CHAVES: AUTARQUIA PEDE QUARENTENA PARA OS EMIGRANTES

O presidente da Câmara de Chaves lançou hoje um apelo para que os emigrantes de regresso ao concelho façam uma “quarentena de forma espontânea” a favor do bem-estar das suas famílias e da comunidade.

“Que sejam responsáveis e que os afetos que naturalmente gostariam de ter com os familiares os guardem para mais tarde e os façam em triplicado”, vincou Nuno Vaz, referindo-se à necessidade de evitar a propagação da pandemia da Covid-19.

O autarca falava durante a instalação de uma viga de betão na fronteira de Vilarelho da Raia com Espanha, de um total do reforço do corte de estradas em sete localidades do concelho do distrito de Vila Real, e disse esperar que os emigrantes de regresso à região, e a Portugal em geral, façam uma “quarentena de forma espontânea”.

“As suas famílias e a comunidade só ganham com isso. Os cidadãos de regresso devem estar ainda atentos a qualquer sintoma e se aperceberem de qualquer desconformidade utilizem a linha Saúde 24 para uma resposta adequada”, sublinhou.

O autarca flaviense explicou que tem recebido a informação de “algum regresso de emigrantes”, mas que no concelho de Chaves esse número não é “significativo”.

“Mas há algum registo e o apelo que deixamos aos cidadãos, que são sempre bem-vindos, é que façam uma quarentena, e que estejam com a família e amigos de forma responsável e em segurança”, acrescentou.

Ainda sobre a implementação de medidas no concelho de Chaves, Nuno Vaz explicou que a autarquia está a “implementar uma linha de emergência social” para “dar resposta às pessoas que estão mais isoladas e em maior fragilidade social”.

Esta cooperação envolve o município, as juntas de freguesias do concelho e ainda Instituições Particulares de Solidariedade Social.

O objetivo é garantir a compra de alimentos e de medicamentos a todas as pessoas do concelho e assegurar refeições diárias a todas as situações familiares que sejam sinalizadas.

“Há cidadãos disponíveis já para ajudar quem mais precisa e nós queremos agregar e cooperar com eles para que se estabeleçam as redes, formais ou informais, para que se possa levar esta ajuda a quem mais precisa”, referiu.

O autarca flaviense adiantou ainda que estabeleceu contactos com o Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro (CHTMAD) e ainda com o Agrupamentos de Centro de Saúde do Norte (ARS Norte), disponibilizando “toda a cooperação necessária”.

À ARS Norte foram disponibilizados três veículos e respetivos condutores da autarquia caso seja necessário reforçar as idas aos domicílios pelos centros de saúde, explicou.

Já com o CHTMAD, foi disponibilizada cooperação para a instalação de uma tenda de campanha no Hospital de Chaves que possa ajudar na triagem e na observação de doentes, caso seja necessário.

“Disponibilizamos também pavilhões destinados para esse efeito ou outro também e, no limite, se tivermos essa capacidade, contribuir para a aquisição de equipamentos de proteção individual”, sublinhou.

Portugal encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de hoje.

O estado de emergência proposto pelo Presidente prolonga-se até às 23:59 de 02 de abril, segundo o decreto publicado quarta-feira em Diário da República que prevê a possibilidade de confinamento obrigatório compulsivo dos cidadãos em casa e restrições à circulação na via pública, a não ser que tenham justificação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.