INTERNACIONAL

INGLATERRA ‘ESCLARECE’ PORQUE EXCLUIU PORTUGAL DAS VIAGENS INTERNACIONAIS

A embaixada britânica em Lisboa disse hoje que o seu Governo “analisou com muito cuidado” a situação, antes de tomar a decisão de excluir Portugal dos “corredores de viagem internacional” que vai abrir para 59 países.

“O Governo britânico compreende que essas decisões são importantes para Portugal, para o setor das viagens e do turismo em Portugal”, disse hoje a embaixada britânica em Londres, num comunicado em que procura explicar a decisão de exclusão de Portugal da lista de 59 países e territórios de destinos turísticos que o Reino Unido vai abrir para permitir aos britânicos passarem férias sem cumprir quarentena no regresso, devido à pandemia de covid-19.

“Devido à incidência relativamente elevada de casos de covid-19, principalmente na região da grande Lisboa, o governo britânico decidiu continuar a desaconselhar todas as viagens que não sejam essenciais para Portugal continental”, justificou a embaixada.

Contudo, “em reconhecimento das taxas de infeção muito mais baixas nas regiões autónomas da Madeira e dos Açores, bem como o facto dessas ilhas serem acessíveis através de voos diretos do Reino Unido e terem controlos efetivos de entrada relacionados com a covid-19”, o Governo britânico deixou de desaconselhar viagens para estas regiões, já a partir de sábado, explica a embaixada.

Ainda assim, a representação do Reino Unido em Lisboa lembra ainda que “no que diz respeito à quarentena obrigatória de catorze dias para as pessoas que chegam ao Reino Unido, essa medida permanecerá por enquanto em vigor para todas as pessoas que chegarem ao Reino Unido vindas de Portugal (no seu todo)”.

O sistema vai entrar em vigor na próxima sexta-feira 10 de julho e permite evitar que quem chegue destes países tenha de ficar 14 dias em isolamento, como acontece atualmente com todas as pessoas que chegam a Inglaterra do estrangeiro, ou arriscam uma multa de mil libras (1.100 euros).

A embaixada britânica conclui o comunicado dizendo que espera que a taxa de infeção em Portugal “diminua rapidamente”, para que seja possível levantar as restrições de viagens ainda existentes.

O anúncio sobre os “corredores de viagem internacional” feito hoje em Londres aplica-se apenas a Inglaterra porque a Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte têm autonomia sobre matéria de saúde e cabe aos respetivos governos determinar as medidas que pretendem introduzir.

A diplomacia portuguesa já reagiu, considerando a decisão do Reino Unido de excluir Portugal dos “corredores de viagem internacionais” como um “absurdo”, “errada” e que causa “muito desapontamento”, trazendo ainda graves consequências económicas e de confiança recíproca.

O Reino Unido é o principal mercado emissor de turistas para Portugal, tendo representado 19,2% das dormidas de estrangeiros em 2019 e vindo a registar sucessivos crescimentos desde 2013, apenas interrompidos em 2018, de acordo com dados do INE.

Os destinos preferenciais dos hóspedes britânicos foram o Algarve (63,4% das dormidas do mercado), a Madeira (18,5%) e a Área Metropolitana de Lisboa (10,8%).

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 521 mil mortos e infetou mais de 10,88 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.


VEJA AINDA:

PORTUGAL CONSIDERA ‘ABSURDA’ A DECISÃO DA INGLATERRA – SANTOS SILVA


 

VEJA AINDA:

COVID-19: PORTUGAL TEM ‘DÚVIDAS’ QUANTO À ANUNCIADA VACINA RUSSA

Lusa

LOTAÇÃO DA FESTA DO ‘AVANTE’ TERÁ QUE SER INFERIOR À CAPACIDADE TOTAL – MINISTRA

Lusa

CRISE: PORTUGAL COM MAIOR RECUO HOMÓLOGO DA UE NA PRODUÇÃO INDUSTRIAL

Lusa

COVID-19: NOVA ZELÂNDIA ORDENA CONFINAMENTO DE LARES DE IDOSOS

Lusa

MURÇA: LANÇADA CAMPANHA DE PREVENÇÃO ‘O COVID-19 NÃO VINDIMA’

Lusa

CIGARRO ELETRÓNICO AUMENTA O RISCO DE CONTRAIR O COVID-19

Lusa