Connect with us

LOUCURAS

JORNALISTA MORREU APÓS 159 HORAS DE TRABALHO EXTRA

Uma funcionária da emissora pública do Japão, NHK, morreu de ataque cardíaco depois de fazer 159 horas extraordinárias de trabalho. É a mais recente das muitas vítimas de karoshi.

Data:

em

NHK/ZAP

Uma funcionária da emissora pública do Japão, NHK, morreu de ataque cardíaco depois de fazer 159 horas extraordinárias de trabalho. É a mais recente das muitas vítimas de karoshi.

A morte de Miwa Sado, jornalista da emissora pública japonesa, ocorreu há 4 anos, mas só agora foi tornada pública. Sado, de 31 anos, morreu de falência cardíaca em Julho de 2013. O caso foi agora tornado público pela própria emissora, a pedido da família da jornalista, que procura evitar que casos semelhantes se repitam.

“Ainda hoje, quatro anos mais tarde, não conseguimos aceitar como real a morte da nossa filha. Esperamos que a dor de uma família desolada não seja desperdiçado“, declararam os pais de Sado em comunicado emitido pela NHK.

A jornalista, de acordo com a NHK, morreu três dias depois de ter estado a cobrir as eleições para a Assembleia Metropolitana de Tóquio e para a Câmara Alta do parlamento japonês, que se realizaram em Junho e Julho de 2013. No espaço de um mês, Sado teve apenas dois dias de folga, e fez 159 horas extraordinárias.

MIWA SADO, JORNALISTA DO CANAL DE TELEVISÃO JAPONÊS NHK, MORREU POR EXCESSO DE TRABALHO SEM DESCANSO.

AS MAIS LIDAS