RÁDIO REGIONAL
ECONOMIA & FINANÇAS

CRISE: VIAGENS COM DESTINO AO ESTRANGEIRO CAEM 89,5% NO 1.º TRIMESTRE

nbsp| RÁDIO REGIONAL

As viagens turísticas de residentes em Portugal com destino ao estrangeiro caíram 89,5%, no primeiro trimestre, e as viagens em território nacional diminuíram 53,3%, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

De acordo com as estatísticas da procura turística dos residentes, publicadas pelo INE, nos primeiros três meses do ano “o contexto pandémico continuou a afetar severamente as viagens turísticas de residentes”, “tendo sido realizadas 1,6 milhões de viagens, o que correspondeu a uma variação de -57,6% (-57,4% no quarto trimestre de 2020)”.

“Esta redução foi muito significativa no que respeita às viagens em território nacional que, embora concentrando 97% das deslocações, decresceram 53,3%, mas foi ainda mais intensa nas viagens com destino ao estrangeiro, que diminuíram 89,5%”, concluiu o INE.

As viagens turísticas com destino ao estrangeiro representaram 3% do total (2,6% no quarto trimestre de 2020), correspondendo a 46,8 mil viagens (-89,5% face ao período homólogo; -90,3% no trimestre anterior), registando-se decréscimos de 85,6%, 94,5% e 81,8%, respetivamente, em janeiro, fevereiro e março.

No período em análise, o principal motivo para viajar prendeu-se com a “visita a familiares ou amigos” (750,7 mil viagens, -48,8%), tendo a sua representatividade aumentado (47,3% do total, face a 39,3% no trimestre homólogo).

Já o motivo “lazer, recreio ou férias” correspondeu apenas a 415,8 mil viagens (26,2% do total, -14,6 pontos percentuais), tendo decrescido 72,7%.

As viagens por motivos profissionais ou de negócios (227,3 mil) aumentaram em 1,7 pontos percentuais o seu peso relativo, nos primeiros três meses do ano (14,3% do total).

Os hotéis e similares concentraram 5,5% das dormidas resultantes das viagens turísticas no trimestre do ano, perdendo peso no total (-15,7 pontos percentuais), enquanto o alojamento particular gratuito manteve-se como a principal opção dos viajantes (88,7% das dormidas, +14,8 pontos percentuais).

De acordo com os dados do INE, o recurso à internet sofreu uma grande perda de expressão na organização de viagens, tendo sido utilizada no processo de organização de 4,7% das deslocações (-20,9 pontos percentuais), o que representa o valor mais baixo dos últimos anos.

Por outro lado, o número médio de noites por turista registou um aumento no primeiro trimestre, com cada turista residente a dormir, em média, 7,16 noites nas viagens turísticas realizadas (+53%).

A duração média mais elevada foi observada nas viagens realizadas em janeiro, de 9,70 noites.

VEJA AINDA:

DGS APELA À VACINAÇÃO PARA REDUZIR PROPAGAÇÃO DOS VÍRUS SARS-COV-2 E DA GRIPE

Lusa

GOUVEIA E MELO: ‘OS MALUCOS (NEGACIONISTAS) QUE ACHAM QUE O VÍRUS NÃO FAZ MAL SÃO INIMIGOS’

Lusa

COVID-19: PAIS VOLTAM A ENTRAR NAS CRECHES E SAPATOS DEIXAM DE FICAR À PORTA DA SALA

Lusa

CRISE: ANTÓNIO COSTA DIZ QUE CONTINUA A GOVERNAR EM DUODÉCIMOS

Lusa

TERRORISMO: MAIS DE 12 MILHÕES DE CRIANÇAS TRAUMATIZADAS NA NIGÉRIA

Lusa

GREENPEACE PEDE À UE QUE PROIBA VOOS DE CURTA DISTÂNCIA E OS SUBSTITUA POR COMBOIOS

Lusa