O QUE FARIA SE NÃO TIVESSE EMPREGO ?

E se não tivesse emprego ? Isso preocupa-o(a) ? A Prof. Doutora Marta Pimenta de Brito responde-lhe.

A vida tem risco, mas muitas vezes as pessoas tendem a um perfeccionismo de um emparelhamento automático e sequencial: estudar-emprego, casar-filhos, reforma-netos.

Este perfeccionismo de um emparelhamento automático e sequencial é uma reacção que denota um desejo de manter o controlo.

Contudo, a vida tem risco, como se fosse um salto no desconhecido. No entanto, nós temos a liberdade de poder ter confiança, vendo o exemplo nas outras pessoas.

Seremos nós os primeiros a não seguir o tal emparelhamento automático e sequencial?

Certamente não. A história reporta inúmeros exemplos de que não somos. Seja a história universal ou a particular da nossa família.

Para viver bem, é realmente importante questionarmos-nos “O que faria se não tivesse emprego?”.

Estar despreocupado interiormente permite-nos viver melhor, não ter medo e experimentar.


Um artigo da autoria de:

Prof. Doutora Marta Pimenta de Brito

Membro Efectivo da Ordem dos Psicólogos Portugueses. Cédula Profissional P 9839.
Licenciada pela Universidade do Porto em Psicologia – Consulta de Jovens e Adultos; Doutorada pela Universidade de Zurique (Suíça) em Acesso à Saúde Mental; Pós-Doutorada pela Universidade de Harvard (EUA) em Retenção de Pacientes; Formação Executiva em Comunicação, Média e Advocacy em Harvard (EUA) e Bruxelas (Bélgica); Elegida por Bruxelas (Bélgica) como uma das “best spokesperson Europe”.

Consultório Lisboa: Av. António Augusto Aguiar, 100, 3º dto (em frente ao El Corte Inglés). Telefone: 21 795 91 69 ou 91 795 96 29 ou 96 0248302.

Conheça melhor a autora: AQUI

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.