Ligue-se a nós

NACIONAL

ARTISTAS DO CIRCO PEDEM OS MESMOS APOIOS DOS PROFISSIONAIS DA CULTURA (VÍDEO)

Artistas de circo tradicional realizaram hoje à tarde, em frente à Assembleia da República, em Lisboa, uma manifestação para reivindicar apoios iguais, por parte do Estado, aos que são dados aos restantes profissionais do setor da Cultura.

Online há

em

Artistas de circo tradicional realizaram hoje à tarde, em frente à Assembleia da República, em Lisboa, uma manifestação para reivindicar apoios iguais, por parte do Estado, aos que são dados aos restantes profissionais do setor da Cultura.

VEJA AQUI A REPORTAGEM:

[KGVID height=”360″]https://radioregional.pt/wp-content/uploads/2020/06/artistas-do-circo-pedem-os-mesmos-apoios-aos-profissionais-da-cultura-video-2.mp4[/KGVID]

Os cartazes empunhados pelos artistas pintam o retrato que se vive no circo tradicional nos últimos meses, consequência da paragem devido à pandemia da covid-19: “Várias famílias sem condições de sobrevivência”; “Sem apoio e com futuro incerto”; “Covid-19 Sobrevivência ameaçada”.

Nove artistas de circo juntaram-se hoje à tarde no pedaço de passeio em frente à Assembleia da República para “reivindicar um direito que os artistas de circo têm que ter”.

“Têm que ter um apoio e nós não temos qualquer apoio, o circo contemporâneo tem [é uma das disciplinas artísticas incluída nos concursos da Direção-Geral das Artes] e nós não temos. Trabalhamos há muitos anos, somos o circo tradicional e o circo tradicional não pode ser esquecido”, afirmou Dirce Noronha Roque, antiga contorcionista e agora animadora, em declarações à Lusa.

Estes artistas pedem apoios “pelo menos enquanto houver este problema da covid”. “Que nos deem um apoio para sobrevivermos, porque quando pudermos trabalhar, nós vamos trabalhando”, referiu Dirce Noronha Roque.

A pandemia da covid-19, que atingiu Portugal em março, obrigou à paragem de digressões e cancelamento ou adiamento de espetáculos e estes artistas não têm perspetiva de quando poderão voltar a trabalhar.

Saulo Roque, de 31 anos e contorcionista desde os seis, estava a trabalhar com o circo Victor Hugo Cardinali. “Chegámos a dois meses de digressão e parámos completamente”, contou à Lusa.

Está “sem ideia” de quando poderá voltar a trabalhar: “Sei que estão a abrir as coisas pouco a pouco, mas para o circo ainda não foi dito nada”.

Neste momento, está “sem apoio, sem nada, numa dificuldade extrema”. “Já pedi o rendimento social de inserção, que é a única coisa a que tenho direito e estou há três meses à espera que me seja dado. Estamos todos no limite, eu, família e todo o resto da comunidade circense”, partilhou.

Deslocou-se hoje até à Assembleia da República para pedir “sensibilidade” ao Governo. “Que olhe por nós, que nos dê a mão e se o nosso Governo não nos der a mão neste momento que precisamos, não sei quando é que vai dar”, disse.

Ulisses Roque, palhaço há mais de 40 anos, também fala em “problemas de sobrevivência” entre os profissionais do circo, “como toda a gente, só que o circo parece que não existe”.

“As pessoas sabem que existimos, mas não se lembram do circo. Lembram-se do teatro, do bailado, da música, tudo, mas do circo não se lembram. Por isso, temos que vir lembrar às pessoas que existimos e que estamos a passar mal”, afirmou.

Neste momento, Ulisses Roque devia estar em Inglaterra, “onde tinha contrato num circo”, mas teve que se vir embora.

“Tenho vivido com o pouco que ganhámos no Natal, está a dar até agora, vamos ver até quando”, contou.

Também ele não tem ideia de quando poderá voltar a trabalhar, “nem os empresários do circo sabem”.

Também Ulisses fala na falta de apoios do Estado aos artistas de circo tradicional. “Não somos considerados Cultura não sei porquê. Enquanto não nos puserem como Cultura, não temos direitos nenhuns, e não somos Cultura porque eles não querem, porque em todos os países o circo é Cultura”, disse.

No protesto desta tarde apareceu um grupo de deputados do Bloco do Esquerda (BE), “em solidariedade” com estes artistas.

A deputada Isabel Pires, em declarações à Lusa, lembrou que, “há algumas semanas”, o BE apresentou “uma pergunta ao Governo quando saiu determinação sobre os apoios [par a] Cultura e se percebeu que o circo tradicional estava excluído”, questionando “os motivos dessa exclusão e se haveria alguma hipótese de reversão”.

Mas até agora, “ainda não houve resposta”.

Além dessa exclusão, a deputada lembra que o partido já propôs a criação do “subsídio extraordinário para trabalhadores informais”, que “também acabará por abranger grande parte destes trabalhadores”.

“Sabemos que não é a solução a longo prazo, nem a única que existe neste momento, mas no apoio imediato achamos que é muito relevante para estas pessoas, sendo que a longo prazo haverá uma necessidade de voltarmos a ter, como já existiu durante vários anos, um estatuto para os profissionais do circo tradicional, que ajudava a oferecer alguma proteção laboral, de Segurança Social e também na reforma, que estes trabalhadores neste momento não têm”, afirmou.

