Ligue-se a nós

CIÊNCIA & TECNOLOGIA

COVID-19: ESTUDO CONCLUI QUE CONCENTRAÇÃO DE PÓLEN AUMENTA TAXAS DE INFEÇÃO

Um estudo internacional, com investigadores da Universidade de Évora, revelou “uma correlação direta entre maior concentração de pólen no ar e o aumento nas taxas de infeção” pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, divulgou hoje a academia alentejana.

Online há

em

blank

Um estudo internacional, com investigadores da Universidade de Évora, revelou “uma correlação direta entre maior concentração de pólen no ar e o aumento nas taxas de infeção” pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, divulgou hoje a academia alentejana.

A investigação, que a Universidade de Évora (UÉ) realçou, em comunicado, ser o “maior estudo desenvolvido até agora nesta área”, envolveu a análise de dados de 130 estações polínicas dispersas por 31 países dos cinco continentes.

A equipa contou com a participação, da parte da UÉ, de Célia Antunes, Ana Rodrigues Costa e Ana Galveias, do Instituto de Ciências da Terra (ICT), e Elsa Caeiro, do MED – Instituto Mediterrâneo para a Agricultura, Ambiente e Desenvolvimento da Universidade de Évora.

Os investigadores realizaram “uma análise transversal e longitudinal de dados sobre a quantidade de pólen no ar, tendo em consideração fatores meteorológicos e a infeção por SARS-CoV-2”, explicou a academia.

A “principal conclusão” deste estudo é, precisamente, o facto de ter revelado a existência de “uma correlação positiva, robusta e significativa entre a taxa de infeção” por SARS-CoV-2 “e as concentrações de pólen no ar”, destacou a UÉ.

Célia Antunes, citada pela universidade, lembrou que “a exposição ao pólen enfraquece a imunidade contra certos vírus respiratórios”, pelo que os investigadores, partindo dessa premissa, pretendiam saber “se o mesmo se aplicava à síndrome respiratória provocada pelo novo coronavírus”.

Só que os resultados apontam que a maior incidência de infeções por SARS-CoV-2, que provoca a doença covid-19, “coincide com as altas concentrações de pólen no ar”, indicou.

“Existe uma correlação direta entre maior concentração de pólen no ar e o aumento nas taxas de infeção de covid-19”, sublinhou a também professora do Departamento de Ciências Médicas e da Saúde da academia de Évora.

O estudo alude ainda à circunstância de que o facto de a pandemia de covid-19 ter atingido a Europa e a América do Norte durante a primavera explica o número mais elevado de infetados pelo novo coronavírus, uma vez que, “o aumento da temperatura leva também ao aumento das atividades sociais e ao ar livre, disse a UÉ.

“O que, por sua vez, significou uma maior exposição ambiental a bioaerossóis” explicou a investigadora.

Por outro lado, no hemisfério sul, no mesmo período, “países como a Argentina, a África do Sul ou a Austrália apresentaram baixa concentração de pólen e também menos infeções por SARS-CoV-2”, precisamente por não estarem na primavera.

A densidade populacional nos diferentes países ou ainda os graus de confinamento adotado foram variáveis tidas em conta pelo estudo.

“Sabe-se agora que o pólen transportado pelo ar, associado a aspetos como a idade, a humidade e a temperatura ajudam a explicar em média, 44% da variabilidade da taxa de infeção” pelo SARS-CoV-2, o coronavírus que provoca a doença covid-19, destacou Célia Antunes, acrescentando ter ficado demonstrado no estudo que as taxas de infeção pelo novo coronavírus “aumentaram após o registo de maior concentração de pólen nos quatro dias anteriores à infeção de determinado indivíduo”.

Os investigadores envolvidos neste estudo realçaram ainda que, embora a infeção seja transmitida de pessoa para pessoa, o pólen constitui um fator de risco adicional, cuja ocorrência em simultâneo tem impacto nas infeções sazonais das vias respiratórias, não só por coronavírus, mas também por outros vírus (como os da constipação comum).

