ECONOMIA & FINANÇAS

AT IMPEDIDA DE COBRAR IMPOSTOS RETROACTIVOS

A Autoridade Tributária cobrou retroativamente 155 mil euros a um contribuinte, que contestou a cobrança junto do Supremo Tribunal Administrativo. O órgão deu-lhe razão, impedindo assim o fisco de aplicar as novas regras de tributação de mais-valias de forma retroativa.

O Fisco não pode cobrar impostos de forma retroactiva. A decisão é do Supremo Tribunal Administrativo (STA), que, em acórdão de Junho publicado no Diário da República, deu razão à queixa de um contribuinte relativamente à cobrança de mais de €155 mil de IRS a um contribuinte, relativos à tributação de mais-valias na venda de acções de uma empresa. O negócio aconteceu em 2010 e a cobrança foi intentada em 2014.

A questão, noticia o Expresso, não se prendeu com a tributação da mais-valia, mas com a taxa aplicada. A Autoridade Tributária (AT) aplicou uma taxa de 20% às mais-valias, resultante da lei 15/2010, que entrou em vigor em 27 de Julho de 2010. No entanto, o negócio havia tido lugar a 12 de Março de 2010, quatro meses antes da entrada em vigor da nova legislação.

O mesmo jornal afirma que a AT entende que a decisão do tribunal de primeira instância que lhe deu razão “procedeu à correta interpretação e aplicação dos normativos legais”. Mais ainda, o Fisco argumenta que o que gera o IRS a pagar a cada ano é a situação do contribuinte a 31 de dezembro de cada ano, pelo que acreditam não fazer sentido afirmar que se trata de uma situação de retroactividade.

Já para o STA, o que aconteceu foi “a aplicação de lei nova a factos tributários de natureza instantânea já completamente formados em momento anterior à data da sua entrada em vigor, o que envolve uma retroactividade autêntica”. A decisão fará jurisprudência.

VEJA AINDA:

PORTO: COMÉRCIO PASSA A ENCERRAR ÀS 23:00 – COVID-19

Lusa

CRISE: UMA EM CADA CINCO EMPRESAS VAI REDUZIR AO NÚMERO DE TRABALHADORES

Lusa

GRUPO IMPALA TRANSFORMA O TELETRABALHO TEMPORÁRIO A DEFINITIVO

Lusa

CRISE: FISCO VAI CRIAR SISTEMA AUTOMÁTICO PARA PAGAMENTO DE DÍVIDAS DE IRS E IRC

Lusa

GOVERNO MANTÉM O OBJETIVO DE AUMENTAR O SALÁRIO MÍNIMO NACIONAL

Lusa

CRISE: BCE MANTÉM POLÍTICAS DE ESTÍMULO À ECONOMIA INALTERADAS

Lusa