Ligue-se a nós

DESPORTO

LIGA DOS CAMPEÕES: SÉRGIO CONCEIÇÃO QUER “SURPREENDER” O ARSENAL EM LONDRES

O treinador do FC Porto, Sérgio Conceição, desvalorizou hoje o facto de jogar a segunda mão na casa do Arsenal, em Londres, nos oitavos de final da Liga dos Campeões, prometendo lutar pela vitória com golos.

Online há

em

O treinador do FC Porto, Sérgio Conceição, desvalorizou hoje o facto de jogar a segunda mão na casa do Arsenal, em Londres, nos oitavos de final da Liga dos Campeões, prometendo lutar pela vitória com golos.

“Acho que o ambiente faz parte daquilo que é o futebol. Nestes ambientes há muita paixão e muita vontade de apoiar a sua equipa, neste caso aqui o Arsenal em sua casa. Mas nós temos os nossos adeptos, em menor número, é claro, mas com mais paixão ainda e com mais vontade de nos apoiar”, afirmou, na conferência de antevisão jogo de terça-feira.

O técnico dos ‘dragões’ assumiu que “é uma tarefa, à imagem do jogo da primeira mão, muitíssimo difícil”, perante uma equipa com maior valor de mercado e que joga num campeonato mais competitivo.

O Arsenal, descreveu, tem uma “agressividade muito interessante, uma pressão constante”, que é forte nos esquemas táticos, “bem treinada e com excelentes individualidades”.

“Nós olhamos para isso como alguém com respeito, não com qualquer tipo de receio, com qualquer tipo de medo. Nós viemos aqui para disputar o jogo e para ganhar o jogo”, vincou Sérgio Conceição.

Os ‘azuis e brancos’, avisou, têm de estar preparados para dar uma “resposta positiva a nível defensivo” e, ao mesmo tempo, serem “acutilantes e olhar sempre a baliza do adversário” para aproveitar oportunidades de marcar golos e vencer o jogo e a eliminatória.

A ambição foi partilhada pelo avançado e filho do treinador, Francisco Conceição, que confirmou a felicidade por estar num bom momento de forma desde que foi emprestado pelo Ajax.

“Ainda mais feliz estou por disputar os oitavos de final da Liga dos Campeões e esperamos ganhar amanhã [terça-feira] o jogo para que esse momento felicidade continue”, disse.

Na terça-feira, acrescentou, espera ver em campo “um grande Porto, à imagem daquilo que foi na primeira mão”.

“Estamos preparados, delineámos bem a estratégia pessoal e acho que se tivermos a atitude certa e se fizermos aquilo que foi trabalhado durante a semana, podemos passar a eliminatória”, garantiu Francisco Conceição.

Questionado pelos jornalistas, o avançado não mostrou dúvidas de que o treinador, a quem chamou “mister Sérgio Conceição”, que também é o seu pai, já “é um dos maiores treinadores do mundo” e prometeu que o tempo vai dar-lhe razão.

O encontro entre Arsenal e FC Porto, da segunda mão dos oitavos de final da edição 2023/24 da Liga dos Campeões em futebol, realiza-se na terça-feira, no Emirates Stadium, em Londres, a partir das 20:00.

Os portistas apresenta-se reforçado com o avançado iraniano Mehdi Taremi, após três semanas de ausência devido a uma lesão, o defesa central Zé Pedro e o médio André Franco, mas continuam de fora Zaidu, Marcano e Gonçalo Ribeiro.

O FC Porto desloca-se a Londres em vantagem, depois de ter vencido no Dragão por 1-0, graças a um golo do brasileiro Galeno, já nos descontos, aos 90+4 minutos, num embate disputado em 21 de fevereiro.

Os ‘azuis e brancos’ só precisam de empatar, mas qualquer triunfo pela margem mínima do Arsenal atira o jogo para prolongamento, uma vez que os golos fora deixaram de ser fator de desempate em caso de igualdade.

A partida será arbitrada por uma equipa chefiada pelo francês Clément Turpin.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

DESPORTO

EURO 2024: ESPANHA VENCE INGLATERRA (2-1) E CONQUISTA O “TETRA”

A Espanha tornou-se hoje a primeira seleção a chegar aos quatro títulos de campeã da Europa de futebol, ao bater a Inglaterra, que continua em ‘branco’, por 2-1, na final da 17.ª edição, no Estádio Olímpico de Berlim.

Online há

em

A Espanha tornou-se hoje a primeira seleção a chegar aos quatro títulos de campeã da Europa de futebol, ao bater a Inglaterra, que continua em ‘branco’, por 2-1, na final da 17.ª edição, no Estádio Olímpico de Berlim.

Nico Williams, aos 47 minutos, e Mikel Oyarzabal aos 86, marcaram os golos da ‘Roja’, que repetiu os cetros de 1964, 2008 e 2012, enquanto Cole Palmer apontou, aos 73, o tento dos ingleses.

A formação espanhola, que também conta no seu palmarés o Mundial de 2010, isolou-se na liderança do ranking, deixando para trás a tricampeã Alemanha (1972, 1980 e 1996), enquanto a Inglaterra perdeu a segunda final consecutiva, três anos depois.

