Ligue-se a nós

REGIÕES

SANTA COMBA DÃO NÃO DESISTE DO CENTRO INTERPRETATIVO DO ESTADO NOVO

Meio século após o fim do Estado Novo, em Santa Comba Dão prepara-se a criação de um centro interpretativo deste período da história portuguesa, mas o projeto está envolto em polémica e ensombrado pelo receio de que ‘ressuscite’ o fascismo.

Online há

em

Meio século após o fim do Estado Novo, em Santa Comba Dão prepara-se a criação de um centro interpretativo deste período da história portuguesa, mas o projeto está envolto em polémica e ensombrado pelo receio de que ‘ressuscite’ o fascismo.

António Oliveira Salazar, figura maior do Estado Novo, nasceu no Vimieiro, no concelho de Santa Comba Dão, distrito de Viseu.

Há cerca de 17 anos que os executivos camarários — primeiro liderados pelo social-democrata João Lourenço e depois pelo socialista Leonel Gouveia — falam do projeto, argumentando que seria uma forma de alavancar o desenvolvimento turístico.

“Se este projeto tivesse tido iniciativa em outro local, nomeadamente em Lisboa, provavelmente já estava feito. Mas como é em Santa Comba Dão parece-me que existem constantemente forças a tentar bloqueá-lo”, disse à agência Lusa António José Correia, que foi vice-presidente de João Lourenço e é atualmente vereador da oposição PSD/CDS-PP.

Há também “falta de determinação e de força política para o implementar”, disse aquele vereador, lembrando que Leonel Gouveia tinha anunciado a abertura da primeira fase do Centro Interpretativo do Estado Novo (CIEN) para maio de 2023, o que até hoje não aconteceu.

Leonel Gouveia escusou-se a prestar declarações à Lusa, mas, em março de 2023, tinha dito que queria ter o contributo dos munícipes e dos visitantes para o projeto final do CIEN, que surgirá na Escola Cantina Salazar, um edifício dos anos 40 do século XX, situado no Vimieiro.

“Pretendemos, por um lado, dar a conhecer o edifício da escola, que só por si tem valor histórico e, por outro, colocar a sufrágio dos visitantes e dos munícipes um projeto que foi trabalhado e validado”, explicou, na altura.

Apesar das críticas à autarquia por querer usar um ditador para promover o concelho, durante estes anos o projeto passou por várias fases, tendo mesmo integrado uma rede de centros interpretativos ligados à história e à memória política da primeira República e do Estado Novo, que não teve continuidade.

António José Correia frisou que “este é um projeto estratégico para Santa Comba Dão” e, apesar de ter algumas diferenças relativamente ao que foi pensado nos mandatos de João Lourenço, a oposição apoia Leonel Gouveia.

“Não temos nada a opor, bem pelo contrário. Nós já dissemos variadíssimas vezes que estamos ao lado do senhor presidente para implementar este projeto”, garantiu.

O também presidente da concelhia do PSD lembrou que o Estado Novo foi “um período marcante da história” de Portugal e que um projeto que o retrate “deve ser desenvolvido em Santa Comba Dão”.

Opinião diferente tem a União de Resistentes Antifascistas Portugueses (URAP), que já apresentou duas petições na Assembleia da República contra o projeto: em 2009, com 16 mil assinaturas, e em 2020, com 11 mil assinaturas.

“Na maioria dos países europeus que passaram pelo nazismo e pelo fascismo, pelas ditaduras, a memória histórica – que é o que está em causa, pelo menos para a URAP – não é feita do lado de quem promoveu a ditadura, é feita do lado das vítimas”, disse à Lusa António Vilarigues.

Este membro do conselho diretivo da URAP sublinhou que a memória histórica “não é feita do lado dos algozes, mas de quem sofreu a tortura”, apontando como exemplo os campos de concentração da Alemanha.

António José Correia esclareceu que, quer no passado, quer agora, o que se pretende implementar em Santa Comba Dão é “um centro interpretativo em que cada um analise todo o período do Estado Novo nas suas mais diversas vertentes – política, económica e social – para que, de forma distanciada e livre, possa fazer a sua interpretação”.

