Ligue-se a nós

INTERNACIONAL

SUBMARINO ARPÃO LARGA NA SEXTA-FEIRA EM MISSÕES DA NATO E UE PARA O MEDITERRÂNEO

O submarino da Marinha portuguesa Arpão larga na sexta-feira da Base Naval de Lisboa para participar por dois meses em missões da NATO e da União Europeia, visando a segurança marítima do Mediterrâneo.

Online há

em

O submarino da Marinha portuguesa Arpão larga na sexta-feira da Base Naval de Lisboa para participar por dois meses em missões da NATO e da União Europeia, visando a segurança marítima do Mediterrâneo.

Com uma guarnição de 33 militares, o submarino Arpão estará na Operação “Sea Guardian” sob o comando direto das estruturas da NATO, “revelando o firme comprometimento do Estado português para com a Aliança Atlântica, disponibilizando uma unidade naval de alto valor operacional, tendo em vista contribuir decisivamente para melhorar a situação securitária marítima no Mediterrâneo”, afirma a Marinha, em comunicado.

A Operação “Sea Guardian” visa promover a segurança marítima no Mediterrâneo “de forma a garantir a liberdade de navegação e o conhecimento situacional da área, com foco nas atividades de tráfico de estupefacientes, armas e pessoas, vigilância do tráfego marítimo e e poluição marinha”, assinala o ramo.

De acordo com a Marinha, a força naval nesta operação da Aliança Atlântica é atualmente comandada pelo Capitão-de-mar-e-guerra Neves Rodrigues e tem como navio-chefe o Navio Patrulha Oceânico “Viana do Castelo”.

Em seguida, o submarino português irá participar na Operação da União Europeia IRINI, cujo objetivo é a aplicação do “embargo ao armamento imposto pela ONU” em áreas específicas da costa Norte da África Central.

No comunicado, a Marinha afirma que “embargo é realizado com recurso à utilização de tecnologia satélite, meios aéreos, navais e inspecionando navios no alto mar, quando há suspeita de transportarem armamento ou materiais proibidos”.

“A capacidade de recolha de informações de forma discreta, permite detetar e enviar informações relativas a atos ilícitos ou suspeitos para os respetivos comandos das operações, contribuindo para estabelecer e melhorar e o conhecimento situacional marítimo do Mar Mediterrâneo, nos comandos da Aliança Atlântica e da União Europeia”, sublinha aquele ramo militar.

Os submarinos portugueses participam nas operações Sea Guardian e Irini desde o seu início respetivamente em 2018 e 2020.

INTERNACIONAL

TRUMP PROMETE A ZELENSKY “ACABAR COM A GUERRA NA UCRÂNIA” SE FOR PRESIDENTE

O ex-presidente norte-americano Donald Trump disse na sexta-feira que falou ao telefone com o líder ucraniano, Volodymyr Zelensky, e que lhe prometeu “acabar com a guerra” entre Ucrânia e Rússia se regressar à Casa Branca.

Online há

em

O ex-presidente norte-americano Donald Trump disse na sexta-feira que falou ao telefone com o líder ucraniano, Volodymyr Zelensky, e que lhe prometeu “acabar com a guerra” entre Ucrânia e Rússia se regressar à Casa Branca.

Trump afirma frequentemente que seria capaz de colocar um termo ao conflito na Ucrânia, muito rapidamente, se regressar ao poder após as presidenciais de novembro, mas sem explicar como o faria.

Os seus frequentes elogios ao presidente russo, Vladimir Putin, bem como as suas críticas a outros países membros da NATO, causam preocupações entre os aliados ocidentais da Ucrânia.

Os Estados Unidos, sob a presidência de Joe Biden, são o maior doador de ajuda militar a Kiev e uma vitória de Donald Trump poderia colocar em risco qualquer ajuda e enfraquecer a posição ucraniana no campo de batalha.

Volodymyr Zelensky confirmou o telefonema, durante o qual felicitou o multimilionário pela sua investidura oficial como candidato republicado à presidência dos Estados Unidos.

“Frisei o apoio vital de ambos os partidos e de ambas as câmaras do Congresso norte-americano para proteger a liberdade e a independência da nossa nação. Acordámos com o presidente Trump discutir, numa reunião presencial, as medidas a tomar para uma paz justa e duradoura”, escreveu o presidente ucraniano no X.

Zelensky condenou ainda a tentativa “chocante” de assassinato que teve Donald Trump como alvo, no sábado, na Pensilvânia.

A ofensiva militar russa no território ucraniano, lançada a 24 de fevereiro de 2022, mergulhou a Europa naquela que é considerada a crise de segurança mais grave desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Os últimos meses foram marcados por ataques aéreos em grande escala da Rússia contra cidades e infraestruturas ucranianas, ao passo que as forças de Kiev têm visado alvos em território russo próximos da fronteira e na península da Crimeia, anexada em 2014.

LER MAIS

INTERNACIONAL

RYANAIR COM PERTURBAÇÕES NA OPERAÇÃO DEVIDO A FALHA DA MICROSOFT

A Ryanair anunciou hoje que está “a enfrentar perturbações na rede devido a uma interrupção global de informática de um terceiro”, após ter sido anunciada uma falha no sistema da Microsoft que está a causar problemas em inúmeras empresas.

Online há

em

A Ryanair anunciou hoje que está “a enfrentar perturbações na rede devido a uma interrupção global de informática de um terceiro”, após ter sido anunciada uma falha no sistema da Microsoft que está a causar problemas em inúmeras empresas.

“Aconselhamos todos os passageiros a chegarem ao aeroporto pelo menos três horas antes da hora prevista de partida”, acrescentou a companhia aérea irlandesa, nos seus canais oficiais.

A Ryanair disse ainda que quem vai viajar hoje e ainda não fez o ‘ckeck-in’ do voo, pode fazê-lo no aeroporto.

Já a Autoridade Britânica de Aviação Civil (CAA) avisou, nas redes sociais, que “uma falha nos sistemas informáticos pode levar a tempos de espera mais longos do que o normal nos aeroportos”.

Os anúncios surgem após a ‘gigante’ tecnológica Microsoft ter anunciado que estava a adotar “medidas de mitigação” depois de uma interrupção ter afetado várias empresas em diferentes países.

Também a gestora aeroportuária ANA, disse que são esperados constrangimentos nos aeroportos portugueses, já que há companhias aéreas e empresas de ‘handling’ (assistência em terra) afetadas pela falha global no sistema da Microsoft, pedindo aos passageiros que se informem sobre o estado dos seus voos.

LER MAIS

MAIS LIDAS