RÁDIO REGIONAL
INTERNACIONAL

MARCELO DEFENDE VACINAS COMO BEM PÚBLICO E CONDENA ISOLACIONISMO, POPULISMO E XENOFOBIA

nbsp| RÁDIO REGIONAL

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, defendeu hoje as vacinas como bem público global, num discurso nas Nações Unidas em que condenou o isolacionismo, o populismo e a xenofobia, apelando ao compromisso.

Na 76.ª sessão da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova Iorque, o chefe de Estado sustentou que “a pandemia, a crise económica e social dela emergente, a recente evolução no Afeganistão” demonstram que “a governação de um mundo multipolar exige compromisso e concertação entre as nações”.

“Sempre que hesitamos quanto ao multilateralismo, sempre que pomos em dúvida o direito internacional e as organizações internacionais, falhamos. Bem o vimos na resposta à pandemia, na reação a crises emergentes, na promoção da paz e segurança”, reforçou Marcelo Rebelo de Sousa, considerando que isto são evidências.

No que respeita às posições portuguesas, o Presidente da República afirmou que “Portugal esteve sempre, estará sempre do lado dos consensos que resolvam as crises”, empenhado “na garantia das vacinas como bem público global”, comprometido com o “alívio da dívida externa dos países mais vulneráveis” e com “o reconhecimento do direito ao ambiente saudável”.

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, é preciso construir “um multilateralismo efetivo”, contra “o isolacionismo, o protecionismo, o unilateralismo, a intolerância, o populismo e a xenofobia”, que “inevitavelmente conduzem a becos sem saída”.

“Vinte anos depois do 11 de Setembro, seis anos depois do Acordo de Paris, um ano e meio depois do começo da pandemia. Precisamos mais do que nunca de um multilateralismo efetivo. Não nos discursos, nas ações, não há mesmo mais tempo a perder”, apelou.

Como tinha antecipado à chegada aos Estados Unidos da América, no sábado, Marcelo Rebelo de Sousa declarou também o apoio de Portugal à reforma da Organização Mundial da Saúde (OMS) e ao tratado internacional sobre pandemias, assim como à Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável e ao Pacto Global das Migrações das Nações Unidas.

O chefe de Estado realçou que “Portugal está, tal como a União Europeia, do lado do multilateralismo, das Nações Unidas, da ordem internacional baseada em regras, dos direitos humanos”.

VEJA AINDA:

MARCELO: ‘NÃO HÁ RAÇAS, ETNIAS, RELIGIÕES, CULTURAS QUE SEJAM UMAS MAIS DO QUE OUTRAS’

Lusa

MARCELO PROMULGA LEI QUE ALARGA PRAZO DE GARANTIA DOS BENS MÓVEIS PARA TRÊS ANOS

Lusa

MARCELO PROMULGA DECRETO-LEI QUE CRIA O SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA DE FOGOS RURAIS

Lusa

AUTÁRQUICAS: SERIA DIFÍCIL DE ENTENDER ‘SE AS PESSOAS NÃO VOTASSEM NESTA ELEIÇÕES’ – MARCELO

Lusa

ONU REVELA QUE 811 MILHÕES DE PESSOAS EM TODO O MUNDO ENFRENTARAM FOME EM 2020

Lusa

CONSELHO DE ESTADO PEDE RESPEITO POR DIREITOS HUMANOS E GESTÃO SOLIDÁRIA DE MIGRAÇÕES

Lusa