“Não é para demonizar, não é para exaltar nada, é para fazer uma leitura de uma forma isenta”, realçou, acrescentando que, para tal, o projeto deverá ter “uma forte sustentabilidade científica”.

“Devia ter sido já criada há muito tempo uma comissão científica que pudesse balizar aquilo que seria o Centro Interpretativo do Estado Novo para, depois disso, haver a decisão política de o implementar, de uma forma bem comunicada, para quebrarmos de vez este estigma que começa a existir sobre a sua construção”, acrescentou.

Para a URAP, a história deve ser explicada através de “museus que reflitam a resistência, as vítimas”, como acontecerá, por exemplo, em projetos de Lisboa, Peniche e Porto.

António Vilarigues frisou que o acervo que tem interesse científico está na Torre do Tombo e que em Santa Comba Dão apenas existe “o restaurador Olex e a cama do Salazar”.

Alberto Andrade, do Conselho Nacional da URAP, considerou que quer os executivos liderados por João Lourenço, quer por Leonel Gouveia, pretendem “pintar de azul um quadro negro” da história de Portugal.

“Com tanto que o concelho tem para desenvolver, é com o museu que ele quer fazer uma atração turística, chamar ‘skinheads’, chamar neonazis?”, perguntou.

A poucos metros do edifício da câmara vive António Cordeiro, que está prestes a completar 89 anos e que gostaria de conseguir ver o centro interpretativo a funcionar, ainda que a história tenha “coisas boas e outras menos boas”.

“A política é um pouco isto, nem todos terão certamente só a dizer coisas boas de Salazar. Foi um ditador, logo aí perde. Os ditadores, não os queremos”, frisou o idoso, acrescentando que, no entanto, pelo movimento que o projeto daria ao concelho, “tem o apoio da maioria das pessoas” da terra.

Fernando Durães, de 76 anos, não arriscou uma percentagem tão elevada, considerando que só cerca de 50% dos munícipes gostariam de ver nascer o CIEN no Vimieiro.

Na sua opinião, “a polémica é só para quem quer entender dessa maneira”.

“Na nossa autarquia já lá estiveram de várias cores, todos respeitaram isto e porque é que não havemos de continuar a respeitar?”, questionou Fernando Durães, depois de beber a sua bica num café situado no Largo Dr. Salazar.

REGIÕES

AVEIRO: UNIVERSIDADE VAI ABRIR MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA

A Universidade de Aveiro (UA) confirmou hoje que o mestrado integrado em Medicina foi aprovado pela Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES).

Online há

em

A Universidade de Aveiro (UA) confirmou hoje que o mestrado integrado em Medicina foi aprovado pela Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES).

Segundo fonte da academia aveirense, a A3ES comunicou esta quinta-feira que a proposta da UA para a abertura de um mestrado integrado em Medicina estava oficialmente aprovada.

A UA volta assim a ter um curso de medicina, depois duma primeira experiência falhada, no ano letivo 2011/2012, em resultado de uma parceria com o Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar da Universidade do Porto.

De acordo com a mesma fonte, o mestrado deverá arrancar já no próximo ano letivo com 40 vagas no primeiro ano, aumentando progressivamente até atingir as 100 vagas por ano.

Além das aulas na UA, os alunos terão orientação tutorial clínica que vai dividir-se por três Unidades Locais de Saúde (ULS), designadamente a ULS Região de Aveiro, a ULS Entre-Douro-e-Vouga e a ULS Gaia/Espinho, no âmbito do Centro Académico Clínico Egas Moniz Health Aliance.

Na semana passada, a UA havia informado que já tinha recebido o relatório preliminar da Comissão de Avaliação Externa (CAE) do Curso de Medicina, tendo-se pronunciado quanto ao mesmo, concordando com o seu teor.

Segundo o relatório da CAE, citado pela UA, “a missão, a visão e os objetivos do mestrado integrado em Medicina estão claramente definidos e assentam num programa moderno estruturado em torno de um currículo em espiral centrado no aluno”.

A CAE considera ainda que o programa “está alinhado com os resultados de aprendizagem pretendidos e é adequado à aquisição de competências exigidas para um médico”, observando que “a lista de tutores (já comprometidos) nos estágios de orientação tutorial clínica é impressionante”.

