REGIÕES

VIANA DO CASTELO: PJ DETEVE MULHER SUSPEITA DE ATEAR INCÊNDIO FLORESTAL

A Polícia Judiciária (PJ) deteve uma mulher de 64 anos suspeita de ter ateado um incêndio florestal, no sábado, numa freguesia de Viana do Castelo, anunciou esta terça-feira aquela polícia.

Em comunicado, a PJ de Braga refere que a suspeita, detida na segunda-feira “fora de flagrante delito”, recorreu “a chama direta para a respetiva ignição” do incêndio, que ocorreu num terreno com vegetação herbácea, arbustiva e arbórea, próximo de uma zona habitacional.

A Polícia Judiciária (PJ) deteve uma mulher de 64 anos suspeita de ter ateado um incêndio florestal, no sábado, numa freguesia de Viana do Castelo, anunciou esta terça-feira aquela polícia.

Em comunicado, a PJ de Braga refere que a suspeita, detida na segunda-feira “fora de flagrante delito”, recorreu “a chama direta para a respetiva ignição” do incêndio, que ocorreu num terreno com vegetação herbácea, arbustiva e arbórea, próximo de uma zona habitacional.

“A detida pretendia, com a sua atuação, efetuar a queima de sobrantes, num dia em que tal prática era legalmente proibida”, afirma a polícia, acrescentando que a suspeita tinha “perfeito conhecimento” disso.

O incêndio não se propagou a toda uma mancha florestal envolvente e a habitações devido à “rápida e eficiente intervenção de populares e sapadores florestais”, conclui a PJ.

No âmbito das diligências que efetuou, a PJ recolheu “substanciais elementos de prova, que conduziram à detenção” da mulher.

A suspeita é hoje presente às autoridades judiciárias para primeiro interrogatório e aplicação de medidas de coação tidas por adequadas.

VEJA AINDA:

BRAGANÇA: CRIANÇA FERIDA GRAVEMENTE APÓS QUEDA DE CINCO METROS

Lusa

GUARDA: HOSPITAL COM LOTAÇÃO COMPLETA EM CUIDADOS INTENSIVOS

Lusa

FARO: CHUVA INTENSA PROVOCA VÁRIAS INUNDAÇÕES EM OLHÃO E TAVIRA

Lusa

PAREDES DD COURA: LAR COM 3 MORTOS E 39 INFETADOS COM COVID-19 PEDE AJUDA

Lusa

MADEIRA: GOVERNO REGIONAL ACEITA RECEBER DOENTES COVID-19 DO CONTINENTE

Lusa

PARLAMENTO VAI OUVIR PGR SOBRE VIGILÂNCIA A JORNALISTAS NO CASO E-TOUPEIRA

Lusa