Ligue-se a nós

REGIÕES

PORTO: RUI MOREIRA QUEIXA-SE DOS ATRASOS NAS OBRAS DO METRO

O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, enviou pela terceira vez em pouco mais de um ano uma carta à Metro do Porto com queixas sobre obras na cidade, considerando que é “impossível confiar” nos planos da transportadora.

Online há

em

O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, enviou pela terceira vez em pouco mais de um ano uma carta à Metro do Porto com queixas sobre obras na cidade, considerando que é “impossível confiar” nos planos da transportadora.

“Será impossível confiar num plano de obra apresentado pela Metro do Porto, cuja imprevisbilidade é uma constante”, pode ler-se na carta que o autarca independente enviou, no dia 04 de janeiro, ao presidente da Metro do Porto, Tiago Braga, a que a Lusa teve hoje acesso.

Para Rui Moreira, “nada do que foi planeado e apresentado (…) está a ser cumprido” pela Metro do Porto, surgindo ainda “alterações ao que estava anteriormente projetado que vão agravando, ainda mais, as condições de mobilidade e os constrangimentos ao normal funcionamento da cidade”.

Na missiva, Rui Moreira refere-se concretamente às obras da futura linha Rosa (São Bento – Casa da Música) e às do ‘metrobus’ (Casa da Música – Praça do Império).

Desta vez, o presidente da autarquia foca-se particularmente na Avenida do Marechal Gomes da Costa em que, segundo o autarca, “inicialmente, estava prevista uma intervenção leve”, mas “alterou-se o projeto, e (…) tornou-se necessária a construção de uma caixa de pavimento com uma profundidade de um metro em relação ao nível da via pública, o que provocou um atraso de dois meses”.

“É inevitável que se perca toda e qualquer confiança nos cronogramas apresentados, nas soluções construtivas propostas, assim como nas promessas de entrega do espaço público nas datas apresentadas”, considera Rui Moreira.

Para o autarca, “nada segue de acordo com o plano previsto, pelo que o impacto na vida das pessoas e na economia da cidade assume proporções intoleráveis”, pretentendo ainda “sinalização mais eficaz e uma informação mais abrangente e detalhada” sobre os trabalhos em curso.

Na missiva de 04 de janeiro a que a Lusa teve hoje acesso, já depois de ser conhecido que a Metro do Porto não vai fechar o túnel do Campo Alegre durante as obras da Linha Rubi (Casa da Música – Santo Ovídio), suprimindo um acesso pedonal à futura estação na zona, Rui Moreira apresentou um novo calendário de atrasos.

Segundo os serviços da autarquia portuense, na linha Rosa a galeria do Rio da Vila tem um atraso de 621 dias, a estação da Praça da Galiza tem 244 dias de atraso, a do Hospital Santo António 92 dias, na Casa da Música há um atraso de 434 dias, o poço de emergência do Largo Ferreira Lapa conta com 190 dias e o de Miguel Bombarda 488 dias.

Quanto ao ‘metrobus’, Rui Moreira sinalizou a Tiago Braga 162 dias de atraso entre as ruas Dominguez Alvarez e Bessa Leite, 207 dias entre as ruas Agramonte e João de Deus, 140 dias entre Pedro Hispano e Azevedo Coutinho, 177 dias entre São João de Brito e Pinheiro Manso, e 66 dias entre a interceção das avenidas da Boavista e Marechal Gomes da Costa e a rua João de Barros.

Esta é a terceira vez em pouco mais de um ano que Rui Moreira utiliza a carta como meio de se queixar sobre as obras da Metro do Porto.

Em novembro do ano passado, a Câmara do Porto já tinha acusado a Metro do Porto de resvalar para 2025 as obras da linha Rosa, inicialmente previstas para o final deste ano.

Já num ofício enviado em novembro de 2022 ao presidente do Conselho de Administração da Metro do Porto, Rui Moreira já tinha manifestado a sua preocupação com “o impacto profundamente negativo gerado pela empreitada da nova linha do metro” que, defendeu à época, apresentava “excessivos atrasos” em “praticamente todas as frentes”.

A Lusa contactou a Metro do Porto com vista à obtenção de uma reação, e aguarda resposta.

REGIÕES

LISBOA-SEIXAL: POLÍCIA DESMANTELA “ESQUEMA” DE TRÁFICO DE DROGA

A PSP anunciou hoje o desmantelamento de uma célula de tráfico de droga que abastecia os concelhos de Lisboa e do Seixal, no distrito de Setúbal, tendo sido detidas duas pessoas e apreendidas várias armas.