A manifestação simbólica de hoje à tarde foi promovida pelo movimento Juntos pela Arte, que reúne artistas de circo tradicional.

Publicidade

HELPO, EU CONSIGNO EU CONSIGO, IRS 2024
ASSOCIAÇÃO SALVADOR, HÁ 20 ANOS A TIRAR SONHOS DO PAPEL

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

NACIONAL

MAIS DE 90% DOS PORTUGUESES DEFENDEM ÁREAS MARINHAS PROTEGIDAS

Mais de nove em cada dez portugueses (96%) concordam que delimitar áreas marinhas protegidas defende a biodiversidade e quase três quartos (74%) condenam a pesca de arrasto de fundo, segundo um inquérito hoje publicado.

Online há

em

Mais de nove em cada dez portugueses (96%) concordam que delimitar áreas marinhas protegidas defende a biodiversidade e quase três quartos (74%) condenam a pesca de arrasto de fundo, segundo um inquérito hoje publicado.

O inquérito das organizações não-governamentais (ONG) ambientalistas Oceana e Seas at Risk (Mares em Perigo) mostra que, na média dos sete Estados-membros da União Europeia (UE) em que foi realizado, nove em cada dez cidadãos (90%) consideram que as áreas marinhas protegidas são uma ferramenta necessária para proteger a biodiversidade marinha.

No que respeita à prática da pesca de arrasto de fundo, o inquérito das ONG mostra que os portugueses são os que mais defendem a necessidade de serem adotadas regras mais apertadas para o arrasto de fundo (93%), sendo de 82% a média dos sete países incluídos no inquérito, com os Países Baixos no fundo da tabela (75%).

A proibição da pesca de arrasto de fundo nas áreas marinhas protegidas reúne apoios de 73% da média, com Portugal novamente a liderar (80%) e os Países Baixos a apresentarem o menor apoio (57%).

Para além de Portugal, foram incluídos no inquérito cidadãos da Alemanha, Dinamarca, Espanha, Irlanda, Países Baixos e Suécia, tendo ficado excluída a França, o país da UE com maior frota pesqueira.

Segundo dados da Sapience, que conduziu os inquéritos, para garantir a fiabilidade estatística e a representatividade, foi incluído um mínimo de 1.000 inquiridos por país.

Os dados foram ponderados dentro de cada país para obter uma representação nacional em termos de idade, género e região.

LER MAIS

NACIONAL

EDUCAÇÃO: PORTAL DAS MATRÍCULAS COM CONSTRANGIMENTOS

O Portal das Matrículas está com constrangimentos devido ao “elevado número de acessos” desde sábado, quando abriram as inscrições dos 6.º ao 9.º e 11.º anos, estando em curso otimizações do ‘site’, segundo o Ministério da Educação.

Online há

em

O Portal das Matrículas está com constrangimentos devido ao “elevado número de acessos” desde sábado, quando abriram as inscrições dos 6.º ao 9.º e 11.º anos, estando em curso otimizações do ‘site’, segundo o Ministério da Educação.

“Estão a ser registados alguns constrangimentos devido à carga causada no sistema pelo elevado número de acessos”, confirmou hoje o Ministério da Educação, Ciência e Inovação, em resposta à agência Lusa.

No sábado, abriu o prazo para as matrículas nos 6.º, 7.º, 8.º, 9.º e 11.º anos, para o ano letivo 2024/2025, e há encarregados de educação que ainda não conseguiram realizar a inscrição.

Recordando que o prazo termina na sexta-feira, o Ministério adiantou que os problemas verificados no ‘site’ estão a ser tratados e que “o Instituto de Gestão Financeira da Educação (IGeFE), que gere o Portal das Matrículas, está a efetuar algumas otimizações, tendo em vista resolver os constrangimentos verificados”.

De acordo com o calendário de matrículas para o próximo ano letivo, depois dos 6.º, 7.º, 8.º, 9.º e 11.º anos, o prazo para a realização de matrículas para os 2.º, 3.º, 4.º, 5.º anos vai decorrer entre 06 e 10 de julho.

De 15 a 20 de julho, poderão ser feitas as matrículas para os 10.º e 12.º anos.

LER MAIS
Subscrever Canal WhatsApp
RÁDIO ONLINE
ASSOCIAÇÃO SALVADOR, HÁ 20 ANOS A TIRAR SONHOS DO PAPEL

LINHA CANCRO
DESPORTO DIRETO

RÁDIO REGIONAL NACIONAL: SD | HD



RÁDIO REGIONAL VILA REAL


RÁDIO REGIONAL CHAVES


RÁDIO REGIONAL BRAGANÇA


RÁDIO REGIONAL MIRANDELA


MUSICBOX

WEBRADIO 100% PORTUGAL


WEBRADIO 100% POPULAR


WEBRADIO 100% LOVE SONGS


WEBRADIO 100% BRASIL


WEBRADIO 100% OLDIES


WEBRADIO 100% ROCK


WEBRADIO 100% DANCE


WEBRADIO 100% INSPIRATION

KEYWORDS

FABIO NEURAL @ ENCODING


NARCÓTICOS ANÓNIMOS
PAGAMENTO PONTUAL


MAIS LIDAS