Ligue-se a nós

INTERNACIONAL

RAMZAN KADYROV IGUAL A SI PRÓPRIO: ‘KIEV E NATO ESTÃO DESESPERADOS’

O líder da Chechénia, Ramzan Kadyrov, considerou, esta quarta-feira, que o apelo do Presidente russo Vladimir Putin à mobilização militar parcial colocou “a elite de Kiev e toda a NATO numa situação desesperada”, em mensagem divulgada no Telegram.

Online há

em

O líder da Chechénia, Ramzan Kadyrov, considerou, esta quarta-feira, que o apelo do Presidente russo Vladimir Putin à mobilização militar parcial colocou “a elite de Kiev e toda a NATO numa situação desesperada”, em mensagem divulgada no Telegram.

“Apoio totalmente as decisões tomadas pelo presidente”, indica no texto o líder da república russa do Cáucaso do Norte de larga maioria muçulmana, ao considerar que estas “medidas necessárias, importantes e preventivas” se destinam a proteger a integridade territorial da Rússia.

“Não é segredo para ninguém que nos últimos anos foi travada uma guerra contra a Rússia e da forma mais cruel. Num certo período teve uma forma oculta, mas agora é óbvia para todos”, indica o líder checheno, apontado pelos Estados Unidos como um “homem de mão” de Putin e submetido, como a sua família, a sanções impostas pelo Tesouro (Finanças) norte-americano.

Kadyrov acusa ainda a NATO de planear instalar mísseis e contingentes militares perto da fronteira da Rússia “antes dos acontecimentos do Donbass”, e de “esses mesmos países” fomentarem a instabilidade na região do Cáucaso, operações que considera destinadas ao fracasso.

“Por isso é muito importante terminar a operação especial no Donbass (…) evitar para que o inimigo venha ao nosso país, às nossas cidades, às nossas casas”, sublinha, para além de insistir no “falhanço” da NATO no projeto de expansão até às fronteiras russas e de denunciar o envio de armamento para os “ucraniano-nazis”, utilizado para bombardear a “população civil” do Donbass.

O todo-poderoso líder checheno, cujas unidades têm estado envolvidas em combates em território ucraniano desde início do conflito, acusa o ocidente de ter tentado “destruir a Rússia através da nossa república”, numa referência às guerras travadas neste território durante as presidências de Boris Ieltsin e Vladimir Putin, uma situação que reforça a necessidade de uma mobilização parcial dos reservistas e num cenário que considera comparável.

“Apoio totalmente a decisão do presidente (…). Nós, na República da Chechénia, participamos ativamente nesse processo desde o primeiro dia, mas agora exista uma diretiva do chefe de Estado e vamos cumpri-la a 100%”, conclui Kadyrov, que deixa ainda três mensagens mobilizadoras: “Onde há injustiça nós aparecemos!”, “Poder Ahmat” e “Alá é Grande!”.

Putin anunciou hoje uma “mobilização parcial” dos cidadãos do país, quando a guerra na Ucrânia está quase a chegar ao sétimo mês do conflito, numa mensagem dirigida à nação.

A medida, que entra já em vigor, é justificada com a necessidade de defender a soberania e a integridade territorial do país.

A Rússia, que invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro, está pronta a utilizar “todos os meios” ao seu dispor para “se proteger”, declarou Putin, que acusou o Ocidente de procurar destruir o país.

O anúncio de “mobilização parcial” dos russos em idade de combater abre caminho para uma escalada no conflito na Ucrânia.

“Considero necessário apoiar a proposta [do Ministério da Defesa] de mobilização parcial dos cidadãos na reserva, aqueles que já serviram (…) e com uma experiência pertinente”, declarou.

“O decreto sobre a mobilização parcial foi assinado” e entra hoje em vigor hoje, acrescentou Putin, sublinhando “falar apenas de mobilização parcial”, numa resposta a rumores surgidos nas últimas horas sobre uma mobilização geral.

