VITÓRIA DE SETÚBAL GOLEADO COM ‘CATEGORIA’ NO DRAGÃO

Foi uma noite de festa e de golos. Um FC Porto que controlou, bateu, venceu e convenceu o emblema sadino que sofreu 4 golos sem resposta.

Foi uma noite de festa e de golos. Um FC Porto que controlou, bateu, venceu e convenceu o emblema sadino que sofreu 4 golos sem resposta.

Onze Inicial FC Porto: Marche, Alex Telles, Jesus Corona, Pepe, Marcano, Danilo Pereira, Romário Baró, Matheus Uribe, Luis Díaz, Moussa Marega, Zé Luís. Suplentes: Diogo Costa, Mbemba, Manafá, Nakajima, Otávio, Soares, Fábio Silva.

Onze Inicial Vitória FC: Makaridze, Sílvio, Mano, Bruno Pires, Artur Jorge, Éber Bessa, Leandro Vilela, Nuno Valente, Hildeberto Pereira, Zequinha, Hachadi. Suplentes: Valido, João Meira, Carlitos, Castro, André Sousa, Hélder Guedes, Braian Mansilla.

Árbitro: Manuel Mota.

O FC Porto começou o jogo a todo o gás, logo aos dois minutos a primeira oportunidade, através de um pontapé de canto no lado direito do ataque, Alex Telles cruzou para a área, Zé Luís cabeceou para grande intervenção de Makaridze, o guardião vitoriano a defender a bola instintivamente.

A equipa de Sérgio Conceição cedo procurou adiantar-se no marcador, e ao oitavo minuto, Alex Telles, a partir de um livre descaído para o lado esquerdo da forma como o FC Porto estava a atacar, rematou direto, com a bola a embater no poste esquerdo da baliza do Vitória FC, nesta altura o FC Porto dominava em termos estatísticos a posse de bola com mais de 70%.

Aos onze minutos, o FC Porto chega mesmo à vantagem, a jogada começa com Matheus Uribe, a ganhar um ressalto a Berto, no meio campo ofensivo do FC Porto, a bola sobrou para Luis Díaz, este soltou para Zé Luís, que rematou na passada para o fundo das redes de Makaridze. Estava feito o primeiro no Dragão.

Os portistas continuavam a dominar o jogo, e à passagem do primeiro quarto de hora de jogo, mais uma oportunidade flagrante para os dragões, Romário Baró com um excelente passe longo, desmarcou Alex Telles no corredor esquerdo, o lateral cruzou para a área onde apareceu Zé Luís ao primeiro poste, a cabecear a milímetros do poste direito da baliza vitoriana.

O Vitória só aos 17 minutos consegue chegar à área de Marche, boa combinação entre Éber Bessa e Sílvio, este último a cruzar para a área, Danilo com um corte deficitário, a deixar a bola à mercê de Hachadi que rematou para defesa de Marche.

O FC Porto acabaria com naturalidade por chegar ao segundo golo, aos 20′ minutos por Zé Luís, através de um livre, no lado esquerdo do ataque dos dragões, cobrado pelo “suspeito” do costume, Alex Telles, cruzou para a área, e o jogador de Cabo Verde, a cabecear solto de marcação, a bisar na partida.

Jogo de sentido único, aos 30 minutos, destaque para um remate forte por intermédio de Romário Baró, que Makaridze encaixou sem problema.

Aos 34 minutos, Jesus Corona pelo corredor direito combinou um passe de “classe” com Zé Luís, que rematou “do meio da rua” para uma defesa a dois tempos por parte de Georgiano do Vitória FC.

Até ao intervalo o FC Porto continuava a dominar em todos os parâmetros estatísticos, foi uma primeira parte de sentido único. Apenas por uma vez o Vitória “incomodou” o FC Porto.

Os dragões focaram o seu jogo maioritariamente pelo lado esquerdo, Alex Telles e Zé Luís, foram as figuras deste primeiro tempo.

