Ligue-se a nós

INTERNACIONAL

USO DAS APLICAÇÕES DA SIGNAL E DA TELEGRAM SOBE APÓS WHATSAPP MUDAR DE POLÍTICA

A instalação das aplicações móveis das redes sociais Signal e Telegram aumentaram nos Estados Unidos, desde que a plataforma WhatsApp confirmou a partilha de dados com a empresa Facebook, após os distúrbios no Capitólio, na quarta-feira passada.

Online há

em

A instalação das aplicações móveis das redes sociais Signal e Telegram aumentaram nos Estados Unidos, desde que a plataforma WhatsApp confirmou a partilha de dados com a empresa Facebook, após os distúrbios no Capitólio, na quarta-feira passada.

Entre 06 e 10 de janeiro, a Signal acumulou 7,5 milhões de ‘downloads’ para os sistemas operativos móveis Android e iOS, superando em 43 vezes o número registado na semana anterior, adiantou o sítio Sensor Tower, especializado em ‘software’ para telemóveis.

Já a Telegram contabilizou, segundo o portal Apptopia, 5,6 milhões de descargas no mesmo período e anunciou, na terça-feira, que ultrapassou os 500 milhões de utilizadores ativos em todo o mundo, 25 milhões dos quais registados nas 72 horas anteriores.

Esta subida nos ‘downloads’ aconteceu depois da invasão à sede do Congresso, perpetrada por apoiantes do ainda Presidente Donald Trump, que resultou, pelo menos, em cinco mortes e motivou a remoção de conteúdo ultraconservador na Internet.

Os incidentes ocorridos em Washington ditaram, por exemplo, o encerramento da aplicação de mensagens encriptadas Parler, popular entre pessoas afetas à extrema-direita, e a suspensão das contas de Trump nas redes sociais Facebook e Twitter, após o chefe de Estado ter incitado ou desvalorizado os atos de violência.

O aumento de ‘downloads’ da Signal e da Telegram está a ocorrer após a WhatsApp ter anunciado, em 04 de janeiro, que iria compartilhar alguns metadados para fins comerciais com a empresa que a tutela, a Facebook, alterando a política de privacidade.

A WhatsApp realçou que as mensagens escritas e os contactos guardados na aplicação vão permanecer criptografadas, não estando acessíveis à Facebook, mas admitiu que, a partir de 08 de fevereiro, há metadados que vão estar ao dispor da Facebook, com vista à melhoria dos serviços de comércio eletrónico e de publicidade.

“A nossa atualização da política de privacidade não afeta suas mensagens com amigos e familiares”, adiantou, num momento em que o número de ‘downloads’ semanais tem diminuído.

Crítico do veto ao Presidente Trump em várias redes sociais, o Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, que criou uma conta na Telegram na sexta-feira e já reuniu, até terça-feira, 98,5 mil seguidores.

Também os ministros brasileiros das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e do Meio Ambiente, Ricardo Salles, já ?migraram’ da WhatsApp para a Telegram, bem como os deputados Bibo Nunes e Bia Kicis, e outros políticos ‘bolsonaristas’.

Também a aplicação Signal já foi recomendada pelo ex-analista da Agência de Segurança Nacional norte-americana (NSA) Edward Snowden e pelo empresário Elon Musk.

INTERNACIONAL

GUERRA: RÚSSIA “AVISA” MOLDOVA QUE PODE SER A “PRÓXIMA VÍTIMA”

O ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, afirmou hoje que a Moldova está em risco de se tornar na nova vítima da “guerra híbrida” que opõe o Ocidente à Rússia.

Online há

em

O ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, afirmou hoje que a Moldova está em risco de se tornar na nova vítima da “guerra híbrida” que opõe o Ocidente à Rússia.

Após uma reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) em Skopje, capital da Macedónia do Norte, Lavrov saientou que “a Moldova está destinada a tornar-se a próxima vítima da guerra híbrida desencadeada pelo Ocidente contra a Rússia”, de acordo com a agência de notícias TASS.

A Rússia tem acusado repetidamente os países ocidentais de empurrarem a Moldova para a guerra na vizinha Ucrânia.

Em causa está a Transnístria, a zona oriental da Moldova junto à Ucrânia, que é governada por uma república separatista pró-russa, que conta com um contingente militar de Moscovo.

Embora Chisinau tenha reiterado a sua neutralidade e não pretenda aderir à NATO, foi – juntamente com a Ucrânia – um dos últimos países a obter o estatuto de candidato à UE.

A região da Transnístria – cuja população é predominantemente russófona- ganhou proeminência nos últimos meses devido aos seus laços com o governo russo e à sua importante posição geo-estratégica.

