RÁDIO REGIONAL | PORTUGAL
CIÊNCIA & TECNOLOGIA

RUÍDO DOS BARCOS AFETA ‘ACASALAMENTO’ DOS PEIXES – ESTUDO

O ruído de embarcações no Tejo pode estar a reduzir drasticamente a capacidade de os xarrocos (“Halobatrachus didactylus”), espécie também conhecida como “peixe-sapo lusitano”, comunicarem através de sons e afetar rituais de acasalamento, indica um estudo divulgado esta terça-feira.

O estudo, publicado no “Journal of Experimental Biology”, foi realizado por quatro investigadores da Universidade de Lisboa, que concluem que as “serenatas” dos xarrocos — em que os peixes produzem sons através da vibração da bexiga natatória –, estão a ser “abafadas” pelo tráfego marítimo no rio Tejo.

Na primavera os machos emitem um som, semelhante a um telemóvel a vibrar, para atrair as fêmeas, mas através desse som também verificam se há outros machos nas redondezas, mas segundo o estudo conduzido por Clara Amorim, Daniel Alves, Manuel Vieira e Paulo Fonseca, as capacidades de comunicação dos xarrocos podem estar em causa devido ao ruído dos motores de embarcações.

No estudo, os investigadores notaram que os peixes continuavam a conseguir ouvir-se mesmo com o ruído dos apitos dos barcos ou dos motores dos navios de transporte público, mas que já não era assim tão fácil em relação aos barcos com motor fora de borda.

O estudo concluiu que o tráfego no rio Tejo está a afetar a capacidade dos peixes de se ouvirem uns aos outros, e de acordo com os investigadores o processo de cortejamento que leva à reprodução também está a ser afetado, porque os peixes não se conseguem coordenar entre eles nas respostas às fêmeas.

VEJA AINDA:

CASTELO BRANCO: AGRICULTORES EXIGEM MEDIDAS DE APOIO À CRISE PROVOCADA PELO COVID-19

Lusa

GOVERNO VAI ATRIBUIR ESTE ANO 10 ME PARA INVESTIMENTOS EM BEM-ESTAR DOS ANIMAIS DE COMPANHIA

Lusa

CASTELO BRANCO: LOBO IBÉRICO REGRESSA AO DISTRITO APÓS VÁRIAS DÉCADAS

Lusa

REGIME GERAL DO BEM-ESTAR ANIMAL ATÉ AO FIM DO ANO, DIZ MINISTRO DO AMBIENTE

Lusa

FLORESTA AMAZÓNICA ESTÁ A TORNAR-SE UMA FONTE DE CO2 – ESTUDO

Lusa

APENAS 25 CIDADES PRODUZEM METADE DAS EMISSÕES DE CO2 DAS MAIORES CIDADES DO MUNDO

Lusa