Ligue-se a nós

REGIÕES

SANTARÉM: BAIXOS CAUDAIS DO RIO TEJO COLOCAM EM RISCO A PRODUÇÃO AGRÍCOLA

Os baixos caudais no Tejo estão a colocar em risco a produção agrícola em cerca de mil hectares na zona de Abrantes e Constância, tendo o representante das dezenas de agricultores afetados alertado para a “necessidade urgente” de água.

Online há

em

Os baixos caudais no Tejo estão a colocar em risco a produção agrícola em cerca de mil hectares na zona de Abrantes e Constância, tendo o representante das dezenas de agricultores afetados alertado para a “necessidade urgente” de água.

“O grande problema é que, desde sexta-feira e até hoje, o rio vai com um caudal de uma ribeirinha e as captações dos agricultores estão sem poder tirar água do Tejo [para a rega] e estão a ter problemas económicos”, disse à Lusa Luís Damas, presidente da Associação dos Agricultores de Abrantes, Constância, Sardoal e Mação, no distrito de Santarém, que alertou para a “necessidade urgente de água nas próximas horas.

Segundo notou aquele responsável, “com a falta de água dos últimos dias vamos já ter perda de culturas e, a continuar assim, vamos ter perdas totais, o que é muito grave para a economia da região, assim como para toda a ecologia do rio e de tudo o que vive à volta do rio”.

Em causa, afirmou, estão cerca de mil hectares de terrenos férteis nas margens ribeirinhas dos concelhos de Abrantes e de Constância, e onde a falta de água está a afetar a produção de milho, trigo e girassol, e as culturas permanentes, como o olival, macieiras e amendoeiras.

“A situação é pontual, mas já não é de agora”, afirmou Luís Damas, tendo feito notar que os agricultores “estão dependentes da boa ou da má vontade dos espanhóis em libertar água” a partir da barragem de Alcântara.

Nesse sentido, o representante dos agricultores defendeu que “Espanha deveria libertar um caudal diário e não um caudal semanal obrigatório”, tendo referido que, com o acordo em vigor pela Convenção de Albufeira, os espanhóis “têm um caudal semanal para lançar para o rio, mas podem num dia lançá-lo todo, ou seja, num dia temos uma barrigada de água e nos outros dias a água escasseia”.

Luís Damas defende que a solução poderá passar por um “acordo entre os governos dos dois países” de modo a assegurar um “caudal mínimo diário” e, ao mesmo tempo, do lado português, “que o governo assegure uma solução para o nosso território, com melhoramentos na barragem da Pracana ou outro reservatório no rio Ocreza”.

Contactado pela Lusa, o presidente da Câmara Municipal de Abrantes disse que o problema “não é novo” e que “há muito tempo” vem “alertando para a questão da irregularidade” dos caudais no rio Tejo.

“Há muito tempo que alerto para esta questão da quantidade e da irregularidade dos caudais do rio Tejo e dos problemas que tal situação acarreta, e vou solicitar nova reunião junto do Ministério do Ambiente para debater este problema”, afirmou Manuel Jorge Valamatos.

Por seu lado, o presidente da Câmara Municipal de Constância, Sérgio Oliveira, disse que “este é um problema que se arrasta há, pelo menos, dois anos”.

O autarca referiu à Lusa que já manifestou a sua “preocupação por diversas vezes junto da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), no sentido de “se encontrar uma solução para os problemas da falta de água para a rega dos terrenos agrícolas, assim como outras preocupações como rombos nos leitos do rio”.

REGIÕES

PORTO: OBRAS DO METRO CORTAM TRÂNSITO NA RUA DAS DEVESAS ATÉ 2027

A Rua Barão do Corvo, nas Devesas, em Gaia, estará cortada ao trânsito a partir de segunda-feira e até janeiro de 2027 devido às obras da Linha Rubi do Metro do Porto, informou o município.

Online há

em

A Rua Barão do Corvo, nas Devesas, em Gaia, estará cortada ao trânsito a partir de segunda-feira e até janeiro de 2027 devido às obras da Linha Rubi do Metro do Porto, informou o município.

