretudo na Plataforma Logística da Jerónimo Martins em Azambuja. Em comunicado, a PJ adianta que foram realizadas 18 buscas, apreendidas várias viaturas de gama alta, diversos documentos, material informático, outro material relacionado com a prática da actividade criminosa e ainda cerca de 400 mil euros em dinheiro.

Durante a operação, foram detidos três homens e uma mulher, com idades entre os 40 e 65 anos. Ao todo foram constituídos 10 arguidos, cinco deles funcionários do Grupo Jerónimo Martins suspeitos de receberem elevadas quantias para beneficiarem alguns fornecedores de peixe, pão, fruta e outros produtos. Os restantes estão ligados a empresas fornecedoras.

Além dos quatro detidos – três homens e uma mulher, com idades compreendidas entre os 40 e 65 anos de idade -, há ainda outros seis funcionários da Jerónimo Martins constituídos arguidos – nomeadamente um funcionário que exerce funções na Polónia.

LUSA

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.