NACIONAL

ESTRADAS: MENOS MORTES, MAIS ACIDENTES E MAIS FERIDOS GRAVES – 2019

O número de mortos nas estradas portugueses desceu entre 01 de janeiro e 31 de outubro relativamente ao período homólogo, mas o número de acidentes e de feridos graves subiu, segundo dados provisórios oficiais.

De acordo com o último balanço da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) relativo a 10 meses (entre 01 de janeiro e 31 de outubro deste ano) morreram 396 pessoas nas estradas portuguesas, menos 24 do que no período homólogo (420).

Os dados da ANSR referem-se a óbitos que ocorrem no local do acidente ou durante o respetivo transporte até à unidade de saúde e os valores relativos aos feridos graves são referentes a vítima de acidente cujos danos corporais obriguem a um período de hospitalização superior a 24 horas.

Entre 01 de janeiro e 31 de outubro deste ano foram registados 110.034 acidentes, mais 924 do que no período homólogo (109.110).

No mesmo período ficaram feridas com gravidade 1.890 pessoas, mais 106 do que nos 10 meses de 2018.

A ANSR indica também que 34.740 pessoas sofreram ferimentos ligeiros, mais 479 do que em igual período do ano passado (34.261).

O balanço da ANSR, que reúne dados da GNR e PSP, destaca também que na última semana de outubro (22 a 31 de outubro) morreram nas estradas 14 pessoas e 66 ficaram feridas com gravidade.

Os dados da ANSR indicam igualmente que entre 01 de novembro de 2018 e 31 de outubro de 2019, foram registados 484 mortos nas estradas (menos 26 relativamente ao período 01 de novembro de 2017 a 31 de outubro de 2018) enquanto os feridos graves subiram para 2.247 (mais 99).

Entre 1 de janeiro e 31 de outubro deste ano, o distrito com maior número de mortos resultantes de acidentes foi o do Porto (43), seguido de Lisboa (39), Braga (33), Coimbra (30) e Santarém (29).

O distrito de Lisboa foi o distrito com mais feridos graves (271), seguido por Faro (198) e Porto (185).

VEJA AINDA:

GOVERNO INVESTE 36,7 MILHÕES NA LINHA SNS24 NOS PRÓXIMOS TRÊS ANOS

Lusa

COVID-19: DORES E SINTOMAS DEPRESSIVOS AGRAVARAM-SE NOS DOENTES COM ARTRITE REUMATÓIDE

Lusa

REGUENGOS DE MONSARAZ: LAR NÃO CUMPRIA AS ORIENTAÇÕES DA DGS – INQUÉRITO

Lusa

PORTO: SOBE PARA 8 NÚMERO DE INTERNADOS DEVIDO A FOCO NA RESIDÊNCIA SÉNIOR MONTEPIO

Lusa

SINTRA: AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE É ONDE MAIS FALTAM MÉDICOS DE FAMÍLIA

Lusa

SAÚDE: GOVERNO ABRE 435 VAGAS PARA CONTRATAR MÉDICOS DE FAMÍLIA

Lusa