Ligue-se a nós

REGIÕES

AMARES: ACIDENTE DE HELICÓPTERO POR FALTA DE NOÇÃO DA DISTÂNCIA A LINHAS ELÉTRICAS

A perda de consciência situacional do piloto face à proximidade das linhas elétricas foi a causa do acidente com o helicóptero que, em setembro de 2022, combatia um incêndio no concelho de Amares, distrito de Braga, concluiu a investigação.

Online há

em

A perda de consciência situacional do piloto face à proximidade das linhas elétricas foi a causa do acidente com o helicóptero que, em setembro de 2022, combatia um incêndio no concelho de Amares, distrito de Braga, concluiu a investigação.

O relatório final do Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e de Acidentes Ferroviários (GPIAAF), a que a agência Lusa teve hoje acesso, refere que o Bell 412 colidiu com os cabos de alta tensão devido “à perda de consciência situacional do piloto” relativamente à proximidade das linhas aéreas de transporte de energia, ou seja, o piloto perdeu a noção da distância às linhas elétricas.

Para os investigadores, esta situação decorre “do tipo de operação aérea, autorizado fora dos normais padrões internacionais de segurança que regulam a navegação aérea”, que leva “à tomada de riscos adicionais cuja avaliação e controlo ficam unicamente no piloto”.

O choque com as linhas elétricas e a consequente queda do aparelho no meio de árvores, ao fim da tarde de 01 de setembro de 2022, provocou a destruição do Bell 412 e ferimentos graves no piloto, de 53 anos.

A investigação conta que na 13.ª aproximação à frente de fogo, o piloto, conhecedor da existência e da localização das linhas elétricas, efetuou uma aproximação direta desde o ponto de abastecimento de água, localizado no rio Homem, a norte do incêndio, seguido de uma volta pela direita, definindo uma trajetória para a terceira e última largada a este da linha elétrica.

“Às 18:22 com o sol de frente, o piloto terá sido surpreendido pela posição das linhas de alta tensão à sua frente, largando de imediato a água, onde tentou manobrar pela direita em descida para evitar a colisão. Acabou por colidir com os dois cabos inferiores das linhas, inicialmente com o rotor principal e de seguida com o rotor de cauda, o qual se separou da aeronave ficando entrelaçado num dos cabos de alta tensão”, explica o relatório.

O GPIAAF indica que o operador (empresa Helibravo), na sequência de um acidente semelhante, havia estabelecido no seu manual de operações uma recomendação sobre os limites para a operação de trabalho aéreo nas proximidades de obstáculos, nomeadamente linhas de transporte de energia.

“O piloto afirmou ter conhecimento das limitações operacionais e em específico a recomendação de segurança do operador”, lê-se no relatório.

Os investigadores consideram que o “não cumprimento pelo piloto das recomendações operacionais de afastamento das linhas de alta e muito alta tensão” terá contribuído para o acidente, a que se junta o seu “foco em completar a missão de combate ao incêndio, relativizando o risco de colisão iminente ao voar perto de linhas de alta tensão em terreno de orografia complexa”.

Os investigadores apontam ainda fatores contributivos para o acidente a decisão de ataque ao incêndio florestal que progredia junto e por debaixo de linhas de alta tensão que cruzavam o vale, e a trajetória diferenciada para a última descarga do dia eleita pelo piloto em convergência com as linhas de transporte de energia.

“A posição relativa e disposição dos cabos nos respetivos suportes em configuração vertical ocupando um volume considerável no vale”, assim como “a posição do aparelho em relação ao sol seguindo um rumo oeste, criando condições de visibilidade difíceis”, também terão contribuído para o acidente, segundo a investigação.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

REGIÕES

AÇORES: ÁGUA DO MAR PODERÁ ULTRAPASSAR OS 26 GRAUS – IPMA

A temperatura da água do mar deverá estar excecionalmente quente durante a próxima semana no arquipélago dos Açores, segundo previsões do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), que apontam para valores acima dos 26 graus.

Online há

em

A temperatura da água do mar deverá estar excecionalmente quente durante a próxima semana no arquipélago dos Açores, segundo previsões do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), que apontam para valores acima dos 26 graus.

“Prevê-se que a partir da próxima semana se verifique um aumento da temperatura da água do mar na região dos Açores, que poderá atingir valores superiores a 26ºC, em particular nas ilhas dos Grupos Ocidental [Corvo e Flores] e Central [Pico, Faial, São Jorge e Terceira]”, pode ler-se num comunicado do IPMA.

“A situação de anomalia positiva da temperatura da superfície do oceano, que se tem verificado nos últimos meses nesta região, resulta da posição e intensidade do Anticiclone dos Açores”, explica o IPMA no comunicado, dando como exemplo a anomalia que em junho “variou entre 0,8 e 1,6°C nos grupos Oriental [Santa Maria e S. Miguel] e Central e entre 1,6 e 2,4°C no Ocidental”.

O Anticiclone dos Açores deverá localizar-se a sudoeste do arquipélago, apresentando um vasto campo de ação, ao qual estarão associados ventos muito fracos à superfície.

Estas condições de vento fraco irão, por um lado, limitar a mistura de água nas camadas mais superficiais do oceano e, por outro, reduzir o transporte de poeiras do deserto do Sahara sobre a região subtropical do Atlântico, deixando a atmosfera mais limpa, permitindo que a radiação solar incidente sobre o oceano seja mais eficiente, refere o comunicado.

Devido à conjugação destes fatores, o IPMA prevê “um aquecimento anormalmente elevado da temperatura da água do mar no arquipélago dos Açores”.

Durante a próxima semana, acrescenta, preveem-se também valores da temperatura do ar acima dos 28°C, com a ocorrência de noites tropicais (temperatura mínima superior a 20°C), juntamente com valores elevados da humidade relativa do ar.

O IPMA deverá assim, oportunamente, emitir avisos meteorológicos de tempo quente para o arquipélago dos Açores.

LER MAIS

REGIÕES

PORTO: SETE ANOS DE PRISÃO POR ESFAQUEAR UM HOMEM NA DISCOTECA

O homem que esfaqueou outro à porta de uma discoteca no Porto em fevereiro de 2023 foi hoje condenado a sete anos de prisão no Tribunal São João Novo, no Porto.

Online há

em

O homem que esfaqueou outro à porta de uma discoteca no Porto em fevereiro de 2023 foi hoje condenado a sete anos de prisão no Tribunal São João Novo, no Porto.

Durante a leitura do acórdão, a presidente do coletivo de juízes referiu que o arguido, em prisão preventiva, mostrou “frieza e falta de afetividade pelo ser humano”.

“Espero que retire alguma lição daqui para a frente”, atirou a magistrada.

Além disso, a juíza frisou que os problemas não se resolvem à facada.

Em fevereiro de 2023, o arguido de 26 anos, agora condenado, esfaqueou cinco vezes, duas das quais em órgãos vitais, um homem à porta de uma discoteca no Porto.

O arguido e o ofendido integravam um grupo de seis pessoas que se juntou com o propósito de comprar o acesso à área reservada da discoteca, dividindo entre todos a despesa, tendo estado na origem das agressões uma discordância quanto ao valor cobrado pelo ofendido.

“Uma discussão sobre cinco euros deixou o ofendido entre a vida e a morte, algo que é desprezível”, frisou a magistrada.

A juíza recordou que a vítima, jogador de futebol de 21 anos, teve de ser reanimado e operado de urgência após o esfaqueamento.

LER MAIS

MAIS LIDAS