RÁDIO REGIONAL
INTERNACIONAL

HÁ PORTUGUESES A PASSAR FOME NA VENEZUELA

nbsp| RÁDIO REGIONAL

Médico lusodescendente afirma que a comunidade portuguesa não conseguiu escapar às consequências da crise política, social e económica da Venezuela.

O médico lusodescendente Adérito Sousa considera que a comunidade portuguesa não escapou às consequências da crise política, social e económica que atinge toda a população venezuelana, e fala em pobreza e mesmo em fome entre os portugueses.

“A situação está a ser muito crítica para todos os cidadãos que vivem no país e também para a grande comunidade portuguesa radicada que não escapou aos embates da crise. Refiro-me à hiperinflação que afeta os salários de todos os cidadãos, para além da insegurança e da conflitualidade social no país”, afirma o médico otorrinolaringologista de 61 anos, que já foi distinguido com a Ordem do Mérito.

O médico adianta que esta crise, que afeta de forma dramática todas as pessoas que desenvolvem atividades económicas, atingiu a comunidade portuguesa de “forma muito dramática” com “situações de pobreza e até de fome“.

Adérito de Sousa, que é médico cirurgião, com pós-graduações na Venezuela e nos Estados Unidos, refere que “há muitos casos de portugueses que estavam até a viver em condições de rua, porque tinham perdido os seus negócios, seja por delinquência ou por situação de alta conflitualidade ou foram saqueados e alvo de roubo”.

Como médico da Associação de Médicos Luso-Venezuelanos, Adérito de Sousa acompanha de perto as dificuldades da comunidade portuguesa. “Aí o sofrimento é a dobrar, porque já temos a situação de carência económica, se ainda sofrem de uma doença, e têm necessidade de tratamentos onerosos e de alto custo, pior ainda”, sublinha.

O médico também está preocupado com os últimos desenvolvimentos políticos no país, lembrando que quem fala de golpe está enganado, porque “a oposição não tem poder de ataque e de defesa”.

“As armas estão nas mãos do Governo e o Governo tem muitas dissidências que estão escondidas e que começam a fazer o seu aparecimento”, considera.

“O que aconteceu no dia 30 de abril foi um levantamento de um grupo de militares que se dirigiu a uma base aérea e trataram de fazer uma manifestação pública para chamar a consciência dos seus colegas das Forças Armadas para se unirem e fazerem frente a este desconforto que há no país”, diz.

A presença de Juan Guaidó, o Presidente interino, nesse ato não lhe confere qualquer autoria, defende o médico. Ora, “é sabido que o autoproclamado Presidente Guaidó não tem influência sobre as Forças Armadas, ele só quis solidarizar-se com uma ação de um pequeno grupo de militares que quiseram manifestar o seu desacordo com o Governo de Nicolas Maduro”.

A mobilização diária de populares em protestos públicos contra o regime é também um sintoma “de um nível de rutura que há nos círculos mais íntimos do oficialismo liderado por Maduro”.

Sobre Nicolás Maduro, o médico considera que “está a ficar mais isolado e com desconfiança muito grande”. “Ele não deve estar a dormir tranquilamente, deve estar com a preocupação de que tem os seus dias contados”, acrescenta.

nbsp| RÁDIO REGIONAL

LUSA

VEJA AINDA:

PETRÓLEO: CONSUMO E PROCURA ULTRAPASSARÁ NÍVEIS DE PRÉ-PANDEMIA EM 2022

Lusa

POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA PROVOCA 1,1 MILHÕES DE MORTES EM ÁFRICA EM 2019, SEGUNDO UM ESTUDO

Lusa

EUA: HOMEM EXECUTADO POR CRIME QUE COMETEU HÁ QUASE TRÊS DÉCADAS

Lusa

COVID-19: VÍRUS NÃO ESTÁ CONTROLADO NEM PANDEMIA VENCIDA, ALERTA OMS

Lusa

PAPA MANIFESTA ‘PROFUNDA TRISTEZA’ PELOS ABUSOS SEXUAIS DE MENORES PELA IGREJA CATÓLICA FRANCESA

Lusa

MAIS DE CINCO MIL MILHÕES DE PESSOAS PODEM TER DIFICULDADES NO ACESSO A ÁGUA EM 2050

Lusa