Ligue-se a nós

REGIÕES

GUERRA PODERÁ ATRASAR NOVO HOSPITAL CENTRAL DO ALENTEJO

O Governo admitiu que um agravamento da situação de guerra poderá “condicionar o cumprimento” dos prazos previstos para a conclusão das obras do novo Hospital Central do Alentejo, numa resposta enviada ao PSD, divulgou esta terça-feira o partido.

Online há

em

O Governo admitiu que um agravamento da situação de guerra poderá “condicionar o cumprimento” dos prazos previstos para a conclusão das obras do novo Hospital Central do Alentejo, numa resposta enviada ao PSD, divulgou esta terça-feira o partido.

Este cenário foi admitido na resposta que, no final de setembro, o ministro da Saúde, Manuel Pizarro, deu a questões colocadas pelo grupo parlamentar do PSD, que neste dia a divulgou.

Os deputados sociais-democratas questionaram se o ministro poderia garantir que a obra do novo Hospital Central do Alentejo, que está em curso, irá estar concluída no final de 2023, de modo a “não se perder o financiamento” do Programa Operacional Regional do Alentejo 2020.

Na resposta, com data da passada sexta-feira, Manuel Pizarro sublinhou que “os esforços de todas as equipas” envolvidas no projeto de construção da nova unidade hospitalar “concentram-se no sentido de que a obra esteja concluída no final do ano de 2023”.

“Apenas a alteração das circunstâncias, para além do previsível neste momento, nomeadamente o agravamento da guerra na Europa, com todas as suas implicações, poderá vir a condicionar o cumprimento deste objetivo”, ressalvou o governante.

Porém, observou, “se tal vier a acontecer”, os projetos em curso “sofrerão ajustamentos não só em Portugal, como na Europa”.

“Esperamos que, mesmo no pior cenário, sejam encontrados mecanismos para garantir o financiamento do PO [Programa Operacional] Regional, uma vez que a própria União Europeia terá de reavaliar o cumprimento das suas próprias metas”, afirmou.

O ministro da Saúde disse ainda que “as dotações necessárias” para o cumprimento das obrigações associadas à construção do novo hospital serão asseguradas pela tutela “conforme se revelem necessárias no decorrer da obra”.

Já os parlamentares sociais-democratas sustentavam, na pergunta ao Governo, que, dos 183 milhões de euros em investimento previsto para o projeto, apenas 40 milhões são cofinanciados pelo programa operacional regional.

O PSD questionava ainda “por que razão o investimento nesta obra” diminuiu substancialmente, alegando que “o Orçamento do Estado para 2022 previa investir 54 milhões de euros” e que na atualização do quadro de investimentos plurianuais estruturantes que o Ministério das Finanças submeteu ao parlamento, em agosto, “surgem apenas dois milhões para esta obra“.

O novo hospital, em construção desde agosto, envolve um investimento total de cerca de 210 milhões de euros, já que, aos cerca de 180 milhões da construção, se juntam perto de mais 30 milhões para equipamentos.

A futura unidade hospitalar, na periferia da cidade de Évora, vai ocupar uma área de 1,9 hectares e ter uma capacidade de 351 camas em quartos individuais, que pode ser aumentada, em caso de necessidade, até 487.

Com 30 camas de cuidados intensivos/intermédios e 15 de cuidados paliativos, a nova unidade vai ter, entre outras valências, 11 blocos operatórios, três dos quais para atividade convencional, seis para ambulatório e dois de urgência, cinco postos de pré-operatório e 43 postos de recobro.

REGIÕES

VILA FLOR: AUTARQUIA DISPONIBILIZA WHATSAPP PARA COMUNICAR COM MUNÍCIPES

Vila Flor, no distrito de Bragança, vai ter em breve à disposição dos munícipes e visitantes uma plataforma que permite comunicar diretamente com a autarquia, informou hoje a Câmara Municipal.

Online há

em

Vila Flor, no distrito de Bragança, vai ter em breve à disposição dos munícipes e visitantes uma plataforma que permite comunicar diretamente com a autarquia, informou hoje a Câmara Municipal.

