Ligue-se a nós

REGIÕES

BRAGANÇA: RIO DE ONOR PREPARA-SE PARA O “FESTIVAL D’ONOR”

A aldeia de Rio de Onor, em Bragança, prepara-se para receber “entre sete a oito mil visitantes” no festival que junta tradição e modernidade, de 20 a 22 de julho, naquela que está entre as “maravilhas” de Portugal.

Online há

em

A aldeia de Rio de Onor, em Bragança, prepara-se para receber “entre sete a oito mil visitantes” no festival que junta tradição e modernidade, de 20 a 22 de julho, naquela que está entre as “maravilhas” de Portugal.

A inclusão nas “Sete Maravilhas de Portugal” é um chamativo para o Festival de D´Onor, como vincou hoje a organização, na apresentação do evento feita ao ar livre na aldeia conhecida pela comunitarismo e por partilhar o quotidiano com o povo vizinho espanhol Rihonor de Castilla, que a fronteira nunca separou.

Pelo segundo ano consecutivo, a associação juvenil Montes de Festas organiza o festival que na primeira edição juntou “cinco mil visitantes” e espera receber, entre 20 e 22 de julho, “sete a oito mil”, como indicou hoje David Vaz, da organização, que conta com o apoio da União de Freguesias Aveleda/Rio de Onor e da Câmara de Bragança, e parcerias com outras organizações, nomeadamente espanholas.

O festival tem um programa com convívio entre gerações, música, gastronomia, atividades desportivas e lúdicas e contacto com as tradições da aldeia, entre elas uma ronda pelas adegas das casas dos habitantes.

O evento é apresentado como “transfronteiriço” com entrada gratuita e preços “acessíveis” para acampar e degustar a gastronomia regional.

É tudo feito em parceria com a população, como frisou David Vaz, da associação para dinamizar o meio rural.

Vai haver pão a sair do forno comunitário diretamente para os visitantes, almoço e jantar comunitários, passeio pedestre, passeio de automóveis clássicos e desportivos e concertos com diversas sonoridades, e um DJ, o Gaiteirinho, a misturar as batidas modernas com a gaita-de-foles, típica desta aldeia.

Era ao som da gaita-de-foles que antigamente se faziam os bailes nos terreiros e currais, que a organização do festival vai reproduzir nesta edição em que, à semelhança do que aconteceu no primeiro ano, são esperados festivaleiros da região e de outras zonas do país, nomeadamente do Porto e Braga.

A Câmara Municipal de Bragança apoia o festival, como disse o vereador Miguel Abrunhosa, financeiramente com 2.500 euros e também na logística.

O município elaborou um plano de segurança com a criação de um espaço para estacionamento de viaturas, depois de “alguns constrangimentos” na primeira edição.

O festival homenageia mais uma vez o gaiteiro Juan Prieto Ximeno, dando a conhecer a importância deste nome que é uma referência na zona da lombada, em Bragança, e “procurando perpetuar o seu legado e trabalho musical.

Vários músicos e grupos de gaiteiros de Portugal e de Espanha vão atuar no festival com inspirados no trabalho de Ximeno.

A animação musical conta com nomes como Yvette Band, Tejedor, Zingarus, e DJ.

O evento abre com a apresentação do livro “Cancioneiro da Gaita-de-Foles” e reserva ainda outras atividades como canoagem no rio que atravessa e dá nome à aldeia ou voos de balão de ar quente.

LUSA

REGIÕES

PORTO: METRO TRANSPORTOU MAIS DE MIL MILHÕES DE PASSAGEIROS EM 21 ANOS

A Metro do Porto transportou mais de mil milhões de passageiros desde a abertura da primeira linha há 21 anos, tendo já este ano superado o “recorde anual de procura”, com mais de 72 milhões de utilizadores.

Online há

em

A Metro do Porto transportou mais de mil milhões de passageiros desde a abertura da primeira linha há 21 anos, tendo já este ano superado o “recorde anual de procura”, com mais de 72 milhões de utilizadores.

Num comunicado na sua página oficial, a Metro do Porto assinala os 21 anos de operação do sistema e a abertura, a 07 de dezembro de dezembro de 2002, do troço da linha Azul, que funcionava entre as estações da Trindade e do Senhor de Matosinhos.

Da abertura em 1999 do primeiro estaleiro de obra, em Campanhã, à inauguração da estação VC Fashion Outlet — Modivas, a última a ser criada em 2017, a rede estendeu-se ao longo de 67 quilómetros e 82 estações.

À linha Azul somaram-se mais cinco linhas (linha Vermelha, Verde, Amarela, Violeta e Laranja) e ao Porto e Matosinhos, juntaram-se os municípios de Vila Nova de Gaia, Maia, Gondomar, Vila do Conde e Póvoa do Varzim.

Desde então, foram registadas 1.031 milhões de validações e percorridos mais de 133 milhões de quilómetros, o equivalente a 3.325 voltas completas ao planeta Terra.

Durante estes 21 anos, a Metro do Porto destaca também “os assinaláveis ganhos ambientais”: menos 55 mil toneladas anuais de dióxido de carbono (CO2) emitidas, mais de 200 mil metros quadrados de áreas verdes e mais de cinco mil árvores plantadas no âmbito de obras de requalificação complementares à rede.

