WEB SUMMIT: CRIADOR DA WEB QUER “A INTERNET COMO UM SÍTIO MELHOR”

O criador da internet, Tim Berners-Lee, defendeu hoje em Lisboa a criação de “um contrato” entre utilizadores, empresas e governos de todo o mundo para “tornar a ‘web’ num sítio melhor”, reduzindo desigualdades e melhorando questões como a privacidade.

O criador da internet, Tim Berners-Lee, defendeu hoje em Lisboa a criação de “um contrato” entre utilizadores, empresas e governos de todo o mundo para “tornar a ‘web’ num sítio melhor”, reduzindo desigualdades e melhorando questões como a privacidade.

“Temos de criar um contrato para a ‘web’. […] E esse deve ser um contrato com vários princípios para as pessoas se juntarem. Por isso, estou a pedir a vossa ajuda, seja através da vossa empresa ou por vocês próprios”, disse o responsável.

Falando na cimeira de tecnologia Web Summit que decorre entre hoje e quinta-feira no Altice Arena (antigo Meo Arena) e na Feira Internacional de Lisboa (FIL), no Parque das Nações, Tim Berners-Lee vincou: “Somos todos responsáveis por tornar a web num sítio melhor”.

“Proponho-vos que façam parte disto. Nós conseguimo-lo fazer juntos”, acrescentou, alargando o pedido ainda a “governos de todo o mundo”, que devem ser “sensibilizados”.

Tim Berners-Lee assinalou que, em 1989, quando criou a ‘web’ queria que esta fosse uma rede de livre acesso e que servisse a humanidade.

“E quando ninguém esperava, a ‘web’ criou coisas incríveis”, observou.

Porém, a seu ver, “sugiram algumas preocupações”, nomeadamente em questões como a privacidade e a segurança ‘online’, o que assinalou mostrando imagens referentes a perfis falsos em redes sociais e a manipulação na internet.

“Devemos proteger-nos”, notou Tim Berners-Lee.

Outro desafio é como possibilitar o acesso à internet a todas as pessoas, já que, de momento, apenas “uma metade” do mundo consegue ter.

É nesse contexto que o criador defende este “contrato”, que tem como mote “Pela Web” (ou como ‘hashtag’ #fortheweb), visando criar valores de equidade e de segurança para todos os utilizadores da internet.

“Precisamos ter a certeza de que as pessoas que estão ligadas à ‘web’ podem criar o mundo que desejam e usá-lo para corrigir os problemas que existem”, adiantou, defendendo que a internet seja “mais pacífica e mais construtiva”.

Para esta edição, a terceira em Lisboa, a organização já prometeu “a maior e a melhor” de sempre, com novidades no programa e o alargamento do espaço, sendo esperados mais de 70 mil participantes de 170 países.

A cimeira tecnológica, de inovação e de empreendedorismo Web Summit nasceu em 2010 na Irlanda e mudou-se em 2016 para Portugal e desde essa altura terá gerado um impacto económico de mais de 500 milhões euros.

Inicialmente, estava previsto que a cimeira ficasse por apenas três anos, mas em outubro deste ano foi anunciado que o evento continuará a ser realizado em Lisboa por mais 10 anos, ou seja, até 2028, mediante contrapartidas anuais de 11 milhões de euros e a expansão da FIL.

No ano passado, o evento reuniu na capital portuguesa cerca de 60 mil pessoas de 170 países, das quais 1.200 oradores, duas mil ‘startups’, 1.400 investidores e 2.500 jornalistas.

LUSA

1 COMENTÁRIO EM “WEB SUMMIT: CRIADOR DA WEB QUER “A INTERNET COMO UM SÍTIO MELHOR”

  1. Em 1997, no jornal o Público, Roberto Moreno, presidente da Fundação Geolíngua, afirmou o seguinte:

    “Outra das propostas é a criação da GEONET, uma rede virtual e interactiva para ligar a vasta Comunidade Iberófona e inverter a supremacia do inglês como língua oficial na Internet. – “A Internet é um engodo porque 90 por cento dos conteúdos estão em inglês. – O que é que eu faço com 700 milhões de habitantes, os Iberófonos que só́ falam português e espanhol? – O que eu quero é a internacionalização da informação e não fazer o mundo ter de aprender inglês para ter acesso à informação. – Fazer Maomé́ ir à montanha e não o contrário”, segundo Moreno. – “Só inglês”? – “Only English”? – “Não, por favor…”.

    Kathleen Gomes – Jornal o PÚBLICO (impresso e online) – 18 Dezembro de 1997

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.