Ligue-se a nós

REGIÕES

COIMBRA: EX-BANCÁRIA CONFESSA DESVIO DE 655 MIL EUROS

Uma ex-bancária do BCP, em Vila Nova de Poiares, confessou hoje o desvio de 655 mil euros de contas de clientes tal como é relatado pelo Ministério Público, mas diz que o ex-marido, também arguido, não sabia do esquema.

Online há

em

Uma ex-bancária do BCP, em Vila Nova de Poiares, confessou hoje o desvio de 655 mil euros de contas de clientes tal como é relatado pelo Ministério Público, mas diz que o ex-marido, também arguido, não sabia do esquema.

A ex-bancária, de 44 anos, é acusada de desviar 655 mil euros de contas de clientes, especialmente idosos e emigrantes, entre 2003 e 2010, altura em que houve rescisão unilateral do contrato de trabalho.

No início do julgamento, que a defesa quis que fosse à porta fechada, mas que a juíza presidente recusou, a arguida afirmou que “é tudo verdade” aquilo que está na acusação, confirmando de forma integral os factos imputados pelo Ministério Público, à exceção da participação do ex-marido no esquema.

Num discurso quase sempre a chorar e a soluçar, a ex-bancária explicou que os desvios serviam para alimentar a compra compulsiva de bens materiais.

“Tinha um empréstimo bancário de 200 mil euros, tinha cartões e todo o dinheiro gastava-o em compras”, explicou, referindo que usava também o dinheiro dos clientes do BCP para pagar o empréstimo de forma que o ex-marido não se apercebesse dos gastos.

Publicidade

A arguida afirmou que passou a consumir muito álcool e que tinha várias crises (depois do sucedido foi-lhe diagnosticada a doença bipolar) e que se automedicava.

“Nunca me apercebi que precisava de ajuda”, admitiu, acrescentando que sempre fez compras de forma compulsiva, mas que a situação foi-se agravando.

“A minha mãe é que tomava conta do meu filho, porque eu deixava tudo para trás para ir às compras. Não havia um dia em que não tivesse de ir a algum lado fazer compras”, sublinhou.

Na acusação, é possível verificar que a suspeita dos desvios fazia levantamentos de 400 euros, por diversas vezes ao longo de três anos, e várias compras de centenas de euros em lojas de roupa, ourivesarias ou perfumarias.

“Ele [o ex-marido] não ligava a nada. Pode ser acusado de ser mau marido, de não prestar atenção, mas não se apercebia do que eu tinha e era eu que geria todas as contas da casa”, frisou, referindo que chegava a esconder as compras para não dar nas vistas e que falsificou a assinatura do seu ex-marido.

Publicidade

Depois de sair do banco e ser detetado o esquema, a arguida esteve ainda “pior”: Não dormia, o casal separou-se, viu a família alargada e amigos afastarem-se e o volume de despesas a aumentar – a prestação do crédito à habitação passou de 500 euros por mês para quase 900 euros.

“Fui vendendo tudo o que tinha para pagar as prestações para honrar os compromissos até que houve um dia que não tinha mais nada para vender”, explanou, referindo que, neste momento, recebe o ordenado mínimo.

Também durante o início do julgamento, o ex-marido disse em tribunal aquilo que a arguida já tinha dito, que não sabia de nada.

“Eu quero tentar perceber como é que é possível não se aperceber de nada. As compras, as obras na casa, fizeram uma piscina, compraram carros e não se apercebeu de nada?”, questionou a juíza.

O arguido sublinhou que trabalhava longas horas e que não geria o correio nem as contas correntes.

Publicidade

“Fui completamente apanhado de surpresa. Tinha muito orgulho nela”, vincou, referindo que nunca pensou que o gosto pelas compras fosse algo “anormal”, não tendo conhecimento dos valores que a antiga companheira gastava.

A arguida é acusada de um crime de falsidade informática, um crime de abuso de confiança qualificado, um crime de subtração de documento, um crime de falsificação de documento e um crime de branqueamento de capitais.

LUSA

Publicidade
DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

REGIÕES

TRÁS-OS-MONTES: GOVERNO “EMPENHADO” EM MANTER LINHA AÉREA REGULAR

O Governo está empenhado em manter a ligação aérea Bragança–Faro, vai avançar com o concurso público internacional para a concessão e está a trabalhar para acautelar que a rota não seja interrompida, foi hoje anunciado.

Online há

em

O Governo está empenhado em manter a ligação aérea Bragança–Faro, vai avançar com o concurso público internacional para a concessão e está a trabalhar para acautelar que a rota não seja interrompida, foi hoje anunciado.

O Conselho de Ministros aprovou, na quinta-feira, a realização de despesa referente à adjudicação da prestação de serviços aéreos regulares, em regime de concessão, na rota que liga Bragança, Vila Real, Viseu, Tires (Cascais) e Portimão, pelo período de quatro anos. A atual concessão termina a 28 de fevereiro.

Questionada sobre a carreira aérea, a secretaria de Estado das Infraestruturas disse hoje à agência Lusa que o estabelecimento desta ligação “consubstancia um fator de desenvolvimento económico e social, promovendo a coesão territorial, contribuindo para a aproximação das populações aos principais centros de negócio, de ensino e de lazer”.

