Connect with us

ARTE & CULTURA

“OS MAIAS” PODERÁ DEIXAR DE SER DE LEITURA OBRIGATÓRIA NAS ESCOLAS

“Os Maias” vão deixar de ser leitura obrigatória no ensino secundário. Mas para além do romance de Eça de Queirós há ainda alterações na poesia e na narrativa.

Data:

em

O plano de leitura obrigatória deverá sofrer alterações no próximo ano letivo e o romance “Os Maias” passará a ser opcional. Em causa está a proposta das chamadas aprendizagens essenciais para a disciplina de Português do ensino secundário avançada pelo jornal Público.

No documento que está em consulta pública até ao próximo dia 27 de julho é possível perceber que Eça de Queirós continuará a ser lido no 11.º ano, mas os professores e alunos poderão escolher “um romance” do escritor português, podendo não ser “Os Maias” ou “A Ilustre Casa de Ramires”.

Para além destas duas obras, na mesma proposta refere-se ainda que deve ser escolhida “uma obra narrativa” entre Almeida Garrett, Alexandre Herculano ou Camilo Castelo Branco. E no caso da poesia devem ser estudados “três poemas” de Antero de Quental ou Cesário Verde.

Estas mudanças vêm substituir as metas curriculares que haviam sido aprovadas por Nuno Crato no Governo PSD/CDS, tendo em conta que já foi colocada em prática em 230 escolas integradas projecto-piloto da flexibilidade curricular.

SECRETÁRIO DE ESTADO ESCLARECE:

O secretário de Estado da Educação lembra que a obra de Eça de Queirós “Os Maias” já não eram de leitura obrigatória, “na medida em que as escolas podiam optar entre ‘os Maias’ e a ‘Ilustre Casa de Ramires’”. “O que é dito nas aprendizagens é que o Eça de Queirós se mantém como autor de leitura obrigatória, mas não vinculado necessariamente a uma obra”, acrescenta.

AS MAIS LIDAS