CIÊNCIA & TECNOLOGIA

UC LEVA BIOSSENSORES AO ESPAÇO PARA AVALIAR SAÚDE DOS ASTRONAUTAS

Uma investigadora da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (UC) lidera um projeto multidisciplinar que levou até ao espaço biossensores cuja missão é avaliar a saúde dos astronautas e turistas espaciais.

Online há

em

blank

Uma investigadora da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (UC) lidera um projeto multidisciplinar que levou até ao espaço biossensores cuja missão é avaliar a saúde dos astronautas e turistas espaciais.

O projeto, denominado Lab-on-paper, “representa o primeiro voo de uma equipa portuguesa no foguetão MASER e abre portas à possibilidade de análise de alguns parâmetros com interesse para a saúde no espaço”, divulgou a UC em nota de imprensa enviada à agência Lusa.

“Esta experiência inédita pretende avaliar o funcionamento de sensores semelhantes às tiras de urina no espaço, onde a gravidade é quase nula”, afirmou a líder do projeto, Akmaral Suleimenova, citada numa nota de imprensa da UC, adiantando que recorreram a sensores de açúcar (glucose) ou de antibióticos (tetraciclina), com base em tecnologias já desenvolvidas pela equipa, em 2014 e 2015.

O lançamento, que ocorreu na quarta-feira, foi acompanhado por Akmaral Suleimenova e João Gabriel Silva, professor catedrático de Engenharia Informática daquela faculdade, para “assegurar em Terra a operacionalidade dos biossensores, da estrutura mecânica desenvolvida para este efeito e da comunicação entre o foguetão e a experiência, encerrados numa caixa própria para esta viagem única”.

“Esta caixa passou, aliás, por múltiplos testes nestes últimos meses, um deles levando Akmaral Suleimenova, Guilherme Ribeiro (Universidade Nova da Lisboa) e João Pedro Coutinho (Instituto Superior de Engenharia do Porto) à Suécia, um mês antes desta partida”.

Segundo a UC, “a experiência foi bem-sucedida do ponto de vista da comunicação com o foguetão e de gravação de imagem prevista, mas nem todos os resultados esperados foram conseguidos”.

Segue-se “uma fase de análise detalhada de todos os dados recolhidos” e, “num segundo lançamento, espera-se conseguir recolher não só os dados que não foram agora obtidos, como alargar o âmbito científico da experiência”.

O Lab-on-paper é financiado pela European Low Gravity Research Association e resulta de uma colaboração que envolve cientistas da Universidade de Coimbra, do Instituto Superior de Engenharia do Porto e da Universidade Nova de Lisboa, provenientes de vários grupos/centros de investigação.

Os investigadores são Akmaral Suleimenova, Goreti Sales, Manuela Frasco, Rita Cardoso, Afonso Sampaio, Ana Carolina Marques, Elvira Fortunato, Guilherme Ribeiro, Rui Igreja e João Gabriel Silva, André Dias e João Pedro Coutinho.

“Como no espaço não há hospitais, são necessárias formas simples de analisar o estado de saúde dos astronautas ou dos turistas espaciais. A recolha de uma amostra de sangue é muito difícil, pois a ausência de gravidade dificulta a transferência de líquidos”, esclareceu o consórcio.

Face a esta situação, “os testes rápidos para saliva ou urina, que mudam de cor, são os mais adequados, uma vez que basta um pouco urina/saliva para se obter um resultado visível a olho nu”, sendo que “até à data nunca foi testada a possibilidade de usar estes sensores no espaço”, mas a equipa está a caminho de conseguir este feito.

O foguetão MASER, onde viajaram os biossensores, foi construído pela Agência Espacial Sueca e testado em lançamentos anteriores. Esta missão MASER-15 corresponde ao terceiro voo da série Suborbital Express, que inclui várias experiências de naturezas muito diversas no mesmo voo, uma delas o Lab-on-paper.

Com 12,6 metros de altura, este foguetão consegue transportar 300 quilogramas até cerca de 260 quilómetros de altitude. “Esta altitude é fundamental para que a qualidade da microgravidade a que ficam sujeitas as experiências seja elevada”, assinalou a UC.