“O Governo está, por isso, empenhado em manter esta ligação, tendo incumbido a Autoridade Nacional da Aviação Civil de apresentar uma proposta para o lançamento do novo procedimento em junho de 2023, e tendo ouvido os municípios envolvidos na rota atual e a atual concessionária”, referiu.

A secretaria de Estado disse ainda que se encontram “em fase de conclusão os procedimentos necessários para dar início ao procedimento concursal, na modalidade de concurso público internacional, com publicação no Jornal Oficial da União Europeia, para a atribuição, em regime de concessão, da exploração da rota Bragança/Vila Real/Viseu/Cascais/Portimão, por forma a assegurar a exequibilidade e eficácia das obrigações de serviço público fixadas”.

Publicidade

A este concurso, acrescentou, pode candidatar-se “qualquer transportadora aérea da União Europeia”.

“O Governo está a trabalhar no sentido de acautelar que a rota em apreço não seja interrompida”, garantiu ainda.

Em dezembro, o diretor de voos da Sevenair, empresa concessionária, disse que a carreira aérea pode estar em risco, lembrando que a concessão termina no final de fevereiro.

Na altura, o responsável referiu que se os valores apresentados pelo Governo como indemnização compensatória pela prestação do serviço se mantiverem nos moldes atuais, que têm sido de 2,4 milhões de euros por ano, e mesmo que seja proposto um ajuste direto até à conclusão de um futuro concurso, a empresa não tem “nem interesse, nem condições” para continuar a operação.

No último concurso, lançado em 2018 e concluído em 2019, houve uma prorrogação do serviço que foi aceite pela empresa.

Publicidade

Segundo dados da Sevenair, em 2023, a carreira aérea, que funciona com um avião com 18 lugares, transportou cerca de 13 mil passageiros.

Em 2018, números pré-pandemia, rondou os 12 mil viajantes. Durante a pandemia e devido à suspensão da pista do aeródromo de Vila Real, a ocupação caiu para 40%.

A ligação foi interrompida em 2012 e retomada em 2015 com o alargamento dos voos até ao Algarve.

LER MAIS

REGIÕES

VILA REAL: AGRICULTORES PROTESTAM CONTRA FALTA DE APOIOS DO GOVERNO

Os agricultores realizam uma marcha lenta com tratores na quarta-feira, em Vila Real, para mostrar que a insatisfação se mantém nos campos e reclamar rendimentos dignos para a agricultura familiar, foi hoje anunciado.

Online há

em

Os agricultores realizam uma marcha lenta com tratores na quarta-feira, em Vila Real, para mostrar que a insatisfação se mantém nos campos e reclamar rendimentos dignos para a agricultura familiar, foi hoje anunciado.

“A insatisfação mantém-se nos campos e as propostas apresentadas pelo Governo estão longe de responder aos problemas dos agricultores. Mais uma vez assistimos ao discurso dos milhões, quando os agricultores só veem tostões”, afirmou, em comunicado, a Confederação Nacional de Agricultura (CNA).

A marcha lenta foi convocada pela CNA e associações filiadas e vai realizar-se na próxima quarta-feira, na cidade de Vila Real, com início marcado para a rotunda do quartel e uma marcha lenta de tratores e outras máquinas agrícolas até à praça do município.

“A única medida que poderá entrar em vigor de imediato é o desconto do ISP (Imposto sobre Produtos Petrolíferos) no gasóleo e tudo o resto não passa de um caderno de encargos para o próximo Governo. Ficam por resolver todos os problemas relacionados com os preços à produção e a redução brutal nos apoios aos agricultores utilizadores de áreas de pastoreio nos baldios”, frisou a organização.

Em Vila Real, os agricultores vão reclamar melhores rendimentos e preços justos à produção e defender a produção nacional, a agricultura familiar e os baldios.

Publicidade

No final, segundo a CNA, será votado um caderno de reclamações a entregar aos órgãos de soberania e partidos políticos.

A nível local, as organizações dizem que os pequenos e médios vitivinicultores, e em especial na região do Douro, continuam com “preços baixíssimos à produção, devido ao esmagamento da grande agroindústria do setor”.

Por isso exigem “eleições imediatas para a Casa do Douro” e a reposição do papel regulador na comercialização do vinho da região.

Relativamente aos baldios, apontaram para “um ataque feroz à propriedade comunitária, com limitação da prática agrícola, com discriminação do acesso aos apoios para quem produz em zonas de montanha e com tentativas de alienação da propriedade dos compartes”.

“Os prejuízos causados por animais selvagens continuam a devastar as explorações agrícolas e florestais de Norte a Sul do País, com impactos muito negativos na produção e no potencial produtivo, conduzindo ao encerramento forçado da atividade de muitas explorações agrícolas”, salientaram.

Publicidade

Pelo que reclamam “o pagamento de indemnizações aos agricultores, produtores pecuários e florestais pelos prejuízos causados”.

Com os agricultores na rua em protesto, o Governo avançou com um pacote de ajuda de mais de 400 milhões de euros destinados a mitigar o impacto provocado pela seca e a reforçar o Plano Estratégico da Política Agrícola Comum (PEPAC), garantindo que a maior parte das medidas entra em vigor este mês, com exceção das que estão dependentes de ‘luz verde’ de Bruxelas.

A Comissão Europeia vai preparar uma proposta para a redução de encargos administrativos dos agricultores, que será debatida pelos 27 Estados-membros a 26 de fevereiro.

LER MAIS

MAIS LIDAS