REVELADOS OS “SANTOS” PERDÕES FISCAIS EM NOME DA “FÉ”

Mais de 34 milhões de euros em impostos foram “perdoados” às igrejas e confissões religiosas. A Igreja Católica é a líder destacada, mas em segundo lugar aparece a IURD (suspeita de tráfico e adopções ilegais de menores em Portugal).

O Ministério das Finanças perdoou, em 2016, mais de 34 milhões de euros às igrejas e confissões religiosas. A Católica é a líder (muito) destacada, mas em segundo lugar aparece a IURD. Envolvida no escândalo do alegado rapto de crianças, a Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) foi a segunda congregação que mais poupou em impostos, somando isenções e benefícios fiscais.

Muito, muito longe dos 32,6 milhões da Igreja Católica, a IURD beneficiou, no ano de 2016, de um perdão fiscal no valor de 288 mil euros. De acordo com estes números, citados pelo Bloco de Esquerda a partir de uma notícia do Correio da Manhã, seguem-se as igrejas Judaica (262,4 mil euros), de Jeová (208,9), Baptista (121,6), Evangelista (69,4), Pentecostal (46,8) e Islâmica (46,2 mil euros).

As restantes congregações beneficiaram, no conjunto, de um perdão fiscal de 465,5 mil euros. A maioria destes valores é referente a benefícios fiscais ao nível do imposto municipal sobre imóveis (IMI).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.