LER MAIS

DESPORTO

EURO 2024: ESPANHA E INGLATERRA NA GRANDE FINAL DE DOMINGO

A Espanha vai tentar provar, uma última vez, que é a melhor equipa do Euro20024 de futebol, frente a um conjunto de craques apostados em evitar que a Inglaterra perca uma segunda final consecutiva, no domingo, em Berlim.

Online há

em

A Espanha vai tentar provar, uma última vez, que é a melhor equipa do Euro20024 de futebol, frente a um conjunto de craques apostados em evitar que a Inglaterra perca uma segunda final consecutiva, no domingo, em Berlim.

Vencedora já de um recorde de seis jogos, a “Roja” chega à capital alemã como a equipa que transporta o futebol bonito, a estética, e tem provado, jogo a jogo, que é possível ganhar pela positiva, sendo considerada favorita a inédito quarto título, apesar de do outro lado estarem Bellingham, Kane, Foden ou Saka.

Precisamente na casa da outra tricampeã continental, a Espanha pode fazer história e tornar-se a primeira a chegar ao “tetra”, repetindo 1964, 2008 e 2012, sendo Jesús Navas, agora como então suplente, o único sobrevivente de há 12 anos.

Se triunfar, ganhará a equipa que, desde o dia 1, encantou, pela qualidade do seu futebol, manifestada em todos os jogos, mesmo quando Luis de la Fuente mudou toda a equipa no fecho da fase de grupos (1-0 à Albânia, após 3-0 à Croácia e 1-0 à Itália).

A Espanha não teve, porém, vida fácil, sobretudo a eliminar, sendo que esteve a perder com a Geórgia (4-1), nos “oitavos”, só se desembaraçou da Alemanha (2-1) aos 119 minutos, nos “quartos”, e, nas “meias”, voltou a estar em desvantagem, com a França (2-1).

Mas, nos seis jogos, os espanhóis nunca perderam a compostura, nunca duvidaram, nunca abdicaram de uma certa maneira de jogar que apaixonou, culpa também dos “miúdos” Lamine Yamal, que cumpre no sábado 17 anos, e Nico Williams, de 21.

Depois, há também Rodri, Fabián Ruiz, Dani Olmo, que, na peugada de Busquets, Xavi e Iniesta, não deixam a Espanha jogar mal, numa equipa que, na máxima força, também poderia ter na final Rodri e Gavi, ambos lesionados, o primeiro nos ‘quartos’.

Atrás, o guarda-redes Unai Simón, mesmo não escapando a alguns lapsos, também dá garantias, enquanto Carvajal, Le Normand, Nacho, Laporte e Cucurella conferem experiência.

O capitão é Álvaro Morata, um ponta de lança que é sempre um perigo e ainda há Merino, o do grande golo à Alemanha, Oyarzabal, Grimaldo ou Ferran Torres, todos sempre prontos a conferir qualidade ao jogo espanhol.

Ainda falta, porém, uma última batalha, frente a uma Inglaterra que terá sido uma das equipas mais criticadas durante a competição, face a um futebol que adormeceu mais do que encantou em muitos momentos.

Ingleses de duas faces

Os ingleses começaram com um triunfo (1-0 à Sérvia) e prosseguiram com duas igualdades (1-1 com a Dinamarca e 0-0 com a Eslovénia), que fizeram “disparar os alarmes”.

A formação dos “três leões” entrou para o “mata mata” repleta de pontos de interrogação e confirmou-os nos “oitavos”, em que, perante a Eslováquia, esteve em desvantagem desde os 25 minutos e até quase ao final dos descontos.

Quando o adeus parecia certo, uma “bicicleta” de Jude Bellingham, aos 90+5 minutos, num dos momentos mais belos do Euro2024, a par do golo de Yamal à França, salvou o conjunto de Gareth Southgate, depois apurado com um tento de Harry Kane (91).

Também num jogo em que esteve a perder, a Inglaterra precisou dos penáltis para afastar a Suíça (5-3, após 1-1), na redenção de Saka, nos “quartos”, e, nas “meias”, bateu os Países Baixos (2-1) com nova reviravolta, concretizada nos descontos, pelo suplente Ollie Watkins.

Foi complicado, sofrido, o futebol chegou a ser “sonolento”, mas a Inglaterra está de novo a um triunfo do segundo grande título, para juntar ao Mundial de 1966, arrebatado em casa.

Três anos depois, Pickford, Walker, Stones, Trippier, Shaw, Rice, Saka, e Kane podem repetir a presença na final, sendo que, para o capitão Kane, é mais uma oportunidade para, aos 30 anos, conquistar, finalmente, o primeiro título coletivo da carreira.

Espanha e Inglaterra disputam no domingo, pelas 20h00 em Lisboa, a final Euro2024, em Berlim, com arbitragem do francês François Letexier, de 35 anos, o mais jovem árbitro a ajuizar o jogo decisivo da prova.

LER MAIS

MAIS LIDAS