RÁDIO REGIONAL
INTERNACIONAL

CLIMA: TEMPERATURA GLOBAL SUBIRÁ 2,7 GRAUS EM 2100 AO ATUAL RITMO DE EMISSÕES

nbsp| RÁDIO REGIONAL

A temperatura global subirá 2,7 graus em 2100, se se mantiver o atual ritmo de emissões de gases com efeito de estufa, alerta o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês).

No novo relatório, divulgado hoje e que saiu com um atraso de meses devido à pandemia, o IPCC considera cinco cenários, dependendo do nível de emissões que se alcance.

Manter a atual situação, em que a temperatura global é, em média, 1,1 graus mais alta que no período pré-industrial (1850-1900), não seria suficiente: os cientistas preveem que, dessa forma, se alcançaria um aumento de 1,5 graus em 2040, de 2 graus em 2060 e de 2,7 em 2100.

Este aumento, que acarretaria também mais acontecimentos climáticos extremos, como secas, inundações e ondas de calor, está longe do objetivo de reduzir para menos de 2 graus, fixado no Acordo de Paris, tratado no âmbito das Nações, que fixa a redução de emissão de gases estufa a partir de 2020, impondo como limite de subida os 1,5 graus centígrados.

No cenário mais pessimista, no qual as emissões de dióxido de carbono e outros gases com efeito de estufa duplicariam em meados do século, o aumento poderia alcançar níveis catastróficos, em torno dos 4 graus em 2100.

Cada grau de aumento faz antever cerca de sete por cento mais de precipitação em todo o mundo, o que pode originar um aumento de tempestades, inundações e outros desastres naturais, avisa o IPCC.

As ondas de calor extremo, que na época pré-industrial aconteciam aproximadamente uma vez por década e atualmente ocorrem 2,3 vezes, podem multiplicar-se até 9,4 vezes por década (quase uma por ano) no cenário com mais 4 graus de temperatura.

Por outro lado, na melhor hipótese considerada pelos peritos, em que se atinge a neutralidade carbónica (emissões zero) em metade do século, o aumento de temperatura seria de 1,5 graus en 2040, 1,6 graus em 2060 e baixaria para 1,4 graus no final do século.

O estudo da principal organização que estuda as alterações climáticas, elaborado por 234 autores de 66 países, foi o primeiro a ser revisto e aprovado por videoconferência.

Os peritos reconhecem que a redução de emissões não terá efeitos visíveis na temperatura global até que passem umas duas décadas, ainda que os benefícios para a contaminação atmosférica se começassem a notar em poucos anos.

VEJA AINDA:

AÇORES: ILHA DO CORVO APAGA ILUMINAÇÃO PÚBLICA ATÉ 08 DE NOVEMBRO PARA SALVAR AVES MARINHAS

Lusa

VIANA DO CASTELO: JÁ ABRIU O LABORATÓRIO DO MAR COM AQUÁRIO E UM SUBMARINO

Lusa

NITRATOS CONTINUAM A POLUIR EXCESSIVAMENTE ÁGUAS DA UE – COMISSÃO EUROPEIA

Lusa

POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA PROVOCA 1,1 MILHÕES DE MORTES EM ÁFRICA EM 2019, SEGUNDO UM ESTUDO

Lusa

AÇORES: MAU TEMPO PROVOCA INUNDAÇÕES EM PONTA DELGADA

Lusa

CERCA DE 14% DOS CORAIS DO MUNDO DESAPARECERAM ENTRE 2009 E 2018 – RELATÓRIO

Lusa