Ligue-se a nós

REGIÕES

BRAGA: SOBRECARGA NOS TRANSPORTES PÚBLICOS PREJUDICA TURISMO

A greve dos motoristas de pesados está a aumentar o número de utentes dos Transportes Públicos de Braga (TUB) mas a ‘prejudicar o negócio’ nos pontos turísticos fora da cidade e a ‘condicionar’ o abastecimento de veículos da PSP.

Online há

em

A greve dos motoristas de pesados está a aumentar o número de utentes dos Transportes Públicos de Braga (TUB) mas a “prejudicar o negócio” nos pontos turísticos fora da cidade e a “condicionar” o abastecimento de veículos da PSP.

Pelos vários postos da cidade de Braga, segundo constatou a agência Lusa no local, o cenário é sempre o mesmo: poucos carros a abastecer, “gasolina nos máximos”, do gasóleo simples, o mais barato, “só há gotas”.

A falta “do barato”, também afeta as forças de segurança uma vez que, disse à Lusa fonte da PSP, apenas estão autorizados a pôr combustível simples e numa única distribuidora, que já não o tem.

Num dos locais mais visitados da cidade, o Bom Jesus de Braga, recentemente classificado pela UNESCO como Património Mundial da Humanidade, o cenário é “estranho”, há gente mas não há carros particulares. Muita gente a subir o monte a pé.

“Temos tido negócio por causa das camionetas de turistas. Não vimos ainda os habituais emigrantes que já costumam estar aqui a esta hora, basta olhar para o parque e dá para ver a diferença”, disse, cerca das 09:30, à Lusa um dos comerciantes frente à Basílica.

Pelo caminho, sempre a subir, vários grupos: “Viemos para ver as vistas, mas para poupar no combustível viemos a pé. Sempre dá para pagar a ‘mini’ quando chegamos lá acima”, disse à Lusa, Fernando Cardoso, emigrante da suíça, 60 anos.

Se está a custar? “Já não tenho pernas de 30. Levo duas, cada uma com 30 anos. Se chegar lá acima já vai ser milagre do santo”, brincou.

Pela cidade, é notória a diminuição do trânsito. Os TUB vão cheios. “Para poupar uns litros resolvi ir trabalhar de TUB. Nunca tinha utilizado a rede pública, pode até ser que fique fã e passe a usar”, referiu Adelina Pinto, 35 anos, à Lusa numa paragem dos TUB “anormalmente cheia”.

Mais complicada pode ser para a PSP. No único posto do concelho exclusivo para veículos de emergência, PSP, GNR, ambulâncias, ou veículos com autorização especial, “para já ou ainda só” existe gasóleo aditivado, o diesel normal está esgotado.

“Nós só temos autorização para abastecer com gasóleo simples e nos postos desta rede”, disse à Lusa fonte da PSP. “Para já o caso não está grave porque nos precavemos, mas temos esta espinha no calcanhar”, concluiu.

Por este posto, no centro de Braga, têm passado alguns utentes normais. As bombas estão em pré-pagamento.

“Quero pôr os meus 15 litros e não consigo”, contou um utente que tentava “pôr alguma coisinha” no carro. “Esta bomba é só para veículos prioritários”, explica, “pela milésima”, vez a empregada.

“Agora é que me lixei. Esperei por hoje porque pensei que já todos tinham posto e hoje o gasóleo até ia baixar, mas esta é a quarta bomba a que vou e não há do barato. Vou ter que pôr do outro. Eles [os motoristas] fazem a greve para ganhar mais e o António é que paga”, desabafou.

António Costa, primeiro-ministro? “Não o trolha aqui”, respondeu prontamente.

Os motoristas cumprem hoje o primeiro dia de uma greve marcada por tempo indeterminado e com o objetivo de reivindicar junto da associação patronal Antram o cumprimento do acordo assinado em maio, que prevê uma progressão salarial.

A greve foi convocada pelo Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e pelo Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM), tendo-se também associado à paralisação o Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários e Urbanos do Norte (STRUN).

O Governo decretou serviços mínimos entre 50% e 100% e declarou crise energética, que implica “medidas excecionais” para minimizar os efeitos da paralisação e garantir o abastecimento de serviços essenciais como forças de segurança e emergência médica.

REGIÕES

QUASE METADE DO TERRITÓRIO CONTINENTAL EM SECA METEOROLÓGICA

Quase metade do território de Portugal continental estava no final de maio em seca meteorológica fraca ou moderada, com maior enfoque na região Sul, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Online há

em

Quase metade do território de Portugal continental estava no final de maio em seca meteorológica fraca ou moderada, com maior enfoque na região Sul, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

A 31 de maio cerca de 48% do território estava em seca meteorológica fraca (36,3%) a moderada (11,9), enquanto no final de abril, apenas 8% do território estava em seca fraca.

De acordo com o Boletim, houve um aumento da área em seca na região Sul, bem como da sua intensidade, com grande parte do distrito de Beja e o sotavento Algarvio a enfrentarem seca moderada.