INTERNACIONAL

KAMALA HARRIS ESPERA NOMEAÇÃO DEMOCRATA CONTRA TRUMP

A vice-presidente norte-americana, Kamala Harris, afirmou hoje pretender “merecer e ganhar” a nomeação do Partido Democrata às eleições presidenciais e derrotar o republicano Donald Trump, após ter recebido o apoio do desistente Joe Biden.

Online há

em

A vice-presidente norte-americana, Kamala Harris, afirmou hoje pretender “merecer e ganhar” a nomeação do Partido Democrata às eleições presidenciais e derrotar o republicano Donald Trump, após ter recebido o apoio do desistente Joe Biden.

“É uma honra receber a recomendação do Presidente e a minha intenção é merecer e ganhar esta nomeação”, disse Harris, numa declaração em que qualifica a decisão de Joe Biden abandonar a corrida de um “ato abnegado e patriótico”.

A desistência de Joe Biden a uma reeleição no cargo, hoje anunciada, acontece um mês antes da convenção dos Democratas, na qual deverá ser escolhido novo candidato. A convenção está marcada de 19 a 22 de agosto, em Chicago, e o que deveria ser uma confirmação de Joe Biden na corrida à Casa Branca transformou-se num “concurso aberto”, como escreveu a Associated Press, no qual 4.700 delegados vão votar num candidato para defrontar o republicano Donald Trump nas presidenciais de novembro.

LER MAIS

INTERNACIONAL

EUA: JOE BIDEN DESISTE DA REELEIÇÃO

O Presidente norte-americano, Joe Biden, o mais velho na história do país, desistiu da corrida às eleições presidenciais de novembro, justificando que a sua saída era do interesse do Partido Democrata e do país.

Online há

em

O Presidente norte-americano, Joe Biden, o mais velho na história do país, desistiu da corrida às eleições presidenciais de novembro, justificando que a sua saída era do interesse do Partido Democrata e do país.

O líder da Casa Branca tem 81 anos e a sua condição de saúde foi questionada, nomeadamente após um debate desastroso com o candidato republicano Donald Trump, que levantou dúvidas sobre a aptidão do atual Presidente para o cargo, quando faltam apenas quatro meses para as eleições.

A decisão de abandonar a corrida surge após uma pressão crescente dos aliados democratas de Biden para que este se afaste após o debate de 27 de junho, no qual o Presidente de 81 anos deu algumas vezes respostas sem sentido e não conseguiu chamar a atenção para as muitas falsidades do antigo presidente.

Biden apoiou a vice-presidente Kamala Harris, de 59 anos, para enfrentar Trump e encorajou o seu partido a unir-se em torno dela.

Joe Biden, que em janeiro de 2021 se tornou o Presidente mais velho na história dos Estados Unidos, aos 78 anos e 61 dias, anunciou em abril a sua recandidatura ao cargo, depois de quatro anos de uma liderança algo conturbada, anunciando aos 80 anos que tinha intenção de se manter no cargo até 2029.

Eleito em 1972 senador do Delaware pelo Partido Democrata, Joseph Robinette Biden Jr. teve desde cedo um diálogo com comunidades afro-americanas.

O “assalto” à Casa Branca ocorreu em três ocasiões: 1988, quando fracassou devido a acusações de plágio, 2008, quando acabou como ‘vice’ de Barack Obama, e, finalmente, em 2020, acabando por vencer o Presidente incumbente, Donald Trump.

Biden foi eleito em 2021 ao lado de Kamala Harris, a primeira mulher negra e de ascendência sul-asiática na vice-presidência.

Uma compilação de sondagens publicada pela RealClearPolitics dá a a Trump 47,7% contra 44,7% do seu potencial adversário democrata, com base na média de uma dezena de sondagens concluídas entre 02 e 18 de julho, resultado que está em linha com a distância adquirida por Trump após o debate televisivo entre ambos no final do mês passado.

LER MAIS

MAIS LIDAS