REGIÕES

BRAGANÇA: PS QUER QUE AS MORTES EM LAR DA MISERICÓRDIA SEJAM INVESTIGADAS

Os vereadores do PS na Câmara de Bragança pediram esta terça-feira que seja averiguada a razão da dimensão do surto de Covid-19 nos lares da Misericórdia e se a instituição cumpriu as regras e protocolos de segurança.

Os dois eleitos socialistas, Carlos Moreno e Graça Patrício, divulgaram esta terça-feira à comunicação social a posição assumida na reunião de câmara do executivo liderado pelo social-democrata Hernâni Dias, que tem coordenado a situação na Santa Casa da Misericórdia de Bragança, na qualidade de responsável máximo municipal pela Proteção Civil.

O balanço provisório do surto dos lares da instituição é de 10 mortes, 107 utentes e 46 funcionários infetados e os vereadores socialistas entendem que “importa averiguar por que razão este surto ganhou esta dimensão tão elevada”.

Perceber se, logo no início do surto, foram descuradas, ou não aplicadas, as regras de segurança ou os protocolos sanitários exigíveis à situação”, concretizam.

A Santa Casa da Misericórdia de Bragança (SCMB) já reconheceu publicamente que houve falhas com o porta-voz, José Fernandes, a garantir que o assunto “há de ser debatido e se falhou alguma coisa” será corrigida.

O PS entende que esta afirmação não é suficiente porque a comunidade local continua “na ignorância quanto a essas falhas e, sobretudo, sem conhecer a posição oficial da SCMB, sob a forma informativa ou de mero esclarecimento, quanto a saber e perceber como tudo aconteceu”.

Os vereadores da oposição justificam a tomada de posição com “a relevância, o alarme e o impacto social do surto na Santa Casa da Misericórdia na comunidade de Bragança” e referem que discordam “frontalmente de aproveitamentos políticos com base na exploração de factos relacionados com os surtos”.

Entendemos que esta hora é de união e de congregação de esforços entre todas as entidades locais, sejam as de saúde, sejam de outras áreas, e que a melhor política não é a de incutir medo, pânico e alarme social, mas a de fazer uma gestão equilibrada, sensata e com aplicação de medidas adequadas e proporcionais, sem cair em exageros, extremismos, que acabam por ser contraproducentes”, sustentam.

Para os socialistas, “este momento é o de controlar a situação, repor a normalidade, cuidar dos doentes e dos infetados e aplicar e reforçar as medidas que evitem a repetição de situações semelhantes”.

O distrito de Bragança ultrapassou os mil casos de infeção confirmada pelo novo coronavírus, desde o início da pandemia, com 41 mortes associadas à Covid-19.

O concelho de Bragança é o que mais pesa nesta contabilidade com quase 300 casos de infeção ativos, metade dos quais naquele que é o maior surto registado até agora na região, o dos lares de idosos da Santa Casa da Misericórdia de Bragança.

VEJA AINDA:

AVEIRO: 13 ANOS DE PRISÃO PARA HOMEM QUE MATOU A MÃE

Lusa

APLICAÇÃO STAYAWAY COVID ALVO DE PROVIDÊNCIA CAUTELAR

Lusa

MONTIJO: INCÊNDIO NUMA EMPRESA CAUSA DOIS FERIDOS

Lusa

INVESTIGADORES ALERTAM: A IMUNIDADE DE GRUPO É UMA ESTRATÉGIA PERIGOSA

Lusa

ALVAIÁZERE: SETE UTENTES E DOIS FUNCIONÁRIOS DE LAR INFETADOS COM COVID-19

Vítor Fernandes

BRAGANÇA: PSD QUESTIONA AUSÊNCIA DE RASTREIO DO CANCRO DA MAMA

Lusa