Ligue-se a nós

REGIÕES

FARO: LIGAÇÃO FLUVIAL LUSO-ESPANHOLA PELO GUADIANA INTERROMPIDA

A ligação fluvial entre Vila Real de Santo António e Ayamonte (Espanha) vai ser interrompida na terça-feira e só deverá ser retomada em dezembro, disse fonte da empresa portuguesa que assegura o serviço em parceria com uma espanhola.

Online há

em

A ligação fluvial entre Vila Real de Santo António e Ayamonte (Espanha) vai ser interrompida na terça-feira e só deverá ser retomada em dezembro, disse fonte da empresa portuguesa que assegura o serviço em parceria com uma espanhola.

Francisco Santos, gerente da Empresa de Transportes do Rio Guadiana, que gere a embarcação portuguesa da ligação por “ferry” entre as duas margens junto à foz do rio, explicou à agência Lusa que na base desta interrupção do serviço está uma decisão da embarcação espanhola de deixar de operar devido aos efeitos da pandemia de covid-19, numa altura em que o “ferry” português está no estaleiro para manutenção e renovação de licença caducada para poder voltar a operar.

“Quando uma das embarcações tem de ir ao estaleiro para reparações e para renovação de licença, a outra mantinha o serviço em atividade, mas a empresa espanhola decidiu deixar de operar porque há pouco movimento e não lhe compensa manter o serviço”, afirmou Francisco Santos.

O serviço esteve suspenso entre março e julho, no período em que as fronteiras europeias estiveram encerradas devido à primeira vaga de covid-19, mas agora nada fazia prever a paragem, comunicada pela empresa espanhola à congénere portuguesa.

“A tradição dos mais de 80 anos” de serviço em parceria apontava para que a embarcação de Ayamonte assegurasse o serviço até a de Vila Real de Santo António ter o a reparação e licenciamento concluídos.

“Eles decidiram parar a sua embarcação a partir de 03 de novembro e o serviço só deverá ser retomado em meados de dezembro”, previu Francisco Santos, perspetivando que, nessa altura, a embarcação portuguesa já tenha o processo de licenciamento concluído.

O representante disse que a empresa portuguesa “tem feito um esforço enorme para, mesmo com a perda de receitas — às vezes só se transportam quatro pessoas -, manter os postos de trabalho” e “não deixar os trabalhadores em dificuldades numa altura de crise”, mas “os espanhóis não têm esse problema porque quem opera a embarcação são os sócios da empresa”.

“A empresa espanhola alega que o movimento já não permite fazer frente aos gastos e vai ter de deixar de operar devido à pandemia”, lamentou Francisco Santos, frisando que a empresa portuguesa “também tem tido perdas de 80%”, mas “tem feito um esforço enorme para manter a atividade”.

Com a paragem da carreira fluvial mais a sul entre Portugal e Espanha, a única ligação entre o Algarve e a Andaluzia ativa é a ponte internacional do Guadiana, que liga Castro Marim, a cerca de cinco quilómetros a norte de Vila Real de Santo António, e Ayamonte.

A Lusa tentou obter esclarecimentos da Empresa de Transporte Fluvial del Guadiana S.L., responsável pela operação da embarcação espanhola, mas sem sucesso.

A intenção de paragem do serviço a partir de 03 de novembro foi, no entanto, anunciada pelo Ayuntamiento de Ayamonte nas redes sociais, onde dá conta de ter sido informado pela empresa de que, perante as circunstâncias provocadas pela pandemia de covid-29, teria de “suspender as ligações” entre as duas cidades fronteiriças “apenas durante um curto período de tempo, enquanto se estabiliza a situação sanitária”.

REGIÕES

VILA REAL: AUTARQUIA QUEIXA-SE DE CARTA ANÓNIMA COM DENÚNCIAS

A Câmara de Vila Real vai apresentar queixa no Ministério Público (MP) contra desconhecidos por uma carta anónima que diz estar “recheada de acusações falsas e fantasiosas” e visa a organização do Circuito Internacional, foi hoje anunciado.

Online há

em

A Câmara de Vila Real vai apresentar queixa no Ministério Público (MP) contra desconhecidos por uma carta anónima que diz estar “recheada de acusações falsas e fantasiosas” e visa a organização do Circuito Internacional, foi hoje anunciado.

