REGIÕES

BOTICAS INVESTE NA CRIAÇÃO DE OBSERVATÓRIO DO PATRIMÓNIO AGRÍCOLA

A Câmara de Boticas vai criar uma rede de observatórios da paisagem, instalar sinalética e limpar trilhos para melhorar as condições de visita e atrair mais turistas ao concelho classificado como Património Agrícola Mundial, anunciou hoje a autarquia.

O Barroso, que se estende pelos municípios de Boticas e Montalegre, no distrito de Vila Real, foi o primeiro território português a integrar o Sistema Importante do Património Agrícola Mundial (GIAHS) e um dos primeiros a ser aprovado na Europa.

A classificação pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) foi anunciada em abril de 2018.

O presidente da Câmara de Boticas, Fernando Queiroga, disse hoje à agência Lusa que o seu município vai criar uma rede de quatro observatórios da paisagem em Dornelas, Covas do Barroso, Vilarinho Seco e na sede de concelho.

Estas infraestruturas de apoio à observação deverão estar, segundo o autarca, concluídas até ao final do ano e têm como objetivo melhorar as condições de visita ao território.

Fernando Queiroga elencou ainda a colocação de sinalética que vai informar sobre a entrada no território GIAHS (Globally Important Agricultural Heritage Systems) e que será instalada nos três principais acessos a Boticas, bem como a limpeza de caminhos e trilhos espalhados pelo concelho.

Estas medidas estão incluídas na candidatura “Valorização do Património Paisagístico do Barroso – Território GIAHS”, que conta com um investimento de cerca de 75 mil euros, cofinanciado pelo FEDER.

Fernando Queiroga disse ainda que está, agora, no terreno uma equipa constituída por três técnicos dos municípios de Boticas e Montalegre e que vai fazer a ligação aos agricultores do território.

De acordo com o autarca, esta equipa tem como missão apoiar os agricultores, sensibilizar para a continuidade da produção, para a manutenção da paisagem e ajudar a impulsionar as vendas dos produtos agrícolas regionais.

Foi o modo de vida e de trabalhar no Barroso, transmitidos de geração para geração, que levou à classificação pela FAO.

O GIAHS é um processo promovido pela FAO que visa identificar e certificar, em todo o mundo, os sistemas de agricultura tradicional que, pelas suas características notáveis do ponto de vista da diversidade, saber tradicional, biodiversidade, paisagem, modelo socioeconómico e resiliência face às alterações humanas, climáticas e ambientais, possam contribuir para melhorar a gestão dos agro sistemas modernos.

Fernando Queiroga disse que, “garantidamente”, neste ano após a classificação, “houve mais visitantes no território”, no entanto sublinhou que “não dispõe ainda de dados concretos” sobre o aumento de turistas.

Também para atrair mais visitantes, a autarquia de Boticas vai requalificar o parque de campismo municipal, criando condições para o aparcamento de autocaravanas.

O projeto conta com um financiamento no âmbito do programa Valorizar, do Turismo de Portugal, e representa um investimento global na ordem dos 275 mil euros.

“A reabilitação do parque de campismo vai permitir melhorar as condições deste espaço, tornando-o num local mais aprazível e digno para os turistas, especialmente aqueles que nos visitam com autocaravanas, um tipo de turismo que está a crescer no país e na nossa região”, salientou Fernando Queiroga.

LUSA

VEJA AINDA:

ALFÂNDEGA DA FÉ: NÃO HÁ REGISTO DE NOVOS CASOS COVID-19 NAS ESCOLAS

Lusa

VILA VIÇOSA: 14 INFETADOS COM COVID-19 NOS SERVIÇOS DA MISERICÓRDIA

Lusa

AVEIRO: 13 ANOS DE PRISÃO PARA HOMEM QUE MATOU A MÃE

Lusa

AÇORES: SITUAÇÃO DE CALAMIDADE PROLONGADA ATÉ 23 DE OUTUBRO

Lusa

MONTIJO: INCÊNDIO NUMA EMPRESA CAUSA DOIS FERIDOS

Lusa

ALVAIÁZERE: SETE UTENTES E DOIS FUNCIONÁRIOS DE LAR INFETADOS COM COVID-19

Vítor Fernandes