Ao intervalo, o treinador do Vitória FC deixou no banco Leandro Vilela, por troca com Carlinhos, Sérgio Conceição não alterou o seu “onze”.

O FC Porto a iniciar a segunda parte, como terminou a primeira, ou seja, ao ataque e, logo na primeira jogada ofensiva, Marega em alta velocidade, soltou a bola para Corona na esquerda, o mexicano rematou cruzado, com  a bola ainda a desviar num defensor sadino, e a sair pela linha de fundo.

A equipa sadina continuava com muitas dificuldades para penetrar no último reduto dos dragões, os cerca de 39 mil adeptos que se deslocaram ao Estádio do Dragão estavam a gostar da exibição da sua equipa.

Aos 60 minutos o primeiro sinal do Vitória FC em zona ofensiva, com Carlinhos a rematar de longa distância, rasteiro, para defesa a dois tempos de Marche. Só desta forma é que os sadinos conseguiam alvejar a baliza dos dragões, ainda que sem grande perigo.

Imediatamente a seguir o FC Porto chega ao terceiro golo, minuto 63′ canto para o FC Porto, no lado direito do ataque, Alex Telles cruzou para a área e Zé Luís, que chega primeiro do que Makaridze à bola, cabeceou para o fundo das redes do Vitória FC.

A equipa de Sandro Mendes estava completamente desorientada, a bola foi ao meio campo, e no decorrer da jogada, Sílvio perdeu a bola para Zé Luís, que de primeira soltou Marega, solto de marcação correu até à grande área e assistiu Luis Díaz que só teve de empurrar para o fundo da rede, confirmando o quarto golo do FC Porto.

Os dois técnicos fizeram mexidas nos seus “onzes”, do lado do FC Porto, saiu Romário Baró, para dar lugar a Nakajima, no lado do Vitória FC, saiu Hildeberto Pereira para dar lugar a Mansilla.

Aos 69 minutos Nakajima a arrancar muitos aplausos das bancadas, depois de uma “bomba do meio da rua” que passou a rasar o poste esquerdo da baliza de Makaridze, seria um grande golo.

Sérgio Conceição aproveitou para fazer mais uma alteração no FC Porto, saiu Marega, entrou Soares.

Aos 77 minutos o Vitória FC teve a sua melhor ocasião na partida, através de um ataque rápido, a defesa do FC Porto estava subida no terreno, Mansilla soltou a bola para Sílvio, este cruzou para Hachadi que rematou para a defesa com as pernas de Marche, na recarga Éber Bessa rematou, Marche voltou a tocar na bola e esta embateu na trave, sendo depois limpa pela defensiva azul e branca.

A doze minutos do final, os dois treinadores esgotaram as suas opções. No FC Porto saiu o goleador da noite com três golos, Zé Luís entrando o jovem Fábio Silva, no Vitória FC saiu Hachadi, entrou Hélder Guedes.

Os portistas procuravam a “manita” no resultado, ainda que nos últimos cinco minutos do encontro a equipa tenha abrandado um pouco o ritmo de jogo e o Vitória aproveitava para se adiantar no terreno ainda que sem criar perigo.

O jogo chegava ao fim com uma vitória expressiva do FC Porto por 4-0 sobre o Vitória FC, o FC Porto a dar um pontapé na crise de resultados, uma vez que entrou a perder nesta temporada em Barcelos por 2-1 frente ao Gil Vicente, e entretanto foi eliminado pelo Krasnodar do playoff da Liga dos Campeões.

Em resumo foi um jogo de sentido único, o Vitória FC apenas teve duas oportunidades claras para poder faturar, quando a equipa já estava a perder, o FC Porto deu uma resposta cabal às más exibições anteriores, e, Zé Luís com um hat-trick acabou por ser a figura do jogo.

VEJA AQUI O RESUMO DO JOGO:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.