A poucos dias da realização do Circuito Internacional de Vila Real, que decorre entre 28 e 30 de junho, foi colocada a circular pela cidade uma nova carta anónima que visa responsáveis políticos e administrativos do município, bem como outros cidadãos ligados à organização das corridas automóveis.

Em reação, o município liderado pelo socialista Rui Santos emitiu hoje um comunicado em que classifica a carta como “cobarde, recheada de acusações falsas e fantasiosas” e “destinada a denegrir o bom nome” dos agora visados nesta denúncia que é dirigida à Procuradora-Geral da República.

“Este [o circuito] é o tema da nova carta anónima, numa demonstração clara de que tudo serve para tentar ganhar vantagem política, mesmo o ataque a uma das mais importantes marcas do nosso concelho. Os do costume, num claro desrespeito por pessoas e famílias, a coberto do anonimato cobarde, inventam histórias e factos dignos de um enredo de telenovela”, referiu a autarquia.

A denúncia anónima fala em esquemas de corrupção e aponta para obras realizadas por ajustes diretos, algumas feitas “antes da adjudicação e sem qualquer fiscalização”, referindo-se ainda como “associação fantasma” à Associação Promotora do Circuito Internacional de Vila Real.

O município disse ainda que não responderá “às invenções fantasiosas, simplesmente porque elas não têm qualquer adesão à realidade” e lamentou “que alguns optem por esta forma de fazer política, porque acreditam que as eleições autárquicas do próximo ano podem ser ganhas mentindo aos cidadãos”.

“Não é coincidência que estas cartas anónimas surjam sempre com momentos políticos importantes. Aliás as cartas anónimas somam-se a campanhas nas redes sociais, a artigos de opinião em jornais e a outras intervenções mais ou menos públicas, mas sempre com os mesmos objetivos mesquinhos”, salientou ainda.

A câmara manifestou “um profundo repúdio por esta forma baixa de fazer política” e adiantou que, tal como fez anteriormente, fará chegar a questão às instituições apropriadas.

Contactada pela Lusa, fonte do município concretizou que vai ser apresentada uma queixa no MP contra desconhecidos.

Já em janeiro, após uma outra carta anónima que visava principalmente Rui Santos, foi também apresentada uma queixa no MP.

Na altura, a Procuradoria-Geral da República confirmou a receção da denúncia anónima que foi remetida ao Ministério Público de Vila Real, onde deu origem a um inquérito, desconhecendo-se desenvolvimentos sobre o caso.

“Percebemos todos que, se alguma das histórias inventadas fosse verdadeira, se houvesse alguma sustentação para aquilo que se escreve, seria muito fácil apresentar publicamente as evidências ou confrontar os responsáveis políticos nos órgãos próprios. Ora, isso nunca acontece nem poderia acontecer, dada a falsidade das acusações”, referiu o município no comunicado.

Depois de anos de interregno, o regresso das corridas automóveis ao circuito foi uma promessa eleitoral do socialista Rui Santos, aquando da primeira candidatura à Câmara de Vila Real, em 2013, que foi concretizada em 2014.

O circuito realiza-se nas ruas da cidade e, neste momento, ultimam-se os trabalhos de montagem das guardas metálicas de segurança.

LER MAIS

REGIÕES

PORTO: CIRCULAÇÃO AUTOMÓVEL NA AVENIDA DA BOAVISTA “FINALMENTE” RESTITUÍDA

A circulação rodoviária da Avenida da Boavista foi restituída em ambos os sentidos, informou hoje a Metro do Porto, acrescentando que os trabalhos da empreitada do “metrobus” permanecem no corredor central e na Avenida do Marechal Gomes da Costa.

Online há

em

A circulação rodoviária da Avenida da Boavista foi restituída em ambos os sentidos, informou hoje a Metro do Porto, acrescentando que os trabalhos da empreitada do “metrobus” permanecem no corredor central e na Avenida do Marechal Gomes da Costa.