Quanto à investigação, a CAE considera que “o programa é apoiado pela evidência de múltiplos projetos e atividades de investigação ativa (nacionais e internacionais) em curso nas áreas das ciências médicas e clínicas na UA e no Centro Académico Clínico”.

Finalmente, a CAE considera também que “as infraestruturas físicas e os equipamentos disponíveis na UA são adequados para suportar as unidades curriculares”.

LER MAIS

REGIÕES

PORTO: RUI MOREIRA ADMITE “FORTE SENTIMENTO DE INSEGURANÇA” NA REGIÃO

O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, admitiu esta quinta-feira existir “um fortíssimo” sentimento de insegurança na população relacionado com a toxicodependência, reafirmando a necessidade de o efetivo policial ser reforçado.

Online há

em

O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, admitiu esta quinta-feira existir “um fortíssimo” sentimento de insegurança na população relacionado com a toxicodependência, reafirmando a necessidade de o efetivo policial ser reforçado.

“Em termos de proteção e segurança, não podemos fazer coisa nenhuma a não ser ajudar a polícia em tudo o que nos é solicitado e têmo-lo feito”, afirmou o autarca, à margem de uma visita à obra de reconversão do antigo Matadouro de Campanhã.

O Jornal de Notícias avança esta quinta-feira que o tráfico e consumo de droga voltaram “em força” à zona da Sé, no centro histórico da cidade, estando atualmente montada uma “sala de chuto” num dos pátios do antigo mercado de S. Sebastião.

Questionado sobre o assunto, Rui Moreira admitiu estar preocupado e disse também ter recebido, na quarta-feira à tarde, a associação de moradores do Pinheiro Manso, na zona de Ramalde, que estão igualmente preocupados com a segurança naquela zona.

“Se fosse apenas na cidade do Porto, a situação era relativamente fácil de resolver, o problema da insegurança não é apenas da cidade do Porto, é um problema europeu e nacional. Lisboa está com os mesmos problemas. Estamos neste momento com um fortíssimo problema que é o sentimento das pessoas de insegurança”, afirmou.

Dizendo entender que a população gostaria que “pudesse tomar outras iniciativas”, Rui Moreira disse que o município apenas pode colaborar com a PSP e alertar para a necessidade da visibilidade da polícia, recordando a conferência de imprensa que realizou há cerca de uma semana com o seu homólogo de Lisboa, Carlos Moedas.

Questionado se tinha recebido alguma resposta do Governo relativamente ao apelo feito para a necessidade de existir um reforço policial, Rui Moreira afirmou que “para já ainda não”.

O autarca disse, no entanto, não estar interessado em “audições com o Governo, para dizerem que estão a pensar no assunto”, mas ver concretizadas “soluções objetivas”, como o reforço policial.

“Sabemos o que não temos e precisamos de ter”, referiu, defendendo também a necessidade de se rever a legislação.

“Continuo a insistir que há parte da legislação que não consigo entender e, relativamente à droga, é preciso escolher, ou se quer uma legalização plena, ou então é preciso combater o tráfico. A situação atual é um paraíso para os traficantes”, referiu.

LER MAIS
Subscrever Canal WhatsApp
RÁDIO ONLINE
ASSOCIAÇÃO SALVADOR, HÁ 20 ANOS A TIRAR SONHOS DO PAPEL

LINHA CANCRO
DESPORTO DIRETO

RÁDIO REGIONAL NACIONAL: SD | HD



RÁDIO REGIONAL VILA REAL


RÁDIO REGIONAL CHAVES


RÁDIO REGIONAL BRAGANÇA


RÁDIO REGIONAL MIRANDELA


MUSICBOX

WEBRADIO 100% PORTUGAL


WEBRADIO 100% POPULAR


WEBRADIO 100% LOVE SONGS


WEBRADIO 100% BRASIL


WEBRADIO 100% OLDIES


WEBRADIO 100% ROCK


WEBRADIO 100% DANCE


WEBRADIO 100% INSPIRATION

KEYWORDS

FABIO NEURAL @ ENCODING


NARCÓTICOS ANÓNIMOS
PAGAMENTO PONTUAL


MAIS LIDAS