Online há

em

A PSP anunciou hoje o desmantelamento de uma célula de tráfico de droga que abastecia os concelhos de Lisboa e do Seixal, no distrito de Setúbal, tendo sido detidas duas pessoas e apreendidas várias armas.

Em comunicado, o Comando Metropolitano de Lisboa da PSP (Cometlis) refere que efetuou na quinta-feira buscas domiciliárias nas freguesias do Lumiar (Lisboa) e de Fernão Ferro (Seixal), tendo detido dois homens, de 37 e 51 anos, suspeitos de tráfico de droga.

Na sequência desta operação, as autoridades apreenderam 8.931 doses de cocaína, 82.204 de haxixe, assim como 366.280 euros, três armas de fogo, 37 munições, três automóveis e dois motociclos de alta cilindrada, entre outros objetos.

Os detidos foram presentes ao Tribunal Judicial de Lisboa para primeiro interrogatório, aguardando medida de coação.

“A PSP tem vindo, de forma incisiva, a combater o tráfico na capital e a quem a ele se dedica, estratégia que se materializa na prossecução de dezenas de operações de investigação criminal nesta área”, sublinha a nota do Cometlis.

LER MAIS

REGIÕES

PORTO: DUAS FAMÍLIAS DESPEJADAS DE CASAS MUNICIPAIS DEVIDO AO TRÁFICO DE DROGA

A Câmara do Porto despejou, na quinta-feira, duas famílias de casas municipais nos bairros de Pinheiro Torres e de Lordelo, que utilizavam a habitação para o tráfico de droga, foi revelado esta sexta-feira.

Online há

em

A Câmara do Porto despejou, na quinta-feira, duas famílias de casas municipais nos bairros de Pinheiro Torres e de Lordelo, que utilizavam a habitação para o tráfico de droga, foi revelado esta sexta-feira.

Fonte da autarquia esclareceu esta sexta-feira à Lusa que as duas famílias foram notificadas a 10 de maio pela empresa municipal responsável pela gestão do parque habitacional, Domus Social, de que teriam de sair das habitações.

A “ordem de despejo” foi acionada depois de um dos elementos das respetivas famílias ter sido condenado em tribunal.

“Num dos casos ficou ainda provado que a arguida pertencia a um grupo organizado, cabendo-lhe especificamente a função de armazenar a droga na habitação municipal e de fornecer outros traficantes com estupefacientes ali guardados”, refere.

Segundo o município, a família terá recorrido da ordem de despejo, mas o tribunal deu razão à Câmara do Porto.

“O município do Porto não permitirá a utilização das casas de habitação social para tráfico de droga e/ou quaisquer outros fins ilícitos”, salienta.

No final de março, a Câmara do Porto despejou outras quatro famílias, três no Agrupamento da Pasteleira e uma no bairro Dr. Pinheiro Torres, que também eram usadas para tráfico de droga.

“A resolução deste tipo de situações, para além de proteger e zelar pelo património municipal, visa, acima de tudo, garantir a segurança e qualidade de vida dos restantes moradores do parque de habitação pública e dos munícipes em geral”, acrescenta.

LER MAIS
Subscrever Canal WhatsApp
RÁDIO ONLINE
ASSOCIAÇÃO SALVADOR, HÁ 20 ANOS A TIRAR SONHOS DO PAPEL

LINHA CANCRO
DESPORTO DIRETO
A RÁDIO QUE MARCA GOLOS
FAMALICÃO X BENFICA


RÁDIO REGIONAL NACIONAL: SD | HD



RÁDIO REGIONAL VILA REAL


RÁDIO REGIONAL CHAVES


RÁDIO REGIONAL BRAGANÇA


RÁDIO REGIONAL MIRANDELA


MUSICBOX

WEBRADIO 100% PORTUGAL


WEBRADIO 100% POPULAR


WEBRADIO 100% LOVE SONGS


WEBRADIO 100% BRASIL


WEBRADIO 100% OLDIES


WEBRADIO 100% ROCK


WEBRADIO 100% DANCE


WEBRADIO 100% INSPIRATION

KEYWORDS

FABIO NEURAL @ ENCODING


NARCÓTICOS ANÓNIMOS
PAGAMENTO PONTUAL


MAIS LIDAS