Numa publicação no seu site, a Metro do Porto afirma que “a normalidade na Avenida da Boavista foi restituída, durante o dia de ontem [terça-feira], à população portuense na sua plenitude e antes das festas de São João, conforme havia sido prometido”. Segundo a Metro, a Avenida da Boavista “não só ficou desimpedida de constrangimentos de obra, como foi devolvida com uma série de melhorias”, como novos passeios, sistema de semaforização, sinalização e iluminação.

A circulação rodoviária entre a rotunda da Boavista e a intersecção com a Avenida Marechal Gomes da Costa foi restituída nas duas vias, em ambos os sentidos, continuando a Metro do Porto a trabalhar no corredor central da avenida e na Avenida Marechal Gomes da Costa, nomeadamente na construção das sete estações do “metrobus” (Casa da Música, Guerra Junqueiro, Bessa, Pinheiro Manso, Serralves, João de Barros e Império).

Durante os últimos 16 meses, a circulação sofreu diversos impedimentos e alterações de trânsito devido à obra do “metrobus”, que ligará a Casa da Música à Praça do Império. O prazo para a conclusão da obra de concepção e construção do “metrobus” do Porto tem como data limite 23 de Agosto e o primeiro veículo a hidrogénio deverá chegar entre o final de Setembro e início de Outubro, segunda a Metro do Porto. A partir desta quarta-feira, também o acesso à rotunda através da avenida foi retomado, avança a metro.

As condicionantes à circulação na rotunda (Praça Mouzinho de Albuquerque) permanecem até sábado, indicou à Lusa fonte da Metro, acrescentando que a própria rotunda fica desimpedida no dia 20 de Julho, no âmbito da empreitada da Linha Rosa, que ligará São Bento à Casa da Música.

Aquando da apresentação do programa das festividades do São João, o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, adiantou que o município estava a tentar distribuir os empresários das diversões que ficariam na Boavista por outras zonas da cidade e a estudar a possibilidade de instalar a roda gigante noutro local. “Temos pena do que se passa na rotunda da Boavista (…) Foi-nos anunciado que tudo aquilo iria estar desimpedido no início do mês, mas basta lá passar para perceber que não vai ser assim”, afirmou Rui Moreira.

Ao contrário de outros anos, a rotunda da Boavista não tem a habitual zona de diversões “devido a constrangimentos logísticos” das obras da Metro do Porto. “A Metro tem-nos surpreendido sempre com o facto de as previsões não baterem certo de qualquer maneira”, referiu então o autarca, defendendo, no entanto, que a cidade tem de viver com os constrangimentos das obras. “Não podemos fazer disso também um drama, a cidade do Porto vai festejar o São João condignamente”, referiu.

Questionado sobre o que aconteceria aos empresários de equipamentos de diversão da Boavista, Rui Moreira afirmou que o município está a tentar distribuí-los por outras zonas da cidade, assim como a estudar a possibilidade de instalar a roda gigante noutro local da cidade. “Estamos a pensar se a conseguimos instalar e onde, não é evidente. De resto, vamos conseguir certamente contentar os empresários, mas não é fácil a substituição de sítio, sobretudo para a roda gigante”, referiu, dizendo que os empresários estão “muito desapontados” por não se instalarem na Boavista.

LER MAIS
Subscrever Canal WhatsApp
RÁDIO ONLINE
ASSOCIAÇÃO SALVADOR, HÁ 20 ANOS A TIRAR SONHOS DO PAPEL

LINHA CANCRO
DESPORTO DIRETO

RÁDIO REGIONAL NACIONAL: SD | HD



RÁDIO REGIONAL VILA REAL


RÁDIO REGIONAL CHAVES


RÁDIO REGIONAL BRAGANÇA


RÁDIO REGIONAL MIRANDELA


MUSICBOX

WEBRADIO 100% PORTUGAL


WEBRADIO 100% POPULAR


WEBRADIO 100% LOVE SONGS


WEBRADIO 100% BRASIL


WEBRADIO 100% OLDIES


WEBRADIO 100% ROCK


WEBRADIO 100% DANCE


WEBRADIO 100% INSPIRATION

KEYWORDS

FABIO NEURAL @ ENCODING


NARCÓTICOS ANÓNIMOS
PAGAMENTO PONTUAL


MAIS LIDAS