RÁDIO REGIONAL
NACIONAL

SNS24: RECORDE OITO MILHÕES DE CHAMADAS ATENDIDAS NESTE ANO

nbsp| RÁDIO REGIONAL

O SNS 24 já atendeu este ano mais de oito milhões de chamadas, um recorde, que ultrapassa as mais de seis milhões de chamadas registadas no ano passado, foi hoje anunciado.

“O SNS 24 comemora cinco anos de atividade e, só este ano, já atendeu mais de oito milhões de chamadas. 2022 é o ano com o maior número de chamadas de sempre, ultrapassando os mais de seis milhões de atendimentos realizados em 2021”, assinalam os Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS), em comunicado.

De acordo com os dados do SPMS, cerca de 2,8 milhões de chamadas foram resolvidas automaticamente.

Da linha SNS24 faz também parte, desde abril de 2020, a Linha de Aconselhamento Psicológico, que “prestou apoio a mais de 167 mil pessoas”, tendo este ano já atendido mais de 40 mil chamadas.

“Este serviço passou a ser disponibilizado em língua inglesa e, em apenas três meses, atendeu mais de 2.100 chamadas de cidadãos não falantes de português”, refere o SPMS.

A mesma fonte detalha que a app SNS 24 registou 7,5 milhões de `downloads`, permitindo o acesso dos cidadãos a um conjunto de informações de saúde, como o Boletim de Vacinas, receitas, requisições e os resultados de exames médicos.

Já o Portal SNS 24 foi visitado, este ano, por mais de 21 milhões de utilizadores.

O SPMS destaca ainda a existência de 250 Balcões SNS 24, criados durante a pandemia, que “prestam apoio presencial assistido aos serviços digitais do SNS e à realização de teleconsultas em espaços localizados em juntas de freguesia, estabelecimentos residenciais e estabelecimentos prisionais”.

VEJA AINDA:

CANCRO: INVESTIGADORES ITALIANOS DESCROBREM VACINA

Lusa

MARCELO ESCLARECE: ‘A LEI NÃO PERMITE ESCUSAS DE RESPONSABILIDADE’

Lusa

VILA FLOR: ESPAÇOS PÚBLICOS EQUIPADOS COM DESFIBRILHADORES E FORMAÇÃO

Lusa

RECLAMAÇÕES SOBRE SERVIÇOS DE GINECOLOGIA/OBSTETRÍCIA AUMENTARAM 113% ATÉ JULHO

Lusa

RISCOS ASSOCIADOS ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS AGRAVARAM DOENÇAS INFECIOSAS NOS HUMANOS

Lusa

MÉDICOS DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA PEDEM ESCUSA DE RESPONSABILIDADE

Lusa