O foguetão foi lançado no centro espacial de Esrange, no norte da Suécia, acrescentou a UC.

 

blank

Equipa da Universidade de Coimbra responsável pelo projeto.

LER MAIS

CIÊNCIA & TECNOLOGIA

TRÁFEGO DE DADOS NA INTERNET AUMENTOU 26,7% EM 2021

O tráfego no acesso à Internet por banda larga aumentou 26,7% em 2021, um “ritmo semelhante” ao verificado antes do aumento extraordinário de 60,6% em 2020, devido ao confinamento, informou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Online há

em

blank

O tráfego no acesso à Internet por banda larga aumentou 26,7% em 2021, um “ritmo semelhante” ao verificado antes do aumento extraordinário de 60,6% em 2020, devido ao confinamento, informou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

“O volume de tráfego associado ao acesso à Internet por banda larga alcançou os 12,8 mil milhões de GB [gigabytes], tendo crescido 26,7%, um ritmo semelhante ao verificado antes do período de confinamento devido à pandemia covid-19, em que ocorrera um aumento extraordinário do volume de tráfego devido sobretudo à massificação do teletrabalho e do acesso intenso à internet nesse período (+60,6% em 2020 e +28,7% em 2019)”, apontam as ‘Estatísticas dos Transportes e Comunicações 2021’ do INE.

Em 2021, o número de acessos à Internet aumentou 3,7% (+4,9% em 2020), atingindo 4,31 milhões, e os acessos por fibra ótica “continuaram a crescer a um ritmo assinalável (+12,8%), ainda que ligeiramente inferior ao do ano anterior (+14,1% em 2020)”.

Segundo o instituto estatístico, contrariamente aos transportes, que no ano passado ainda não tinha recuperado totalmente da crise pandémica, o setor das comunicações “saiu reforçado” da pandemia, com “acréscimos continuados das principais variáveis financeiras”.

Assim, o volume de negócios do setor somou 7.800 milhões de euros, aumentando 7,5% face ao ano anterior (+9,5% em 2020; +17,7% face a 2019), com a componente de telecomunicações a crescer 5,5% (+11,0% em 2020; +17,1% comparando com 2019), correspondendo a 6.500 milhões, e a componente de atividades postais a subir 18,9% (+1,8% em 2020; +21,0% face a 2019).

Já o Valor Acrescentado Bruto (VAB) cresceu ainda mais em 2021 do que em 2020, aumentando 9,4% após uma subida de 3,3% em 2020.

Em 2021, o serviço telefónico fixo com acesso direto registou 4,3 milhões de clientes, aumentando 2,0% face ao ano anterior, e o número de acessos telefónicos continuou a crescer (+2,0%; +2,4% em 2020), atingindo 5,3 milhões de acessos.

Segundo o INE, o tráfego de voz com origem na rede móvel registou um crescimento de 6,5% em número de chamadas (-4,5% em 2020), para 11,0 mil milhões e de 4,6% no número de minutos (+16,4% em 2020), para 35,4 mil milhões.

O tráfego internacional registou uma diminuição em chamadas (-1,6%) e em minutos (-1,1%) e o tráfego de mensagens escritas (SMS) continuou a diminuir (-5,8%; -22,6% no ano anterior), para 10,7 mil milhões de mensagens.

Em 2021, o número de assinantes do serviço de televisão por subscrição continuou a crescer (+3,0%, +3,9% em 2020), atingindo 4,4 milhões de assinantes.

O serviço com tecnologia de fibra ótica (FTTH), tal como no ano anterior, foi o único a registar um aumento de subscritores (+13,3%; +14,4% em 2020) e representou 56,9% do total, com 2,5 milhões de assinantes.

Quanto à rede postal nacional, cresceu 1,7%, após o crescimento de 8,3% em 2020, sendo composta por 15.047 pontos de acesso.