Este ano “foi já superado o recorde anual de procura [de 2019], com mais de 72 milhões de pessoas a viajar a bordo dos veículos do metro”, revela a empresa.

“Mas se estes 21 anos nos enchem de satisfação pelos resultados averbados, é no futuro que se encontra o centro das nossas atenções”, refere a Metro do Porto, assinalando o término da empreitada de extensão da linha Amarela entre Santo Ovídio e Vila d’Este no final deste ano e a conclusão da linha Rosa em 2024.

A Metro do Porto elenca também o arranque dos trabalhos de construção da linha Rubi, que ligará a Casa da Música e Santo Ovídio e implica a construção de uma nova ponte sobre o rio Douro, e a inauguração do metroBus, entre a Boavista à Praça do Império e Rotunda da Anémona.

LER MAIS

REGIÕES

SEIXAL: FALTA DE MÉDICOS DEIXA UNIDADE DE SAÚDE SEM ATENDIMENTO

O polo da Amora da unidade Via Verde Saúde Seixal, no distrito de Setúbal, vai estar sem atividade médica durante todo o mês de dezembro por falta de médicos, anunciou a instituição.

Online há

em

O polo da Amora da unidade Via Verde Saúde Seixal, no distrito de Setúbal, vai estar sem atividade médica durante todo o mês de dezembro por falta de médicos, anunciou a instituição.

“Por carência extrema de médicos durante o mês de dezembro, fomos forçados a reformular a atividade da Via Verde Saúde Seixal”, explica a coordenadora da Via Verde Saúde Seixal, Alexandra Fernandes, num comunicado divulgado no ‘site’ da unidade.

Os constrangimentos afetam dois polos: Amora e Corroios.

No polo Amora não haverá atividade médica, mantendo-se apenas as atividades de enfermagem e no polo Corroios manter-se-ão apenas as atividades de enfermagem, as vigilâncias de saúde materna e infantil e a resposta médica a situações urgentes, dentro da capacidade existente.

“Esperamos poder retomar a atividade normal durante o mês de janeiro”, adianta a coordenadora.

A Via Verde Saúde Seixal, projeto inovador que recebeu uma menção honrosa no Prémio Boas Práticas em Saúde, foi criada em 2022, serve 45 mil utentes sem médico de família e foi recentemente apontado pelo ministro da Saúde, Manuel Pizarro, como modelo a replicar.

Para a Comissão de Utentes de Saúde do Concelho do Seixal, esta situação é muito preocupante e é uma consequência da falta de atratividade do Serviço Nacional de Saúde para os jovens médicos.

Em declarações à agência Lusa, o porta-voz da comissão, José Lourenço, explicou que a unidade está a um oitavo das suas capacidades, o que torna impossível a assistência médica nos dois polos.

“Estamos preocupadíssimos”, disse, adiantando que em finais de novembro terminou o contrato dos médicos tarefeiros que prestavam serviço na unidade, ao abrigo de uma autorização especial, e entretanto não foram feitos novos contratos que precisam de autorização superior nomeadamente da Administração Regional de Saúde.

José Lourenço adiantou que este problema não se resolve com tarefeiros, mas sim com a fixação de médicos com boas condições salariais.

“Não há falta de médicos no país. O que não há é médicos no SNS porque não é atrativo. É bom que as pessoas deixem de maltratar os médicos. Era bom que entendessem que a luta dos médicos é para repor o poder de compra dos últimos 12 anos sem aumentos salariais e as condições que tinham até à altura da ‘troika'”, frisou.

A situação na Via Verde Saúde Seixal foi também denunciada pela Comissão Política de Secção do PSD Seixal, que em comunicado considera que o anuncio reveste-se de “extrema gravidade, dada a época do ano e as expectativas que foram criadas pelo Governo socialista em torno desta solução, que prometia resolver os problemas dos utentes sem médico de família”.

Para o PSD Seixal, o caso revela o estado de falência total do SNS e “coloca a nu as teses mais retrógradas e estatizantes da esquerda e da esquerda radical que, por preconceito ideológico, teimam em rejeitar a urgente e necessária concertação, entre o Estado, o setor social e o setor privado, que possa, de uma vez por todas, resolver os gravíssimos problemas de falta de meios materiais e humanos na área da saúde”.

No comunicado, o PSD Seixal afirma ter defendido uma aposta maciça nos cuidados de saúde primários, através de centros de saúde devidamente equipados, da reabertura dos Serviços de Atendimento Permanente e das urgências, e critica o executivo camarário comunista por “em vez de tomar medidas como contratar médicos” apostar “numa política de propaganda em redor de um hospital fantasma”, numa alusão ao Hospital do Seixal.

A construção do Hospital do Seixal, no distrito de Setúbal, é uma reivindicação com mais de duas décadas que já foi objeto de um protocolo entre o Estado e a Câmara Municipal do Seixal, em 2009.

Em 29 de março, numa visita ao Hospital Garcia de Orta, em Almada, o ministro da Saúde disse que o concurso para a construção do hospital de proximidade do Seixal deveria ser lançado no último trimestre deste ano ou no inicio de 2024, classificando-o como um equipamento necessário.

LER MAIS

MAIS LIDAS