Connect with us

INTERNACIONAL

EUA “ESTUDA” ATAQUE À COREIA DO NORTE

Donald Trump deu ordens aos seus conselheiros militares para que preparem planos de ataque à Coreia do Norte, numa altura em que as preocupações com o programa nuclear do país comunista aumentaram.

Data:

em

Donald Trump deu ordens aos seus conselheiros militares para que preparem planos de ataque à Coreia do Norte, numa altura em que as preocupações com o programa nuclear do país comunista aumentaram.

O jornal britânico The Mirror cita um dos conselheiros de Trump para a Segurança Nacional, o Tenente General H. R. McMaster, segundo o qual presidente dos EUA ordenou a preparação de uma “lista de opções” militares para “esmagar” a ameaça nuclear norte-coreana.

Entre as alternativas estão “raides de forças especiais combinadas” e “ataques de mísseis preventivos”, realça o Mirror.

“O presidente pediu para estarmos preparados para dar uma gama completa de opções para remover a ameaça” nuclear, revela McMaster.

O conselheiro de Trumo recorda que Donald Trump, tal como outros presidentes dos EUA antes dele, concordam que o desenvolvimento de armas nucleares na Coreia do Norte é “inaceitável” e que “o que tem que acontecer é a desnuclearização da Península“.

Este domingo, os Estados Unidos enviaram o super-porta-aviões USS Carl Vinson para águas perto da Coreia do Norte, como resposta aos vários testes de mísseis de Pyongyang.

Fontes do Pentágono confirmaram à CNN que o almirante Harry Harris, chefe do Comando do Pacífico, ordenou a mobilização do porta-aviões da classe Nimitz e de toda a sua frota de ataque para águas próximas da península coreana.

Entretanto, segundo o canal noticioso FOX News, a Força Aérea norte-americana está a sobrevoar o espaço aéreo da península Coreana, sendo notório o aumento do número de voos de aviões americanos em patrulha a partir da base aérea sul-coreana de Osan.

Estas movimentações surgem depois de a semana passada o Conselho de Segurança Nacional dos EUA ter apresentado a Trump um relatório sobre possíveis variantes de resposta à ameaça vinda da Coreia do Norte, incluindo instalar armas nucleares na Coreia do sul ou a eliminação do líder norte-coreano, Kim Jong-un.

A instalação de armas nucleares na Coreia do Sul, de onde os EUA retiraram todas as suas armas nucleares há 25 anos, seria o primeiro movimento táctico nuclear dos Estados Unidos em território estrangeiro desde o fim da Guerra Fria.

Também a semana passada, um dia depois de Donald Trump ter recebido dos seus conselheiros planos militares com opções para um ataque na Síria, os EUA lançaram um ataque com mísseis cruzeiro contra uma base aérea de Shayrat.

A Coreia do Norte criticou o ataque norte-americano, considerando que se trata de “uma intolerável agressão” que justifica “mais de um milhão de vezes” um ataque de “dissuasão nuclear”.

AS MAIS LIDAS