“Com mais oito novos estabelecimentos, as estações de correio cresceram 1,4% (+4,3% em 2020) para 570 estações enquanto, em sentido inverso, os postos de correio diminuíram 1,0% (-1,5% em 2020) para 1786 postos, traduzindo-se numa diminuição de 18 postos. O tráfego postal diminuiu 2,9% em 2021 (-12,0% em 2020; -14,6% face a 2019), tendo sido expedidos cerca de 586 milhões de objetos”, detalha o INE.

LER MAIS

CIÊNCIA & TECNOLOGIA

PRÉMIO DISTINGUE INVESTIGAÇÃO SOBRE CANCRO E DOENÇAS NEURODEGENERATIVAS

O Prémio Maria de Sousa, destinado a jovens cientistas portugueses na área da saúde, distingue em 2022 projetos de investigação sobre cancro, doenças neurodegenerativas, funcionamento do cérebro e saúde nas cidades, anunciou hoje a organização.

Online há

em

blank

O Prémio Maria de Sousa, destinado a jovens cientistas portugueses na área da saúde, distingue em 2022 projetos de investigação sobre cancro, doenças neurodegenerativas, funcionamento do cérebro e saúde nas cidades, anunciou hoje a organização.

Ao todo foram distinguidos cinco projetos, cada um financiado com 30 mil euros.

O prémio, instituído em homenagem à imunologista Maria de Sousa, que morreu com covid-19 em 2020, aos 80 anos, é promovido pela Ordem dos Médicos e pela Fundação Bial, que divulgaram em comunicado os galardoados, todos mulheres.

As premiadas são Sandra Tavares (Instituto de Investigação e Inovação em Saúde da Universidade do Porto – i3S), Ana Melo (Associação do Instituto Superior Técnico para a Investigação e Desenvolvimento), Ana Rita Queiroz da Cruz (Fundação Champalimaud), Carina Soares-Cunha (Instituto de Investigação em Ciências da Vida e da Saúde da Universidade do Minho) e Daniela Rodrigues (Centro de Investigação em Antropologia e Saúde da Universidade de Coimbra).

Sandra Tavares, do i3S, propõe-se identificar proteínas que estão envolvidas no desenvolvimento de metástases (tumores secundários que se disseminaram a partir de um primário) no cancro da mama triplo-negativo, um dos mais agressivos.

Com este trabalho, a investigadora pretende descobrir uma melhor estratégia de tratamento, menos tóxica e debilitante para os doentes.

O estudo liderado por Ana Melo, da Associação do Instituto Superior Técnico para a Investigação e o Desenvolvimento, vai focar-se na proteína `tau`, cuja “deposição de agregados no sistema nervoso central está associada” a diversas doenças neurodegenerativas, como a de Alzheimer, a forma mais comum de demência.

Ana Rita Queiroz da Cruz, da Fundação Champalimaud, irá “investigar a possibilidade de vesículas extracelulares protegerem as células cancerígenas da ação do sistema imunitário”. As vesículas extracelulares são partículas muito pequenas libertadas pelas células.

Num trabalho anterior, o grupo da investigadora descobriu que as vesículas libertadas por células de cancro da pele apresentam uma proteína recetora “que reconhece uma proteína anticancerígena que é produzida por células do sistema imunitário”.

A cientista Carina Soares-Cunha, do Instituto de Investigação em Ciências da Vida e da Saúde da Universidade do Minho, propõe-se identificar os genes e a função dos neurónios (células) do cérebro envolvidos na capacidade de as pessoas “associarem pistas existentes no ambiente à sua volta, como sons, cheiros ou imagens, a recompensas, como comida ou água, ou a perigos”.

A investigação “irá permitir compreender melhor o funcionamento do cérebro e usar estes marcadores genéticos ou funcionais para, no futuro, os explorar em terapias genéticas direcionadas para doenças psiquiátricas com alterações do circuito de recompensa do cérebro”.

A equipa de Daniela Rodrigues, que trabalha no Centro de Investigação em Antropologia e Saúde da Universidade de Coimbra, vai avaliar a forma como os estudantes desta universidade “experienciam e interagem com o ambiente à sua volta”, um trabalho cujos resultados “deverão incentivar o desenho de estratégias de promoção de saúde” nas cidades.

