TORRE DE MONCORVO: AETHEL AUTORIZADA A EXPLORAR MINAS DE FERRO

A Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG) autorizou o “controlo da mina” de ferro de Torre de Moncorvo, Bragança, pela Aethel Mining, revelou hoje a empresa, que espera colocar Portugal numa “posição de liderança na mineração europeia”.

A Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG) autorizou o “controlo da mina” de ferro de Torre de Moncorvo, Bragança, pela Aethel Mining, revelou hoje a empresa, que espera colocar Portugal numa “posição de liderança na mineração europeia”.

Em comunicado, a Aethel Partners revela que a Aethel Mining Limited, uma “empresa britânica detida exclusivamente” pelo português Ricardo Santos Silva e a americana Aba Schubert, “recebeu aprovação da DGEG para assumir o controlo da mina de Moncorvo”, um “depósito de minério de ferro muito significativo no coração da Europa”.

A Aethel Mining está “muito entusiasmada com o reinício da operação mineira neste ativo histórico, que levará Portugal de volta a uma posição de liderança na mineração europeia”, refere o cofundador da empresa, Ricardo Santos Silva, citado no comunicado.

A empresa diz que os seus acionistas “têm uma longa história de sucesso em investimento em ativos de mineração em todo o mundo” e “uma equipa de engenharia especializada em Portugal preparada para iniciar operações”.

Isto, acrescenta, “impulsionará a economia local trazendo mais emprego e atividade comercial”.

As Minas de Moncorvo, cuja concessão, de 2016, foi entregue à MTI, Ferro de Moncorvo, SA, “são atraentes para a Aethel Mining não só pela suas perspetivas económicas, mas também pelo seu perfil de sustentabilidade – sendo um depósito de minério de ferro muito significativo no coração da Europa – e pelo seu potencial para revitalizar um ativo histórico da economia local”, descreve a empresa.

A Aethel destaca ainda que o seu projeto para Moncorvo se “diferencia” do de todos os seus pares pelo “pleno uso da sua visão de sustentabilidade e sensibilidade ambiental”.

Em novembro 2016, altura em que foi assinado com a MTI, Ferro de Moncorvo SA, o contrato definitivo relativo a esta concessão, o então ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, realçou “o empenho colocado pelo Governo para agilizar este projeto”, noticiou a Lusa.

A MTI dizia esperar investir 114 milhões de euros até 2026 e produzir cerca de seis milhões de toneladas de minério nos primeiros cinco anos de laboração.

Segundo a MTI, numa primeira etapa considera-se a criação de mais de 200 postos de trabalho diretos, a que acrescerão mais de 250 nas etapas seguintes. Estima-se ainda a criação de 800 postos de trabalho indiretos.

Em abril de 2019, o presidente da Câmara de Torre de Moncorvo, Nuno Gonçalves, afirmou que o processo de exploração de minério de ferro naquele concelho deverá avançar em setembro, encontrando-se então parado “devido à burocracia transfronteiriça”.

“Foi pedido ao governo da Província de Castelo e Leão para se pronunciar acerca da exploração mineira, uma vez que estamos a menos de uma centena de quilómetros da fronteira. Todos os projetos mineiros em áreas de fronteira têm esta reciprocidade governamental”, disse o social-democrata, notando que o município quer ser parceiro das entidades públicas que apoiam o projeto de exploração de minério de ferro da MTI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.