Em causa está uma interrupção do trânsito automóvel na Rua Barão do Corvo, entre a Rua Visconde das Devesas e a Rua José Mariani (aproximadamente a 100 metros para nascente desse arruamento), bem como na Rua Felizardo Lima, junto à Rua Barão do Corvo.

Segundo informação disponível do ‘site’ da autarquia, a interrupção de trânsito deverá entrar em vigor na segunda-feira e durar até 16 de janeiro de 2027.

A Linha Rubi ligará Santo Ovídio à Casa da Música através de uma nova ponte sobre o Douro, e contará com uma estação nas Devesas, que fará ‘interface’ com o comboio e autocarros, tendo de estar pronta até final de 2026.

Já desde esta semana estão em vigor mudanças de sentido de trânsito nas ruas Mouzinho de Albuquerque, entre o cruzamento com a Rua Alexandre Braga e a Rua Visconde das Devesas, de sentido sul/norte para sentido norte/sul, e na Rua Heliodoro Salgado, entre a Rua Conselheiro Veloso da Cruz e a Rua Professor Manuel Pires Veloso, de sentido sul/norte para sentido norte/sul.

Também vários arruamentos de sentido único foram adaptadas a dois sentidos, casos das ruas José Mariani, entre o cruzamento da Rua Carlos Guedes de Amorim e a Rua Visconde das Devesas/Rua José Fontana, Rua Barão do Corvo, para nascente da Rua José Mariani, até à zona de obra, para acesso a habitações/lojas, e Rua Felizardo Lima, para norte no cruzamento com a Travessa Visconde das Devesas.

Já na Rua Professor Manuel Pires Veloso dá-se uma mudança de dois sentidos para um único (norte-sul).

Quanto a desvios pedonais, será sempre garantido acesso pedonal pela Rua Barão do Corvo, de acordo com a fase de execução dos trabalhos, de demolição e escavação da Estação das Devesas, bem como o atravessamento da Rua Felizardo Lima através de passadeira, encaminhando para a Travessa Visconde das Devesas.

Será ainda proibido o estacionamento na Rua Heliodoro Salgado.

O valor global de investimento da Linha Rubi (Casa da Música – Santo Ovídio, incluindo nova ponte sobre o rio Douro) é de 435 milhões, um investimento financiado pelo Plano de Recuperação e Resiliência (PRR).

A Linha Rubi, com 6,4 quilómetros e oito estações, inclui uma nova travessia sobre o Douro, a ponte D. Antónia Ferreira, a Ferreirinha, que será exclusivamente reservada ao metro e à circulação pedonal e de bicicletas.

Em Gaia, as estações previstas para a Linha Rubi são Santo Ovídio, Soares dos Reis, Devesas, Rotunda, Candal e Arrábida, e no Porto Campo Alegre e Casa da Música.

A empreitada tem de estar concluída até ao final de 2026.

LER MAIS

REGIÕES

CARRAZEDA DE ANSIÃES: HOMEM CONSTITUÍDO ARGUIDO POR PROVOCAR INCÊNDIO

A Guarda Nacional Republicana (GNR) constituiu arguido um homem de 41 anos em Marzagão, Carrazeda de Ansiães, por ter ateado um incêndio de forma negligente enquanto manuseava uma motorroçadora, informou hoje a autoridade.

Online há

em

A Guarda Nacional Republicana (GNR) constituiu arguido um homem de 41 anos em Marzagão, Carrazeda de Ansiães, por ter ateado um incêndio de forma negligente enquanto manuseava uma motorroçadora, informou hoje a autoridade.

O caso remonta a 16 deste mês, no distrito de Bragança. A investigação conduzida pela GNR permitiu perceber que a ignição aconteceu durante a realização de atividades agrícolas com uma motorroçadora, de forma negligente, num terreno junto a uma mancha florestal.

A GNR conseguiu identificar o responsável pelos trabalhos que estavam em curso, onde não foram mantidos os cuidados necessários de vigilância. Os factos foram remetidos para o tribunal de Vila Flor.

A Guarda relembrou que a Linha SOS Ambiente e Território – 808 200 520 – funciona em permanência, para a denúncia de infrações ou esclarecimento de dúvidas.

LER MAIS

MAIS LIDAS