Os vencedores da segunda edição do Prémio Maria de Sousa voltaram a ser selecionados por um júri presidido pelo neurocientista Rui Costa.

A iniciativa, financiada pela Fundação Bial (ligada à farmacêutica Bial), destina-se a cientistas portugueses, até aos 35 anos, com projetos de investigação na área das ciências da saúde e inclui um estágio num centro de investigação internacional considerado de excelência.

blank

Prémio Maria de Sousa 2022 distingue investigação sobre cancro e doenças neurodegenerativas

 

LER MAIS

CIÊNCIA & TECNOLOGIA

ENSINO SUPERIOR: DOCENTES E INVESTIGADORES EM GREVE DIA 18 DE NOVEMBRO

O Sindicato Nacional do Ensino Superior (SNESup) anunciou hoje ter emitido um pré-aviso de greve para 18 de novembro, abrangendo todos os profissionais do ensino superior e ciência, “face à deterioração das (suas) condições de trabalho”.

Online há

em

blank

O Sindicato Nacional do Ensino Superior (SNESup) anunciou hoje ter emitido um pré-aviso de greve para 18 de novembro, abrangendo todos os profissionais do ensino superior e ciência, “face à deterioração das (suas) condições de trabalho”.

Em comunicado, o SNESup precisa estar em causa a “instabilidade e precariedade de vínculos contratuais e os bloqueios nas oportunidades de progressão e promoção nas carreiras” de docentes e investigadores das universidades, institutos politécnicos, escolas superiores não integradas e institutos de investigação.

O protesto também é contra a “diminuição acentuada” do poder de compra daqueles profissionais, “desde há mais de 10 anos e que está a ser particularmente agravada no atual contexto de aumento da inflação”, adianta a nota.

O SNESup exige “a atualização urgente das tabelas remuneratórias das carreiras de investigação científica (ECIC), de docente do ensino superior politécnico (ECPDESP) e de docente universitário (ECDU), reivindicando ainda “níveis de financiamento que permitam a integração nas carreiras de investigadores e professores de ensino superior contratados a prazo e a tempo parcial sucessivamente ano após ano”.

Reivindicada é também “a atualização da carreira de investigação científica e a revisão das carreiras de docente do ensino superior politécnico e de docente universitário, bem como a criação de mecanismos de progressão mais justos e abrangentes nestas três carreiras”.

A greve inclui, além das aulas e assistência a alunos, as reuniões de órgãos ou serviços, avaliações ou participação em júris de avaliação.

“Os docentes do ensino superior e investigadores são sistematicamente esquecidos no Orçamento de Estado, que continua a disponibilizar verbas insuficientes para pagar os atuais salários dos docentes e investigadores”, considera Mariana Gaio Alves, presidente do SNESup, citada no comunicado.

“O subfinanciamento estatal do setor não permite criar condições para contratar profissionais em número suficiente, integrados e reconhecidos nas carreiras”, adianta.

Dados do sindicato indicam que “cerca de 42% dos docentes do ensino superior estão contratados como convidados e em muitos casos a tempo parcial, sendo ainda mais elevada a percentagem de investigadores com vínculos contratuais precários”.

Assim como que cerca de 70% dos investigadores e professores de ensino superior se concentram “nas categorias iniciais das carreiras”, apesar de terem “uma média etária elevada e longos anos de experiência profissional”.

“As verbas disponibilizadas pelo Orçamento do Estado para 2023 não acompanham o aumento crescente do número de alunos nos vários ciclos de estudos, criando pressão sobre as Instituições de Ensino Superior, ainda mais em contexto de inflação. Ao manter esta trajetória prevemos graves constrangimentos à sustentabilidade do ensino superior em Portugal”, salienta a presidente do SNESup.

LER MAIS

JORNAL ONLINE

blank

DESPORTO DIRETO

MUSICBOX

EMISSÃO NACIONAL





EMISSÃO REGIONAL










WEBRÁDIOS TEMÁTICAS MUSICAIS










LINHA CANCRO

PAGAMENTO PONTUAL

KEYWORDS

MAIS LIDAS