O objetivo é aproximar e facilitar a comunicação com os munícipes e visitantes. A aplicação está em fase de testes, para serem afinados e otimizados os pormenores da utilização. A previsão é que possa entrar em pleno funcionamento em setembro.

“Qualquer ‘smartphone’ que tenha o WhatsApp instalado, ao entrar na zona de Vila Flor recebe uma mensagem e é convidado a entrar na plataforma, podendo ou não aderir. Se aceitar o convite, faz um breve registo onde pedimos que nos diga a sua origem, e depois pode comunicar diretamente com os serviços ou com o executivo de Vila Flor”, explicou o presidente da Câmara Municipal, Pedro Lima.

Para o autarca, esta ferramenta é uma forma prática e atual de comunicar.

“É uma inovação na gestão autárquica que ainda existe muito pouco nos nossos municípios portugueses. Hoje em dia, todos, à parte de uma franja que está um pouco infoexcluída, usam WhatsApp. Por isso vimos como uma oportunidade”, considerou Pedro Lima.

Se a mensagem for dirigia ao presidente da câmara, o município explicou que primeiro é enviada uma mensagem de boas-vindas e que depois Pedro Lima responde ao solicitado.

“Questões que envolvam alguma consulta, como do foro jurídico ou regulamentar da câmara, tenho de pedir apoio nesse departamento. Mas a resposta virá sempre através de mim (…)”, garantiu o autarca.

A nova funcionalidade vai estar disponível 24 horas, todos os dias do ano, e é interativa, ao permitir ainda “comunicar ocorrências, aceder a informação institucional, colocar dúvidas e fazer sugestões e até falar diretamente com o presidente da Câmara Municipal ou agendar uma reunião”, detalhou o município.

Por exemplo, para reportar uma ocorrência, o programa apresenta uma lista com várias opções predefinidas, para facilitar a comunicação. Pode até ser anexada uma fotografia e as coordenadas de localização, para uma resposta mais eficiente.

A plataforma vai estar disponível em português e em inglês, a pensar também nos visitantes, que podem obter informações sobre onde dormir, onde comer ou qual a farmácia de serviço.

Esta é também uma forma, segundo Pedro Lima, de recolher informação sobre a faixa etária ou o local de residência de quem aceder à aplicação, o que vai permitir dar uma resposta mais adequada às necessidades e perceber o perfil de quem visita o concelho.

Vila Flor é um dos 12 concelhos do distrito de Bragança, tem uma área de 265,81 quilómetros quadrados e 14 freguesias. De acordo com os últimos censos, conta com cerca de seis mil habitantes.

LER MAIS

REGIÕES

PORTO: ATROPELAMENTO NA RUA CHAVES DE OLIVEIRA SOB INVESTIGAÇÃO

A PSP está hoje a investigar o atropelamento, na quarta-feira à noite, de um funcionário de um posto de abastecimento de combustíveis na Rua Chaves de Oliveira, no Porto, quando tentava travar o furto de combustível.

Online há

em

A PSP está hoje a investigar o atropelamento, na quarta-feira à noite, de um funcionário de um posto de abastecimento de combustíveis na Rua Chaves de Oliveira, no Porto, quando tentava travar o furto de combustível.

Em declarações à Lusa, fonte das Relações Públicas do Comando Metropolitano do Porto da PSP explicou que “estão a ser trabalhadas as gravações vídeo” para identificar a viatura usada, assim como os suspeitos.

Os alegados autores do crime chegaram ao posto, pararam e encheram diversos recipientes de combustível que colocaram dentro da viatura e preparavam-se para sair sem pagar, disse.

O funcionário apercebeu-se do furto e tentou travar a fuga, acabando por ser atropelado.

A vítima foi assistida no local pela equipa da viatura de emergência médica, do Hospital de Santo António, tendo posteriormente sido transportado para o Hospital de São João.

LER MAIS

MAIS LIDAS