NACIONAL

AUTARCAS DO TÂMEGA E SOUSA CRITICAM COMISSÃO NACIONAL DE ELEIÇÕES

A Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa anunciou hoje que discorda das recomendações da Comissão Nacional de Eleições (CNE) sobre a publicidade institucional, no atual contexto eleitoral, considerando trata-se, segundo eles, de “uma política de desinformação”.

“Com esta nota informativa, a CNE promove, com o devido respeito, uma interpretação excessivamente extensiva do ponto de vista do âmbito da aplicação da norma, que mais não é, na prática, de que uma política de desinformação”, afirma a CIM em comunicado enviado à Lusa.

Assinala ainda aquela CIM que “os seus municípios associados defendem os interesses locais dos seus territórios, não integram as listas ao Parlamento Europeu, seguramente, e não utilizam publicidade institucional, em sentido estrito, para eventual propaganda política”.

O órgão que representa as 11 câmaras do Tâmega e Sousa (Amarante, Baião, Castelo de Paiva, Celorico de Basto, Cinfães, Felgueiras, Lousada, Marco de Canaveses, Penafiel, Paços de Ferreira e Resende) refere, depois, que “continuarão a promover informação institucional”, atuando, “independentemente de qualquer nota informativa, na defesa dos interesses das suas populações”.

Conclui a CIM daquele território que a nota informativa da CNE é “merecedora de censura política”.

Na semana passada, a Comissão Nacional de Eleições (CNE) emitiu um comunicado a indicar que a partir da publicação em 26 de fevereiro do decreto que marcou a data das eleições europeias “é proibida a publicidade institucional por parte dos órgãos do Estado e da Administração Pública de atos, programas, obras ou serviços, salvo em caso de grave e urgente necessidade pública”, nos termos da Lei 72-A/2015, de 23 de julho.

De acordo com a nota divulgada pela CNE, a proibição “inscreve-se nos deveres de neutralidade e imparcialidade a que as entidades públicas se encontram sujeitas”.

Assim, “logo que publicado o decreto que fixa a data da eleição, incumbe ao titular do órgão do Estado ou da Administração Pública, por sua iniciativa, determinar a remoção de materiais que promovam atos, programas, obras ou serviços e/ou suspender a produção e divulgação de formas de publicidade institucional até ao dia da eleição”, acrescenta a CNE.

As eleições para o Parlamento Europeu realizam-se em 26 de maio.

LUSA

VEJA AINDA:

PORTO: RUI MOREIRA ACUSA OPOSIÇÃO DE ‘SHOW POLÍTICO’ SOBRE A NOVA PONTE

Lusa

FERRO RODRIGUES EMPOSSA COMISSÃO DE REVISÃO CONSTITUCIONAL POR TRÊS MESES

Lusa

MARCELO PROMULGA DECRETO SOBRE CONTRATAÇÃO PÚBLICA APESAR DE ‘PREVER AUMENTO DE DESPESA’

Lusa

PARLAMENTO ‘RECOMENDA’ AO GOVERNO MAIS RESPOSTAS PARA A SAÚDE MENTAL

Lusa

VENTURA SUSPEITO DE DESOBEDIÊNCIA POR JANTAR COM 175 PESSOAS DURANTE ESTADO DE EMERGÊNCIA

Lusa

ANDRÉ VENTURA PEDE A DEMISSÃO DO MINISTRO EDUARDO CABRITA

Lusa