No final de maio, 36,3% do território estava na classe de seca fraca, 35,4% na classe normal, 11,9% em seca moderada, 11,9% na chuva fraca, 3,0% em chuva moderada e 1,5% em chuva severa.

O instituto classifica em nove classes o índice meteorológico de seca, que varia entre “chuva extrema” e “seca extrema”.

De acordo com o IPMA, existem quatro tipos de seca: meteorológica, agrícola, hidrológica e socioeconómica.

Os dados do Boletim Climatológico do IPMA indicam também que o mês passado classificou-se como normal em relação à temperatura do ar e seco quanto à precipitação.

Durante o mês ocorreram duas ondas de calor, tendo a primeira sido registada no período de 07 a 12, com a duração de seis dias a abranger alguns locais do interior Centro e Sul, e a segunda no final de maio, tendo-se prolongado até aos primeiros dias do mês de junho em alguns locais do Norte, interior Centro, vale do Tejo e interior Sul.

Segundo os dados, o total de precipitação mensal (33,5 milímetros), foi inferior (28,9 milímetros) ao valor médio 1981-2010

No que diz respeito à percentagem de água no solo, o instituto refere que houve uma diminuição muito significativa da percentagem em todo o território.

As regiões do nordeste transmontano e vale do Tejo registaram valores de percentagem de água no solo entre 20 a 40% e a região sul, em particular o Baixo Alentejo com valores inferiores a 20%.

LER MAIS

REGIÕES

PORTO: ASSEMBLEIA MUNICIPAL APELA AO FIM DAS PORTAGENS NA A41-CREP

A Assembleia Municipal do Porto aprovou, com o voto contra do PSD e Chega, uma recomendação da CDU que apela ao Governo e à Assembleia da República (AR) para implementarem nesta legislatura a abolição das portagens na A41/CREP.

Online há

em

A Assembleia Municipal do Porto aprovou, com o voto contra do PSD e Chega, uma recomendação da CDU que apela ao Governo e à Assembleia da República (AR) para implementarem nesta legislatura a abolição das portagens na A41/CREP.

“A Assembleia da República aprovou recentemente a abolição de portagens num conjunto de autoestradas do país. De entre essas autoestradas não consta a A41, apesar de terem sido apresentadas propostas nesse sentido”, afirma a CDU na proposta apresentada na Assembleia Municipal, que decorreu na segunda-feira à noite.

Para a CDU, perdeu-se “uma oportunidade única para introduzir uma medida fundamental para o descongestionamento da VCI [Via de Cintura Interna] “.

“Muitos dos acidentes/incidentes que ocorrem na VCI, causando enormes condicionamentos à circulação na mesma, são causados por pesados que não têm origem nem destino na cidade do Porto e que poderiam utilizar a A41. A abolição de portagens na A41 permite alargar o leque de medidas a adotar com vista a desincentivar a circulação de viaturas pesadas na VCI”, lê-se.

A par do apelo ao Governo e à AR para que sejam abolidas as portagens na A41-CREP, a Assembleia Municipal apelou, por maioria, manifestar aos grupos parlamentares que não apoiaram a abolição das portagens na A41 “a sua enorme indignação” e enviar o documento a todos os grupos parlamentares, deputados, primeiro-ministro e ministro das Infraestruturas.

No início do ano, a Assembleia Municipal do Porto aprovou instar o Governo a isentar, por um período experimental de um ano, as portagens na A41-CREP para veículos pesados e monitorizar o impacto da medida na VCI.

Na sessão extraordinária, solicitada pela CDU para discutir a mobilidade na cidade, quatro das 11 recomendações contemplavam medidas para resolver o problema da VCI, mas só um dos pontos da recomendação da CDU, direcionado ao Governo, reuniu a unanimidade de todas as forças políticas.

Apesar de defender que as portagens na A41-CREP (Circular Regional Externa do Porto) deviam ser abolidas, a CDU instou o Governo a isentar, por um ano e a título experimental, as portagens da respetiva autoestrada, entre os nós com a A1 e A4, e monitorizar os impactos dessa medida, tendo como finalidade a apresentação de um relatório com os resultados do impacto.

LER MAIS
Subscrever Canal WhatsApp
RÁDIO ONLINE
ASSOCIAÇÃO SALVADOR, HÁ 20 ANOS A TIRAR SONHOS DO PAPEL

LINHA CANCRO
DESPORTO DIRETO

RÁDIO REGIONAL NACIONAL: SD | HD



RÁDIO REGIONAL VILA REAL


RÁDIO REGIONAL CHAVES


RÁDIO REGIONAL BRAGANÇA


RÁDIO REGIONAL MIRANDELA


MUSICBOX

WEBRADIO 100% PORTUGAL


WEBRADIO 100% POPULAR


WEBRADIO 100% LOVE SONGS


WEBRADIO 100% BRASIL


WEBRADIO 100% OLDIES


WEBRADIO 100% ROCK


WEBRADIO 100% DANCE


WEBRADIO 100% INSPIRATION

KEYWORDS

FABIO NEURAL @ ENCODING


NARCÓTICOS ANÓNIMOS
PAGAMENTO PONTUAL


MAIS LIDAS