As autoridades ucranianas chegaram mesmo a referir possíveis incursões russas na Ucrânia ocidental a partir da Transnístria.

LER MAIS

INTERNACIONAL

PORTUGAL AVISA A RÚSSIA: “A PAZ É DA SUA EXCLUSIVA RESPONSABILIDADE”

O chefe da diplomacia portuguesa defendeu hoje em Skopje que a paz “é da exclusiva responsabilidade” da Rússia, mediante a retirada dos territórios ocupados na Ucrânia, mensagem que transmitiu ao seu homólogo russo, em quem viu “falta de convicção”.

Online há

em

O chefe da diplomacia portuguesa defendeu hoje em Skopje que a paz “é da exclusiva responsabilidade” da Rússia, mediante a retirada dos territórios ocupados na Ucrânia, mensagem que transmitiu ao seu homólogo russo, em quem viu “falta de convicção”.

A posição de Portugal foi transmitida numa intervenção de João Gomes Cravinho na reunião da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), em Skopje, Macedónia do Norte, em que esteve presente o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov e, na qual, considerou o governante português, a Rússia esteve “completamente isolada, apenas com a pequena bengala da Bielorrúsia”.

“Transmiti, em primeiro lugar, que a invasão da Ucrânia pela Rússia era da exclusiva responsabilidade da Rússia, e que aquilo que a Rússia tem oferecido como justificações não colam, e sendo da exclusiva responsabilidade da Rússia, a paz também era de exclusiva responsabilidade da Rússia, nomeadamente através daquilo que é a exigência óbvia, a retirada imediata e incondicional das forças russas da Ucrânia”, comentou o ministro, em declarações à agência Lusa, no final do primeiro de dois dias de encontro da OSCE.

Durante o encontro, o futuro da organização, com 57 membros, esteve em debate, quando “obviamente, há uma situação hoje em que a segurança e a cooperação na Europa foram muito francamente destroçadas pelas ações da Rússia”.

Polónia e os três países bálticos, Estónia, Lituânia e Letónia boicotaram a reunião, dada a presença de Lavrov, mas fizeram-se representar a nível de embaixadores.

Questionado se tinha encontrado alguma abertura por parte do governante russo, João Gomes Cravinho respondeu que não, mas lhe que encontrou “alguma fraqueza”.

“O tempo ajudará, porque esta Rússia não será assim para sempre, acredito. Aquilo que eu senti foi alguma fraqueza da parte [do ministro Lavrov], de falta de convicção. É uma pessoa com enorme experiência política e diplomática (…) Aquilo que eu vi hoje foi uma pessoa com argumentos extremamente debilitados e com pouca capacidade de impor as suas ideias. Isso fez-me pensar, porque, de facto, o futuro da Rússia não pode passar por este tipo de argumentação completamente frouxa e baseada em falsidades”, sustentou Gomes Cravinho.

“A atitude da Rússia está na origem de vários problemas” que foram abordados hoje durante a reunião, adiantou.

O ministro português reuniu-se com os colegas da Arménia e Azerbaijão, que encorajou a avançar no processo de paz, após a vitória azeri num ataque relâmpago, em setembro, sobre a região separatista de Nagorno-Karabakh, e de quem disse ter recebido a garantia de que “o acordo está próximo”.

Foram igualmente abordados os “conflitos congelados” na Transnístria e “nas regiões na Geórgia ocupadas pela Rússia, da Ossétia do Sul e Abkhazia”.

“A Rússia esteve hoje completamente isolada, enfim, com a bengala pequena que lhe foi oferecida pela Bielorrússia”, país aliado de Moscovo, destacou Gomes Cravinho.

Sobre o futuro da OSCE, destacou a necessidade de “assegurar a continuidade da organização para um momento em que possa voltar a ter utilidade”, contando com “um parceiro de boa-fé e com um espírito construtivo”.

“A Rússia de hoje é menos construtiva do que a União Soviética” de há quase 50 anos, quando foi criada a organização que viria a dar origem à OSCE, algo que o ministro considerou “profundamente preocupante”.

“A União Soviética daquela época, pensando de forma muito diferente durante a Guerra Fria, de qualquer maneira, quis chegar a um entendimento sobre algumas questões básicas de promoção da segurança e da cooperação e de promoção dos direitos humanos também. Ora, a Rússia atual não quer nem promover a segurança nem a cooperação nem os direitos humanos e recusa tudo o que seja o espírito de Helsínquia de 1975”, considerou o chefe da diplomacia portuguesa.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro de 2022 pela Rússia na Ucrânia causou, de acordo com os mais recentes dados da ONU, a pior crise de refugiados na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa — justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

LER MAIS

MAIS LIDAS